quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Homenagem a Aldo Miccolis

Fonte: CPB

Faleceu na madrugada de segunda-feira Aldo Miccolis, presidente de honra do Comitê Paraolímpico Brasileiro. Miccolis estava com 78 anos e sofreu um ataque cardíaco, entre 0h30 e 1h. Carioca, deixa esposa e filhos, e todo paraolimpismo brasileiro órfão. O velório será na Igreja Batista do Méier (Rua Hermengarda, 31), a partir das 12h.

Aldo Miccolis era conhecido no movimento paraolímpico como “A Lenda”, por seu papel pioneiro no movimento paraolímpico brasileiro. Começou em 1958, quando ele foi convidado por Robson Sampaio para ser o diretor do centro esportivo do Clube do Otimismo, no Rio de Janeiro. Era o embrião do Comitê Paraolímpico. Miccolis ajudou a criar a Associação Nacional de Desporto para Deficientes (ANDE).

Foi diretor da entidade desde seus primeiros dias de existência, em 1975, até 2001. Ajudou na fundação da Confederação Brasileira de Desportos para Cegos (CBDC), foi vice-presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), e era o atual presidente de honra da entidade.

“Eu sou o João Halevange do movimento paraolímpico”, comparava, cheio de orgulho, citando o ex-presidente da Fifa e membro do Comitê Olímpico Internacional (COI), que completará um século de vida no Rio 2016. Todas as vezes que o Brasil participou de uma edição de Jogos Paraolímpicos, lá estava Miccolis acompanhando a delegação.

De tanto acumular lembranças Aldo se empenhava em abrir um memorial paraolímpico na antiga sede do Clube do Otimismo, no bairro do Méier. “Guardo comigo a primeira medalha paraolímpica do Brasil e a bocha utilizada por Robson Sampaio e Luis Carlos Costa”, gabava-se.

A dupla a qual se referia Miccolis levou a bandeira brasileira a um pódio paraolímpico pela primeira vez na história na charmosa cidade de Toronto, no Canadá, em 1976. Era a segunda participação brasileira em Jogos – a primeira ocorreu quatro anos antes em Heidelberg, na Alemanha. Eles foram prata na bocha.

Miccolis diz que tinha o maior acervo da história do movimento paraolímpico. “Conto com a colaboração de familiares de atletas que já faleceram. Muita gente me envia recordações de competições passadas”, explicava.

“É uma perda irreparável. Aldo Miccolis foi uma das pedras fundamentais do movimento paraolímpico brasileiro. Sua incomensurável contribuição ao longo de mais de 50 anos ao esporte para as pessoas com deficiência foi decisiva para que o Brasil hoje seja reconhecido como potência paraolímpica. É um dia muito triste para todos nós. Que as boas lembranças e nossa solidariedade possam aliviar o sofrimento de sua esposa e filhos”, diz Andrew Parsons, presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro.

Nenhum comentário: