quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

CBDC em apuros - Seis meses depois...

Gostaria de parabenizar a repórter Renata Puccinelli, do Díário Lance, pelas ótimas reportagens sobre a crise na Confederação Brasileira de Desportos para Cegos. Pretendo apenas deixar claro que o histórico desta crise já havia sido publicado por este blog no dia 8 de agosto de 2008.

Para complementar o belo trabalho da jornalista publicarei novamente o comunicado da CBDC de 4 de agosto de 2008.

“Fundada em 19 de janeiro de 1984, a Confederação Brasileira de Desportos para Cegos (CBDC) é a entidade responsável pela gestão da prática esportiva para as pessoas com deficiência visual em nosso país nas modalidades: Judô, Goalball, Futebol de 5, Atletismo, Natação, Xadrez e Powerlifting (levantamento de peso). A CBDC, que congrega aproximadamente 130 entidades e quase 3 mil atletas, é filiada ao Comitê Paraolímpico Brasileiro e, no plano internacional, a IBSA, a Federação Internacional de Esportes para Cegos.

Durante toda a sua existência, a entidade alcançou, juntamente com o segmento, grandes conquistas, simbolizadas no grande número de eventos que realizou em âmbito nacional, nas inúmeras medalhas e recordes internacionais e, até mesmo, nos grandes eventos internacionais que realizou no Brasil. Dentre os vários eventos que sediamos em nosso país, certamente, o maior foi a 3ª edição dos Jogos Mundiais para Cegos, nas cidades de São Paulo e São Caetano do Sul, no período de 28 de julho a 8 de agosto de 2007, com a participação de aproximadamente 1.700 pessoas de 61 países. Este evento foi classificatório para os Jogos Paraolímpicos de Pequim-2008, e contou com uma estrutura compatível com qualquer grande realização esportiva internacional, inclusive, com a quebra de 24 recordes mundiais e a realização de quase 200 exames anti-doping. O Brasil teve uma participação extraordinária, tendo ficado em 3° lugar no quadro geral de medalhas e alcançado o título de campeão nas modalidades Atletismo e Futebol de 5, além de ter qualificado as equipes masculina e feminina de goalball para os Jogos Paraolímpicos.

No entanto, hoje, as vésperas da Paraolimpíada, em que o sucesso da participação brasileira é quase uma certeza, inclusive com uma delegação que conta com a participação de aproximadamente 100 pessoas que tem algum vínculo com a CBDC, e até mesmo com a utilização da bola na modalidade futebol de 5 sendo produzida no Brasil, e após tantas outras conquistas, a entidade se encontra em uma situação financeira extremamente difícil, o que ocorreu pelo fato de não ter recebido os apoios necessários para a realização dos Jogos Mundiais da IBSA, ficando assim com uma dívida de aproximadamente R$1,5 milhão( um milhão e meio de reais), o que certamente trouxe conseqüências terríveis para aquelas empresas e pessoas que trabalharam na organização do evento. Neste sentido, vale dizer ainda que a CBDC somente decidiu postular a realização deste grande evento no Brasil a partir do momento que estava de posse das cartas de apoio das autoridades constituídas, o que daria legitimidade para que o evento integrasse os respectivos orçamentos das instâncias de governo envolvidas. Neste caso, cabe esclarecer que a participação da cidade de São Caetano do Sul veio após a definição da realização do evento no Brasil, o que se deu pelo fato de necessitarmos de uma infra-estrutura esportiva melhor, especialmente em relação a ginásios, o que foi encontrado naquela cidade.

Desta maneira, podemos concluir não ser justo que o movimento de quase 25 anos de existência esteja chegando ao seu final e que, empresas e pessoas que confiaram na idoneidade da instituição, o que sempre foi uma marca, fiquem com suas situações funcionais verdadeiramente deterioradas. Assim, algo precisa ser feito, pois não podemos deixar uma história finalizar-se de maneira tão trágica, e a idéia é falarmos a todos os lugares deste país aquilo que está ocorrendo conosco, pois somente nós e nossos parceiros é que sabemos o tamanho da dor que estamos sentindo após termos dignificado mais uma vez, o nome do nosso país com a realização de um evento tecnicamente extraordinário. As dificuldades que estamos enfrentando estão presentes na impossibilidade de realizarmos competições, na condição de não honrarmos nosso compromissos financeiros, na demissão de funcionários, nos problemas judiciais e, até mesmo, no impeditivo para recebermos recursos públicos; ou seja, estamos diante de um quadro bastante difícil, mas - por outro lado - estamos extremamente determinados no enfrentamento destes desafios e acreditando profundamente na possibilidade do êxito, diante de mais esta “competição”, pois, felizmente, o histórico de credibilidade da CBDC sempre esteve presente.
Por isso, através dos meios de comunicação, do meio político, da iniciativa privada e da sociedade em geral, solicitamos o socorro que necessitamos para a continuidade da existência de uma entidade e de um movimento que sempre procuraram primar pela seriedade e que, acima de tudo, surgiram com uma finalidade digna e para uma existência muito mais duradoura.

Assim, ficamos à disposição daqueles que necessitem de outros esclarecimentos e, até mesmo, daqueles que possam nos ajudar, dando espaço para a divulgação desta mensagem ou ainda daqueles que possam nos apoiar através de ações de patrocínio ou doações.

Finalmente, ficamos na expectativa de recebermos os contatos daqueles que, de maneira mais direta, possam integrar nossa luta, independentemente de qual seja a maneira da colaboração, aos quais nós já antecipamos nosso profundos agradecimentos.”

2 comentários:

Dulce Maria disse...

PV, como sempre um jornalista de vanguarda. Parabéns pelas suas reportagens, lembrei de você e vim aqui ler as últimas notícias do seu Blog. Vamos marcar um Chopp. Abraços do seu estagiário Júlio Gracco

Dulce Maria disse...

P.S: Dulce Maria é minha tia, tava logado no nome dela. Abraço