quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

CBDC em apuros - Seis meses depois...

Gostaria de parabenizar a repórter Renata Puccinelli, do Díário Lance, pelas ótimas reportagens sobre a crise na Confederação Brasileira de Desportos para Cegos. Pretendo apenas deixar claro que o histórico desta crise já havia sido publicado por este blog no dia 8 de agosto de 2008.

Para complementar o belo trabalho da jornalista publicarei novamente o comunicado da CBDC de 4 de agosto de 2008.

“Fundada em 19 de janeiro de 1984, a Confederação Brasileira de Desportos para Cegos (CBDC) é a entidade responsável pela gestão da prática esportiva para as pessoas com deficiência visual em nosso país nas modalidades: Judô, Goalball, Futebol de 5, Atletismo, Natação, Xadrez e Powerlifting (levantamento de peso). A CBDC, que congrega aproximadamente 130 entidades e quase 3 mil atletas, é filiada ao Comitê Paraolímpico Brasileiro e, no plano internacional, a IBSA, a Federação Internacional de Esportes para Cegos.

Durante toda a sua existência, a entidade alcançou, juntamente com o segmento, grandes conquistas, simbolizadas no grande número de eventos que realizou em âmbito nacional, nas inúmeras medalhas e recordes internacionais e, até mesmo, nos grandes eventos internacionais que realizou no Brasil. Dentre os vários eventos que sediamos em nosso país, certamente, o maior foi a 3ª edição dos Jogos Mundiais para Cegos, nas cidades de São Paulo e São Caetano do Sul, no período de 28 de julho a 8 de agosto de 2007, com a participação de aproximadamente 1.700 pessoas de 61 países. Este evento foi classificatório para os Jogos Paraolímpicos de Pequim-2008, e contou com uma estrutura compatível com qualquer grande realização esportiva internacional, inclusive, com a quebra de 24 recordes mundiais e a realização de quase 200 exames anti-doping. O Brasil teve uma participação extraordinária, tendo ficado em 3° lugar no quadro geral de medalhas e alcançado o título de campeão nas modalidades Atletismo e Futebol de 5, além de ter qualificado as equipes masculina e feminina de goalball para os Jogos Paraolímpicos.

No entanto, hoje, as vésperas da Paraolimpíada, em que o sucesso da participação brasileira é quase uma certeza, inclusive com uma delegação que conta com a participação de aproximadamente 100 pessoas que tem algum vínculo com a CBDC, e até mesmo com a utilização da bola na modalidade futebol de 5 sendo produzida no Brasil, e após tantas outras conquistas, a entidade se encontra em uma situação financeira extremamente difícil, o que ocorreu pelo fato de não ter recebido os apoios necessários para a realização dos Jogos Mundiais da IBSA, ficando assim com uma dívida de aproximadamente R$1,5 milhão( um milhão e meio de reais), o que certamente trouxe conseqüências terríveis para aquelas empresas e pessoas que trabalharam na organização do evento. Neste sentido, vale dizer ainda que a CBDC somente decidiu postular a realização deste grande evento no Brasil a partir do momento que estava de posse das cartas de apoio das autoridades constituídas, o que daria legitimidade para que o evento integrasse os respectivos orçamentos das instâncias de governo envolvidas. Neste caso, cabe esclarecer que a participação da cidade de São Caetano do Sul veio após a definição da realização do evento no Brasil, o que se deu pelo fato de necessitarmos de uma infra-estrutura esportiva melhor, especialmente em relação a ginásios, o que foi encontrado naquela cidade.

Desta maneira, podemos concluir não ser justo que o movimento de quase 25 anos de existência esteja chegando ao seu final e que, empresas e pessoas que confiaram na idoneidade da instituição, o que sempre foi uma marca, fiquem com suas situações funcionais verdadeiramente deterioradas. Assim, algo precisa ser feito, pois não podemos deixar uma história finalizar-se de maneira tão trágica, e a idéia é falarmos a todos os lugares deste país aquilo que está ocorrendo conosco, pois somente nós e nossos parceiros é que sabemos o tamanho da dor que estamos sentindo após termos dignificado mais uma vez, o nome do nosso país com a realização de um evento tecnicamente extraordinário. As dificuldades que estamos enfrentando estão presentes na impossibilidade de realizarmos competições, na condição de não honrarmos nosso compromissos financeiros, na demissão de funcionários, nos problemas judiciais e, até mesmo, no impeditivo para recebermos recursos públicos; ou seja, estamos diante de um quadro bastante difícil, mas - por outro lado - estamos extremamente determinados no enfrentamento destes desafios e acreditando profundamente na possibilidade do êxito, diante de mais esta “competição”, pois, felizmente, o histórico de credibilidade da CBDC sempre esteve presente.
Por isso, através dos meios de comunicação, do meio político, da iniciativa privada e da sociedade em geral, solicitamos o socorro que necessitamos para a continuidade da existência de uma entidade e de um movimento que sempre procuraram primar pela seriedade e que, acima de tudo, surgiram com uma finalidade digna e para uma existência muito mais duradoura.

Assim, ficamos à disposição daqueles que necessitem de outros esclarecimentos e, até mesmo, daqueles que possam nos ajudar, dando espaço para a divulgação desta mensagem ou ainda daqueles que possam nos apoiar através de ações de patrocínio ou doações.

Finalmente, ficamos na expectativa de recebermos os contatos daqueles que, de maneira mais direta, possam integrar nossa luta, independentemente de qual seja a maneira da colaboração, aos quais nós já antecipamos nosso profundos agradecimentos.”

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Mensagem de Ivaldo Brandão

O Professor Ivaldo Brandão informou a razão para não ter enviado as respostas sobre a eleição do Comitê Paraolímpico Brasileiro. Leia abaixo:


"Desculpe-me por não enviar as informações solicitadas, em função de a "Chapa Renovação", ter sido abandonada pela ABDEM, Associação Brasileira de Desportos para Deficientes Intelectuais, na sexta feira 13 de Fevereiro, inclusive com membro indicado na Vice-Presidencia o senhor Amauri Russo.

Dessa forma foi decidio por mim que a chapa seria no seu devido tempo retirada do pleito e não dessa forma, não havia o porque responder os seus questionamentos, desculpe-me mas fomos pegos de surpresa com esta atitude estemporânea dessa associação que não honrou os compromissos assumidos em prol e uma disputa democrática que tanto carece o movimento das pessaos com deficiencia, preferindo, sim, fazer acordos para ter durante os proximos quatro anos os benesses da próxima diretoria.

Agradeço o carinho e dedicação em buscar os devidos esclarecimentos sobre a eleição do CPB, mas como essa atitude da Associação ABDEM não era o prevista, utilizamos o fato como estratégiapara a retirada da chapa e que não poderia ser revelado antes do pleito. Desculpe-me pelo incomodo da sonegação da informação.

Sem mais para o momento me coloco a seu inteiro dispor."

Professor Ivaldo Brandão Vieira

América fecha parceria inédita

O América e a Urece Esporte e Cultura assinaram um contrato de patrocínio na próxima segunda-feira. Com a parceria, o Sangue é o primeiro clube no Brasil a ter um time de futebol para cegos. A solenidade ocorre às 19 h, na sala de troféus do centenário clube carioca, localizada na Rua Campos Sales, na Tijuca, Zona Norte do Rio.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Andrew Parsons é o novo presidente do CPB

O Comitê Paraolímpico Brasileiro tem um novo presidente. Ele se chama Andrew Parsons, último secretário geral do CPB. De acordo com fontes ligadas às duas chapas concorrentes, Ivaldo Brandão, o candidato da oposição, retirou a candidatura e Andrew foi eleito por aclamação.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Eleições CPB

Mandei perguntas por e-mail para os dois candidatos à presidência do Comitê Paraolímpico Brasileiro. Até agora, apenas Andrew Parsons, o secretário geral do CPB, respondeu. Com ansiedade, aguardo o pronunciamento do presidente da Asssociação Nacional de Desportos para as Pessoas com Deficiência, Ivaldo Brandão. Acompanhe no blog Espaço Paraolímpico, do Lancenet.

Acesse http://www.lancenet.com.br/blogs_colunistas/paulovitor/default.asp

Cadeira de rodas anfíbia

Fonte: Site G1

Autora: Daniella Clark Do G1, no Rio

A caminho do mar do Leblon, no Posto 11, a esteira de bambu instalada em abril de 2008 pela Prefeitura do Rio tem agora novos "aliados" na busca pela inclusão de portadores de deficiência no lazer preferido dos cariocas. São cadeiras de rodas anfíbias e pranchas de surfe adaptadas levadas aos domingos para aquele pedaço da praia pelas ONGs Adaptsurf e Espaço Novo Ser.

"É uma forma de todos terem acesso ao lazer na praia", conta Nena Gonzalez, uma das coordenadoras do projeto "Praia acessível" e presidente da ONG Espaço Novo Ser.

A idéia do projeto – que estreou no último domingo (8) – é fazer com que a areia fofa e as ondas deixem de ser barreiras para os portadores de deficiência que querem curtir um dia de sol à beira-mar. A iniciativa foi conferida e aprovada pelo blog "Mão na roda", publicado no site do "Globo" na internet.

Esteira leva a uma tenda

Aos domingos, a esteira leva agora a uma tenda, onde são oferecidas gratuitamente várias atividades de lazer.



O projeto é uma maneira também de aproveitar melhor o caminho de bambu: apesar de facilitar o trajeto até a areia, ele termina a uma boa distância da água e acaba sendo muito usado pelos ambulantes, que danificam o material transportando ali suas mercadorias. A ONG agora tem planos de melhorar esse acesso à praia.



"O problema é que eles usam carrinhos completamente lotados e o peso acaba danificando a esteira", conta Nena.

O projeto – que conta com estagiários e voluntários de educação física e fisioterapia - seguirá no Leblon durante todo o verão. O próximo encontro será no domingo (15), a partir das 8h, com atividades que incluem apresentações de surfe adaptado, banhos de mar orientados, músicas e jogos.



O objetivo é atrair pessoas com dificuldades de locomoção – incluindo idosos – que passam por uma avaliação e são cadastradas.



"A nossa idéia é levar o projeto para outras praias, como Barra e Copacabana", conta Nena.

Para conferir

Quando: Aos domingos, das 8h às 14h. O próximo encontro será no dia 15.
Onde: No Leblon, na altura do Posto 11.
Na internet: www.novoser.org.br e www.adaptsurf.org.br.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Daniel Dias na coletiva do COB

O nadador Daniel Dias foi convidado pelo Comitê Olimpico Brasileiro (COB) para representar todos os atletas paraolímpicos no evento de apresentação do Projeto Olímpico Rio 2016, nesta sexta-feira, dia 13, às 10h, no Centro de Convenções Sul-América, na Cidade Nova.

A apresentação contará com a presença do presidente do Comitê de Candidatura Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman; do presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro, Vital Severino Neto; do Ministro do Esporte, Orlando Silva; do Governador do Rio, Sérgio Cabral; e do Prefeito do Rio, Eduardo Paes.

“Será ótimo estar presente neste momento tão importante para o esporte brasileiro. Torço muito pelo Rio de Janeiro . Ia ser um privilégio competir no meu país no maior evento do esporte mundial. O Parapan já foi uma festa. Imagina uma paraolimpíada?”, disse Daniel Dias.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Clodoaldo apresenta projeto de natação no Flu

O nadador Clodoaldo Silva, ícone da natação paraolímpica do Brasil, esteve na sede do Fluminense Football Club na noite desta sexta-feira (6/2), quando apresentou um projeto de parceria com o clube visando à formação de uma equipe de ponta de natação paraolímpica.



Durante o encontro, realizado no Auditório Ricardo de Figueiredo, nas Laranjeiras, Clodoaldo mostrou alguns vídeos de sua vitoriosa carreira e revelou os ensinamentos que aprendeu na vida de desportista.

"Nem todos conseguem chegar ao lugar mais alto do pódio, mas precisamos sempre buscar o nosso melhor. A lágrima de uma derrota vale mais do que a ausência de uma tentativa de vitória", sentenciou.



Estiveram presentes à reunião Margarida Passos, coordenadora do projeto de natação adaptada do Fluminense, Renato Quaresma, diretor de natação e René Machado, superintendente dos esportes olímpicos do clube.



René confessou que o Fluminense vai se empenhar para que o projeto de Clodoaldo se torne realidade. "Vamos buscar apoio para que possamos viabilizar esse projeto. Ter uma pessoa do caráter e ética do Clodoaldo à frente de qualquer trabalho é um orgulho para o clube. O Fluminense vê com bons olhos a iniciativa dele e vai fazer de tudo para que isso realmente aconteça", afirmou.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Pausa nos esportes adaptados. Fernandão no Flu?

Dando uma pausa nos esportes paraolímpicos, vamos falar um pouquinho de futebol. Após as pífias atuações de Roger e Leandro Amaral, o Fluminense procura um artilheiro. Fred e Magno Alves são os candidatos para essa vaga. Porém, um outro nome, segundo fontes ligadas à diretoria do clube, estaria na mira: Fernandão (ex-Internacional). Caso se concretize a contratação, seria uma opção muito mais interessante do que o Magnata. Fernandão é jovem, tem bom passe e faz gols de tudo que é jeito.

Grande repórter

Quero parabenizar a repórter do Programa Especial Fernanda Honorato pela bela entrevista com o velocista Claudemir Santos, medalha de prata no revezamento 4 x 100m nos Jogos Paraolímpicos de Pequim-2008. A jornalista tem Síndrome de Down e mostra ser muito articulada. No site do Programa Especial, Fernanda fala da experiência de trabalhar na TV. “É um sonho realizado. Desde pequena, entrevistava pessoas da minha família e brincava que queria ser Marília Gabriela”.