segunda-feira, 30 de junho de 2008

Rugby brasileiro no Canadá - Parte 2

Paulo Vitor, do site NOTÍCIAS PARAOLÍMPICAS (www.einclusao.net) e do LANCENET (http://www.lancenet.com.br/blogs_colunistas/paulovitor/)
A Associação Brasileira de Rugby em Cadeira de Rodas está trabalhando muito na Assembléia Geral da instituição responsável pela modalidade no mundo, a International Wheelchair Rugby Federation (IWRF), em Vancouver, no Canadá. O vice-presidente administrativo da ABRC, Matias Costa, contou as novidades em meio à correria.

“Temos dois DVDs, vários manuais técnicos e muitos outros textos. Participamos de uma clínica de arbitragem e uma de treinamento. Assistimos aos treinos das seleções do Canadá e dos Estados Unidos (EUA). Estamos sendo muito bem recebidos pelas equipes. Os organizadores e atletas pretendem fazer um vídeo para a motivação dos nossos jogadores. Recebemos incentivo para a criação de uma seleção, idéia antiga nossa”, afirmou o dirigente na comunidade da ABRC no Orkut.

O presidente da associação, o ex-atleta medalhista paraolímpico Luiz Cláudio Pereira, e Moyses Santanna, trainee de classificação, também estão em Vancouver.

Livro sobre esportes para pessoas com deficiência

Hoje tem coquetel. Nesta segunda-feira, às 19h, a Livraria Da Conde, no Leblon (zona sul do Rio de Janeiro), realiza o lançamento da obra ‘Esporte, um olhar muito especial’. O livro mostra histórias e opiniões sobre o esporte adaptado e a relação com a causa dos direitos da pessoa com deficiência.

A publicação é um registro dos feitos de atletas, instituições e profissionais envolvidos com o movimento paraolímpico.

O projeto ‘Esporte, um olhar muito especial’ é patrocinado pelas empresas Atento e Athos Farma, com o apoio do Ministério da Cultura, Lei de Incentivo à Cultura, Amil e Gráfica Minister.

Data do Evento: 30/6/2008 (segunda-feira)
Horário: 19h
Local: Livraria Da Conde
Endereço: Rua Conde Bernadote, 26, loja 125 – Leblon
Contatos: (21) 2274-0359 / 2511-5731.

sexta-feira, 27 de junho de 2008

A vez da Série B e das mulheres

Paulo Vitor, do site NOTÍCIAS PARAOLÍMPICAS (http://www.einclusao.net/)

Comandado pelo ex-jogador Amauri Ribeiro, treinador da Seleção de Vôlei Paraolímpico, o Cruz de Malta foi bicampeão nacional. Agora a Andef, em Niterói, é a sede da Série B e do Brasileiro Feminino. Com a participação de oito equipes, a Segunda Divisão vai até 29 de junho. Entre 3 e 6 de julho, as mulheres entram em quadra.

Colaborou a Associação Brasileira de Vôlei Paraolímpico

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Tiro certeiro!

O blog de Jefferson Maia, grande atleta de Rugby em Cadeira de Rodas, é muito interessante. Ao visitá-lo nesta quinta-feira (dia 26), descobri a existência da 9ª Copa São Luís de Tiro Esportivo, realizada no Maranhão entre os dias 12 e 15 de junho. Essa competição faz parte do Campeonato Brasileiro da modalidade.

Tomara que o time de futebol do Fluminense, goleado na quarta-feira por não jogar nada no primeiro tempo da partida de ida da decisão da Copa Libertadores, inspire-se nos atletas de tiro do clube e tenha boa pontaria contra a LDU no Maracanã, dia 2 de julho.

Jefferson elogiou muito a iniciativa do Flu. “Meus amigos Calixto e Strub mandaram muito bem. O Fluminense mostra sua atenção com o desporto adaptado, criando cada vez mais espaços nessa área. Cabe aos outros 'grandes clubes' do país seguirem esse exemplo”, escreveu o blogueiro.

Os resultados na Pistola de ar:

1º LUGAR - WALTER CALIXTO DO FLUMINENSE;
2º SERGIO VIDA;
3º CARLOS STRUB, TAMBÉM DO FLUMINENSE (prata na carabina 22).

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Rugby brasileiro no Canadá

A Associação Brasileira de Rugby em Cadeira de Rodas (ABRC) participou nesta semana da Assembléia Geral da instituição responsável pela modalidade no mundo, a International Wheelchair Rugby Federation (IWRF), em Vancouver, no Canadá. Nesse evento, 14 países estavam presentes. Além de algumas mudanças nas regras, a IWRF discutiu sua separação da International Wheelchair & Amputee Sports Federation (Iwas).

Agora, também em Vancouver, a associação participa da reunião das Américas. Os principais objetivos da delegação brasileira no Canadá são a garantia da participação do país no Parapan de 2009, a busca de informação para os clubes e da viabilidade do rugby no Brasil e conseguir uma cadeira de rodas adaptada e outro material relacionado a esse esporte.


O Brasil participará pela primeira vez de uma competição fora do país, a Canadá Cup, a última de rugby de cadeirantes antes da Paraolimpíada de Pequim-2008.

O presidente da ABRC, Luiz Claudio Pereira; o vice-presidente administrativo, Matias Costa; e Moyses Santanna, trainee de classificação, representam o país em Vancouver.

terça-feira, 24 de junho de 2008

Paulo Douglas

De acordo com o Comitê Paraolímpico Brasileiro, o destaque do Aberto da Tunísia, realizado entre os dias 12 e 18 de junho, foi o carioca Paulo Douglas. O atleta estabeleceu novas marcas no dardo, com 39m26, e no disco (36m55). Morador de São Gonçalo, Paulo começou nas provas de campo em 2006 e é uma das promessas de medalha nos Jogos Paraolímpicos de Pequim.


“Paulo é um pedra bruta. Com muito talento, mas ainda com potencial a ser trabalhado. Os resultados mostraram que estamos no caminho certo”, disse o coordenador da modalidade, Ciro Winckler.

Paulo ainda competiu no arremesso de peso. “Não esperava esses recordes, mas estou muito feliz. Isso mostra que sou capaz. Sou o rei da Arábia”, brincou o atleta.

O último dia de provas reservou outras surpresas para o Brasil. Shirlene Santos melhorou a própria marca mundial no dardo, com 31m89. Os velocistas brasileiros também fecharam o dia 18 de maneira impressionante nos 400m rasos. Com ventos fortes e temperatura acima de 43º C, a volta na pista parecia uma maratona.

“Quando chegávamos na curva dos 200m, quase chegando na reta dos 100m, parecia que a perna não agüentaria. O calor era insuportável e o vento atrapalhava a equipe”, contou Yohansson Ferreira, campeão nos 100m, 200m e 400m rasos da classe T46.

segunda-feira, 23 de junho de 2008

DIA PARAOLÍMPICO

Paulo Vitor, do LANCENET (http://www.lancenet.com.br/blogs_colunistas/paulovitor/default.asp) e do site NOTÍCIAS PARAOLÍMPICAS (http://www.einclusao.net/)

De acordo com o Comitê Paraolímpico Brasileiro, nesta segunda-feira, duas solenidades marcaram o apoio oficial do Governo Federal à candidatura da cidade do Rio de Janeiro a sede dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016. O prefeito do Rio de Janeiro, Cesar Maia, recebeu atletas e autoridades do esporte no Palácio da Cidade pela manhã. No Palácio Guanabara, à tarde, a comitiva foi recebida pelo governador do Rio, Sérgio Cabral, e pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para o lançamento oficial da campanha Rio-2016. O presidente Lula já confirmou que comparecerá à cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim, em agosto.

Os atletas Mauro Brasil (natação), Karla Ferreira (judô), Darke Moraes e Rossano Marcos (vela), Felipe Gomes e Paulo Douglas (atletismo) foram os representantes dos esportes para pessoas com deficiência.

Hoje é o Dia Olímpico, celebrado mundialmente nesta segunda-feira, dia 23 de junho. A data remete à fundação do Comitê Olímpico Internacional (COI) pelo Barão Pierre de Coubertin, em 1894, em Paris. Em 2008, o COI está completando 114 anos.

CONVOCAÇÃO NO VÔLEI!

Amauri Ribeiro, o técnico da seleção masculina de vôlei paraolímpico e da equipe bicampeã brasileira (o Cruz de Malta), divulgou nesta segunda-feira (23 de junho) a lista dos 12 atletas que vão representar o Brasil nos Jogos Paraolímpicos de Pequim-2008.

Convocados:

Renato de Oliveira Leite - Cruz de Malta (SP)
Guilherme Borrajo Faria Gomes - Cruz de Malta (SP)
Deivisson Ladeira dos Santos - Cruz de Malta (SP)
Giovani Eustáquio de Freitas - Cruz de Malta (SP)
Diogo Rebouças - Cruz de Malta (SP)
Wellington Platini - Cruz de Malta (SP)
Claudio Irineu da Silva - Suzano Paraolímpico (SP)
Rodrigo Alves Mello - Suzano Paraolímpico (SP)
Samuel Henrique Arantes - Suzano Paraolímpico (SP)
Daniel Jorge da Silva - Unilehu (PR)
Gilberto Lourenço da Silva - PPP (SP)
Wescley Conceição de Oliveira - Andef (RJ)

domingo, 22 de junho de 2008

Cruz de Malta é bi no vôlei!

Paulo Vitor, do LANCENET! (http://www.lancenet.com.br/blogs_colunistas/paulovitor/default.asp)

Niterói, RJ – A equipe da Nossa Caixa/Cruz de Malta conquistou o bicampeonato brasileiro de vôlei paraolímpico ao vencer neste domingo (dia 22) o Suzano por 3 sets a 0 (25/18; 25/19 e 25/10) na quadra da Andef. Na disputa do terceiro lugar, o PPP triunfou sobre a dona da casa, a Andef, por 3 a 2.

Amauri Ribeiro, técnico da seleção masculina da modalidade e do bicampeão Cruz de Malta e medalhista olímpico, mostrou muito orgulho com a campanha de seu clube. O Cruz de Malta não perdeu nenhum set em toda competição. Nesta segunda-feira (dia 23), Amauri vai divulgar a lista dos 12 convocados para representar o Brasil nos Jogos Paraolímpicos de Pequim-2008.

O atleta Giba (PPP) foi eleito o melhor jogador do campeonato. Renato (Cruz de Malta) conquistou o troféu de melhor levantador. Wescley (Andef) ganhou o prêmio de melhor bloqueio e Fabiano (Cetefe) venceu como melhor atacante.

Colaborou a Associação Brasileira de Voleibol Paraolímpico

sábado, 21 de junho de 2008

CAMPEONATO BRASILEIRO DE VÔLEI

Paulo Vitor, do LANCENET! (http://www.lancenet.com.br/blogs_colunistas/paulovitor/default.asp)

Realizada na Andef, em Niterói, a Série A do Campeonato Brasileiro de Vôlei Paraolímpico termina neste domingo, dia 22 de junho. Cruz de Malta (SP) e PPP (SP) enfrentam-se na primeira semifinal. No jogo seguinte, o Suzano Paraolímpico joga contra a Andef. A disputa pelo terceiro lugar e a final também acontecerão neste domingo, a partir das 11h.

Durante a competição, Amauri Ribeiro, técnico da seleção brasileira masculina e medalhista olímpico, observa o desempenho dos atletas para fazer a convocação final dos 12 jogadores que vão representar o Brasil nos Jogos Paraolímpicos de Pequim-2008, em setembro.

Colaborou a Associação Brasileira de Voleibol Paraolímpico

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Atleta de 17 anos come a bola e devora os livros

Paulo Vitor, do LANCENET! (http://www.lancenet.com.br/blogs_colunistas/paulovitor/)

O estudo é uma porta aberta para o mundo. Esse é o pensamento de uma grande promessa do Futebol de Sete. O jovem Mateus, de apenas 17 anos, sabe disso e concilia com muito esforço os treinos no Aterro do Flamengo e o tempo no colégio Ponto de Ensino, no Méier.

Sua rotina é estafante. Com uma pequena deficiência na mão direita, acorda às 6h30 no Méier e vai para o Aterro do bairro do Flamengo, onde começa as atividades dirigidas por Paulo Cruz, treinador da Seleção Brasileira de Futebol para atletas com seqüelas de paralisia cerebral (comprometimento físico e da voz), às 7h30.

O treino é puxado. Começa com exercícios físicos e termina em um movimentado coletivo. Mateus tem o prazer de disputar jogadas com nomes consagrados na modalidade, como Adriano Biggi (três Jogos Paraolímpicos, tendo conquistado uma medalha de prata e outra de bronze em Sidney e Atenas, respectivamente) e Zeca, convocado para a sua segunda paraolimpíada. Além de conviver com outros grandes atletas como Ricardo Mangueira, uma paraolimpíada (Atlanta-1996) no currículo e um dos pioneiros do Fut-7 no Brasil, Wânderson, revelação do país e convocado para Pequim, Antônio, outro que fará parte da seleção nos Jogos da China-2008, o bom zagueiro Augusto e o jogador Mito, novo valor no cenário nacional.

Após o treinamento, Mateus corre para não chegar atrasado ao colégio. Entra às 13h e sai às 20h40. Aluno da 3ª série do 2º grau e futuro candidato a uma vaga na cadeira de Engenharia de Produção, aproveita as manhãs de terças e quintas-feiras, quando não tem treino, para reforçar em casa os estudos. Além disso, faz várias provas e testes nos sábados à tarde.

Para ele, o esforço vale a pena. “Treino muito. Sonho em ser um jogador de ponta. Agradeço ao ex-fisioterapeuta da Seleção de Fut-7 Odir (atual da seleção de futebol dito convencional), que me indicou para fazer meu primeiro teste. Tenho muitos anos no esporte, pois sou jovem, mas sei que o futebol não é para sempre”, disse Mateus, consciente e seguindo o exemplo do zagueiro Antônio, perto de se formar em Ciências Contábeis.

A revelação de 17 anos sonha em ser convocado para os Jogos de Londres-2012. “Trabalho muito para alcançar esse objetivo. Espero vestir novamente a camisa da seleção em breve e não sair mais”, afirmou o atleta, pré-convocado em uma das semanas de treinamento em Deodoro, na Vila Militar do Rio.

domingo, 15 de junho de 2008

Rugby em cadeira de rodas no Brasil!

Paulo Vitor, do LANCENET! (http://www.lancenet.com.br/blogs_colunistas/paulovitor/default.asp)

Rio de Janeiro, RJ – A quadra do Centro Integrado de Atenção à Pessoa com Deficiência(Ciad), na Avenida Presidente Vargas, foi palco de um momento histórico para o esporte adaptado. Neste local, o primeiro jogo oficial no Brasil de rugby em cadeira de rodas foi realizado neste sábado (dia 14) pela manhã. O Rio Quad Rugby Clube venceu a ONG Guerreiros da Inclusão por 23 a 8. A partida marcou o lançamento da associação da modalidade, presidida pelo ex-atleta paraolímpico Luiz Cláudio Pereira, destaque nos Jogos de Seul-1988.

O evento contou com as presenças dos dirigentes da Associação Brasileira de Rugby em Cadeira de Rodas (ABRC), de representantes da Secretaria de Esporte do município do Rio de Janeiro, do técnico da Seleção de Futebol de Sete, Paulo Cruz, e da fisioterapeuta Márcia Fernandes.

O camisa 10 do Rio Quad Valdir Mansur mostrou ser um jogador diferenciado. Ele assinalou sete pontos, ao lado do número 9 da ‘Guerreiros’, Eduardo Mayr.

“Fico feliz de ter sido um dos artilheiros da primeira partida oficial. Espero que os atletas possam brilhar futuramente em jogos pelo exterior. Um intercâmbio entre Brasil, Canadá e Estados Unidos seria ideal”, disse Mansur.

Eduardo gostou de saber que foi um dos destaques do histórico jogo. “Treino muito para conseguir bons desempenhos. Espero que este seja o começo de uma bela história do esporte”, disse.

A torcida estava presente e participou com muita vibração. O vice-presidente administrativo da ABRC, Matias Costa, comemorou o fato. “Foi emocionante ver o ginásio lotado”, afirmou.

O presidente da associação, Luiz Cláudio Pereira, comentou sobre uma das razões para apoiar o crescimento desse esporte no país. “O rugby em cadeira de rodas é essencial para as pessoas com maior comprometimento físico. É preciso investir nas modalidades para os atletas de classe baixa, com uma deficiência mais severa. É com carinho que estamos à frente dessa nova luta”, verbalizou Luiz, que estará em um congresso no Canadá, dia 22, para divulgar o rugby.

O site vai publicar outras matérias sobre esse histórico evento, realizado no Ciad, nos próximos dias.

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Vitória sobre a deficiência

Os novos produtos adaptados dão autonomia a quem não abre mão de uma vida “normal”

Fonte: Site da Revista Época (http://www.epoca.com.br) - 30/05/2008 -15h

Paulo Araújo
Para quem tem alguma deficiência física, calçadas irregulares, trânsito e até livros e ondas do mar podem se tornar obstáculos. Mas novos produtos e aparelhos permitem ao portador de deficiência exercer atividades antes impossíveis. Trata-se, também, de um bom negócio. Segundo Ricardo Rosso, organizador da maior feira do gênero no país, esse setor movimenta R$ 1,2 bilhão por ano. “O poder de consumo desse segmento é altíssimo e a tecnologia só evolui”, diz. Para o paulista Alcino Neto, o Pirata, campeão mundial e professor de surfe adaptado (foto), os equipamentos garantem uma vida normal. “O importante é não ficar parado achando que a vida acabou.”

No Brasil, já é possível encontrar mais de 600 produtos para facilitar a vida das pessoas com deficiência, divididos em motores, visuais e auditivos. “Eles funcionam como ferramentas de inclusão e garantem a entrada ou o retorno ao convívio social e ao trabalho”, explica a fisiatra Rosane Chamlian, da Universidade Federal de São Paulo. Os equipamentos mais vendidos ainda são as cadeiras de rodas, próteses para membros amputados e os automóveis com acessórios adaptados, como câmbios e bancos mais fáceis de manusear com o corpo. Em 2007, foram vendidos 20 mil veículos adaptados, até 28% mais baratos que os convencionais devido à isenção de impostos, segundo levantamento da revista especializada Reação. Há também utensílios práticos para a vida doméstica, como colocador de linha na agulha, bola com guizos, relógio com mostrador em braille e até DVD com piadas para surdos.

O mercado está aquecido por conta da legislação que garante os direitos das pessoas com deficiência, como o decreto que obriga empresas com cem ou mais funcionários a ocupar até 5% das vagas com pessoas que tenham esse perfil. Aguarda aprovação no Senado a Convenção Internacional sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência das Nações Unidas. Segundo a Organização Mundial de Saúde, há 24 milhões de brasileiros com alguma deficiência. Além de boas intenções, as empresas precisarão se munir de materiais diferentes, como lupas, dicionários, lápis e outros objetos especiais. No ano passado, das 20 mil pessoas deficientes cadastradas no Sistema Nacional de Trabalho e Emprego, do Ministério do Trabalho, 6 mil conseguiram uma colocação e fazem uso desses produtos. “Ainda é muito pouco, mas há 20 anos esse número era bem perto de zero”, diz Izabel Maior, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República.

Descobri que gosto de futebol

ANDREI BASTOS
Artigo do dia 10 de junho, blog do jornalista Andrei Bastos (http://blog.andrei.bastos.nom.br)

Alguém dizer que gosta de futebol no Brasil não é novidade alguma, pois este é o país do famoso esporte bretão. Mas quem me conhece sabe que eu nunca dei bola (sem trocadilho, por favor) para esta segunda preferência nacional. O que aconteceu comigo, então, nessa altura do campeonato, às vésperas dos meus 58 anos? O que terá provocado tamanha virada de jogo em mim?

Embora eu tenha trabalhado muitos anos dentro das quatro linhas da editoria de Esportes do jornal O Globo, cercado por torcedores fanáticos como só jornalistas esportivos sabem ser, inclusive com o privilégio de ter diagramado os originais mais truncados do planeta, cheios de letras trepadas e datilografados no espaço um da velha e inseparável Remington do passional Nélson Rodrigues, sempre fui mais para “A vida como ela é” do que para “À sombra das chuteiras imortais”.

Torcida brasileira! A responsabilidade por esta minha tardia transformação em torcedor apaixonado, capaz de fazer com que “nelsonrodrigueanamente” eu me debulhasse em lágrimas de esguicho na pré-estréia de ontem no cinema Odeon, é do filme “1958, o ano em que o mundo descobriu o Brasil”, do meu querido amigo José Carlos Asbeg.

A genialidade chapliniana de Garrincha, a preciosidade de Pelé e a majestade de Didi, entre as muitas excelências da melhor seleção brasileira de todos os tempos, segundo conhecedores históricos e eu mesmo, agora o mais novo metido a entender de futebol, sem dúvida forneceram matéria-prima para que Zé Carlos produzisse seu filme e marcasse este gol cinematográfico. Mas é indiscutível que o apuradíssimo domínio da linguagem do cinema e a sensibilidade do diretor o colocaram em posição legal para concluir a jogada e balançar a rede das emoções dos espectadores.

Eu não sabia o que era futebol até ontem e tive a sorte de aprender tudo em uma única aula magistral, repleta de magistrais jogadas e dribles. Cabeçadas, passes de calcanhar, folha seca, a coreografia do balé apaixonante que fez com que o mundo descobrisse o Brasil, e se rendesse à sua magia. Todos os lances importantes da campanha vitoriosa da primeira Copa conquistada, as jogadas decisivas, o que se viveu e o que se pensou durante a competição, aqui e no mundo, junto com o retrato do momento político-econômico brasileiro, que era representado por JK e só tinha a ver com a Taça Jules Rimet nas mãos de Bellini, estes são os versos audiovisuais do “ano em que o mundo descobriu o Brasil”.

“1958” não é um simples documentário. O filme do diretor artilheiro Zé Carlos é mais do que cinema – é gol de placa, sonho, paixão, poema épico! Como diria Nélson Rodrigues, a sessão de cinema acabou em choros convulsivos e aplausos delirantes.

domingo, 8 de junho de 2008

RECORDE MUNDIAL NO CIRCUITO LOTERIAS CAIXA

Quem foi à pista de atletismo do Sesi Gravatás, em Uberlândia, neste domingo, dia 8, para acompanhar a 1ª etapa nacional do Circuito Loterias Caixa Brasil Paraolímpico de Atletismo e Natação, vibrou muito com a atleta Shirlene Coelho. A brasiliense (na foto de Saulo Cruz/CPB) alcançou 31m no lançamento de dardo, categoria F37, novo recorde mundial da modalidade.

Shirlene Coelho tem 26 anos e há dois e meio ingressou no esporte para pessoas com deficiência. Seu melhor resultado havia sido no Parapan do Rio, quando lançou o dardo a uma distância de 27m59cm. Com o resultado em Uberlândia, a atleta carimbou seu passaporte para os Jogos de Pequim.

“O vento estava contra e isso dificultou muito. Não imaginava que fosse conseguir e pensava que o vento fosse me atrapalhar. Na hora, parece que soprou a meu favor e deu tudo certo”, analisou a atleta, emocionada, que mostrou muita esperança em um grande futuro. Para outras informações, acesse o blog ESPAÇO PARAOLÍMPICO no LANCENET (http://www.lancenet.com.br/blogs_colunistas/paulovitor/default.asp/)

quarta-feira, 4 de junho de 2008

JOGOS PARAOLÍMPICOS RIO-2016?

O Rio de Janeiro é um dos finalistas para sede da Olimpíada de 2016. Não podemos esquecer que a Paraolimpíada é realizada desde Seul-1988 no mesmo local dos Jogos ditos convencionais. O sonho de infância de muitos jornalistas esportivos, e estou nesse grupo, pode se concretizar. Porém, será necessário, caso a Cidade Maravilhosa (mesmo com a brutal violência que a assola) seja escolhida, que erros graves como o precário atendimento médico aos atletas no Parapan-2007, culminando na morte do argentino Carlos Maslup, não aconteçam. Caso ocorram, as autoridades devem punir os culpados. Essas mesmas autoridades não devem encerrar Comissões Parlamentares de Inquérito (as populares CPIs). VERGONHA NUNCA MAIS!

Futebol para todos!

PV, do site NOTÍCIAS PARAOLÍMPICAS (http://www.einclusao.net/)

O Aterro do bairro do Flamengo será a capital do futebol como nos tempos do centenário Mario Filho, criador do primeiro campeonato de peladas do local. No dia 26 de julho, o Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência vai promover a quarta edição da Copa Fabiano Peixoto. Homens e mulheres andantes com qualquer deficiência podem participar. As equipes serão formadas por um goleiro e sete jogadores de linha (como no futebol society).

Segundo a Gerência de Esporte da ONG, dois jogadores sem deficiência podem ser inscritos em cada time, sendo que apenas um deve ser escalado entre os titulares. Cada equipe pode ter de oito a 12 atletas. O campeonato será disputado em apenas uma categoria para todas as idades. As inscrições já foram abertas e terminam em 21 de julho. Para outras informações, acesse o site http://www.ibdd.org.br/

segunda-feira, 2 de junho de 2008

BRASIL ARRASA NO EUROWAVES

Paulo Vitor, do site NOTÍCIAS PARAOLÍMPICAS (http://www.einclusao.net/)

Chomutov, República Tcheca - Os nadadores brasileiros brilharam no Eurowaves, realizado entre os dias 30 de maio e 1º de junho. Andre Brasil (S10), Phelipe Rodrigues (S10), Caco (S7), Valéria Lira (S8) e Anselmo Alves (S3) venceram algumas provas. Nélio Almeida (S7), Gabriel Feiten (S2), Caroline Werneck (S6) e Letícia Ferreira (S5) também marcaram presença. O torneio revelou a força de novos valores como Valéria, de apenas 15 anos, e Phelipe, de 17. Com 19 anos, o russo Lisenkov Konstantin, da classe S8, bateu o recorde europeu da prova dos 100m borboleta, com 1min6s30. Caco, de 40, provou a importância da experiência.

Veja alguns resultados dos atletas brasileiros:

Final A 400m livre - Valéria Lira (S8) venceu a prova, com 5min58s68

Final A 400m livre - Caco (S7) venceu a prova, com o tempo de 5min31s7

Final A 50m borboleta - Caco (4º lugar), com 38s6

Final A 50m peito - Anselmo Alves venceu com o tempo de 1min26s79

Final A 400m livre - Phelipe (S10) venceu com
4min30s98

Final A 100m livre - Phelipe Rodrigues (S10) venceu a prova com 54s94

Final A 50m livre - Phelipe venceu a prova com 25s10

Final A dos 100m borboleta - Andre Brasil venceu com 58s77

Final A 200m medley - Andre Brasil venceu com 2min18s17

Final A 100m costas - Andre Brasil venceu a prova, com 1min4s76


Final A 100m borboleta - Valéria Lira (2º) com 1min35s61

Final B 100m peito - Letícia Ferreira venceu a prova

Final B 100m livre - Gabriel Feiten (2º)


Final B 100m livre - Valéria Lira venceu a prova com 1min21s41


Final B 100m costas - Phelipe venceu a Final B dos 100m costas, com 1min12s2


Final B 50m costas - Gabriel Feiten (S2) venceu a prova, com 1min39s19

Nélio Almeida (S7) se classificou para a final B dos 100m costas