sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

IPC divulga vagas do Atletismo para Pequim

Brasil terá 48 atletas na modalidade e será a segunda maior delegação

Bonn, Alemanha – O Comitê Paraolímpico Internacional divulgou as vagas para o Atletismo nos Jogos de Pequim-2008. O Brasil conseguiu 48 vagas, sendo 31 para o masculino e 17 para o feminino. O país só perde para a China em número de atletas. Os donos da casa terão 80 na modalidade.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

SELEÇÃO DE FUT-5 É PRÉ-CONVOCADA

No dia 26, a Confederação Brasileira de Desportos para Cegos (CBDC) fez a pré-convocação da Seleção Brasileira de Futebol de Cinco, medalha de ouro em Atenas, para os Jogos Paraolímpicos de Pequim – 2008.


Atletas pré-convocados:

1. Anderson Dias da Fonseca Rio de Janeiro / RJ URECE
2. Andreonni Fabrizius Farias do Rego João Pessoa / PB APACE
3. Damião Robson de Souza Ramos João Pessoa / PB APACE
4. Emerson Carvalho Curitiba / PR ADEVIPAR
5. Fábio Ribeiro Vasconcelos Campina Grande / PB CEIBC
6. Jefferson da C. Gonçalves Salvador / BA ICB
7. João Batista da Silva Rio de Janeiro /RJ CEIBC
8. Marcos José Alves Felipe João Pessoa / PB APACE
9. Mizael Conrado de Oliveira São Paulo / SP AMC
10. Ricardo Steinmetz Alves Porto Alegre / RS ACERGS
11. Sandro Laina Soares Rio de Janeiro / RJ CEIBC
12. Severino Gabriel da Silva João Pessoa / PB APACE
13. Gleidson da Paixão Barros Salvador / BA ICB
14. Mauro Germano Oliveira Cuiabá / MT AMC
15. Cássio Lopes dos Reis Salvador / BA ICB
16. Antonio Taffarel de Carvalho São B. do Campo / SP APADV


Comissão Técnica

1. Roderley Ferreira Coordenador Técnico Curitiba / PR
2. Antonio de Pádua Alves da Costa Técnico Nacional João Pessoa/PB
3. Cleber Hidalgo Prep. Físico Curitiba / PR


A 1ª Fase de Treinamento está agendada para São Paulo - SP, entre os dias 15 (sábado) e 22 (sábado) de março de 2008. Em breve, será informado horário e local de apresentação oficial da equipe.

Fonte: www.cbdc.org.br

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

RUGBY EM CADEIRA DE RODAS

No sábado passado, dia 23, a Vila Olímpica Dias Gomes, mais conhecida como Piscinão de Deodoro, foi palco do Intercâmbio Brasil/Estados Unidos de Rugby de Cadeirantes. Brian Muñiz, atleta do Chicago Bears, ministrou aulas práticas e teóricas. Ele falou da alegria de poder divulgar o esporte no país.

"Encontrei uma razão para viver. Esse trabalho me emociona, pois é algo que tenho muita dedicação e carinho", afirmou Brian. Sobre as possibilidades do Brasil no esporte, ele explicou que o país pode ter destaque em dois anos. O jogador-professor gostou muito do desempenho de Mansur, atleta do Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência (IBDD).



Presidente do Rio Quad Rugby Clube, Jefferson Maia falou sobre o começo das atividades de seu clube. "O Brasil foi convidado para fazer algumas partidas de exibição nos Jogos Mundiais de Cadeira de Rodas e Amputados – Tributo à paz (realizado no Rio em setembro de 2005) e tentamos algo para montar o clube. Porém, apenas concretizamos nosso projeto em 2007. Recebemos doações das cadeiras de rodas e conseguimos esse espaço na Vila Olímpica Dias Gomes para atividades todos os sábados", contou Jefferson, que também destacou o começo do trabalho em Deodoro.

"Antes, os treinos tinham apenas a minha presença, do Ricardo Prates (vice do Rio Quad Rugby Clube) e do Carlos Sigmaringa", disse.

Para ele, qualquer esporte voltado ao deficiente é importante. Porém, o rugby tem um valor especial. "O rugby é específico para pessoas com lesões altas. Por exemplo, um tetraplégico não joga basquete de cadeirante e pode 'fazer' rugby. O nosso esporte atende a um público que ainda fica um pouco à margem do paradesporto", afirmou.


Já o vice do Rio Quad, Ricardo Prates (cadeirante), explicou sobre a importância do esporte na vida das pessoas com deficiência. "Como professor de educação física, considero fundamental o treinamento em Deodoro. Além disso, eu e o Jefferson fomos convidados para seminários sobre a inclusão de deficientes na sociedade em algumas faculdades. Nós falávamos também do rugby e do clube", verbalizou Ricardo, que participou ao lado de Jefferson Maia dos Jogos Mundiais de 2005, no Rio.

Moisés Santana, professor de Educação Física e fisioterapeuta, indicou o esporte a Prates, que acabou participando dos Jogos de 2005, como atleta e integrante da comissão técnica.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Comitê Internacional divulga vagas para Pequim

Brasil terá 25 atletas na natação e oito no judô nos Jogos

PAULO VITOR FERREIRA
Bonn, Alemanha
– O Comitê Paraolímpico Internacional (IPC) divulgou nesta terça-feira as vagas para cada país no judô e na natação nos Jogos de Pequim. O Brasil conseguiu assegurar oito vagas no judô. Na natação, 25 atletas brasileiros estarão em Pequim.

No judô, o país contará com representantes nas categorias até 60kg, 66 kg e 100 kg no masculino. Já no feminino, o Brasil terá judocas nas categorias até 48 kg, 52kg, 57kg , 63kg e 70kg.

Na natação, o país terá 25 atletas (20 homens e cinco mulheres).

Colaborou Matias Costa

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Seleção de Fut-7 treina em Deodoro

A semana de treinamentos da Seleção de Futebol de Sete na Vila Militar do Rio, em Deodoro, foi proveitosa. Além da descoberta de novos valores como Mateus, de apenas 17 anos, e de Thiago Gaúcho, outros jogadores se destacaram nas atividades comandadas pela comissão técnica da Seleção Brasileira. Até o programa SporTV News, da SporTV, apareceu por lá e entrevistou o técnico Paulo Cruz, a simpática fisioterapeuta Márcia Fernandes, a revelação Wânderson, o goleiro Marcos e o experiente Adriano Biggi. Os dois últimos participaram de três Paraolimpíadas.

Novato com a ‘Amarelinha’

Atleta do IBDD, Thiago Figueira falou sobre a emoção de participar pela primeira vez da Seleção. “É ótimo conviver com jogadores mais experientes, como Adriano Biggi, Zeca e Leandro Marinho (Andef). É uma experiência e tanto. Espero concretizar outros sonhos, como a convocação oficial. Para isso, vou continuar me empenhando ao máximo”, disse o novato, que completou 27 anos na sexta-feira passada, dia 22, e recebeu a visita de sua mulher Cristiane, casada com ele há um ano e dois meses.


PREPARAÇÃO - O treinador Paulo Cruz fará mais três pré-convocações mensais e, em maio, a equipe participará de um torneio no Canadá ou na Ucrânia.

sábado, 23 de fevereiro de 2008

REVELAÇÕES NO FUT-7

A Seleção Brasileira de Futebol de Sete se prepara com muita vontade para os Jogos de Pequim-2008. A equipe pré-convocada para a Paraolimpíada recebeu o Colégio Estadual Souza Aguiar em um treino tático-coletivo em Deodoro, na Vila Militar do Rio. As novidades foram Mateus, de apenas 17 anos, e Thiago Gaúcho, que foram incluídos no grupo após a pré-convocação.

Eles mostraram um ótimo futebol e marcaram golaços no treinamento. “É muito bom participar deste grupo. Fiz um teste com o Paulinho (Cruz, treinador da Seleção) e ele gostou. Joguei apenas um campeonato de futebol convencional na minha vida”, disse o jovem Mateus, que recebeu o apoio do seu pai, o médico Mauro César.

PREPARAÇÃO - O treinador Paulo Cruz fará mais três pré-convocações mensais e, em maio, a equipe participará de um torneio no Canadá ou na Ucrânia.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

EQUIPE DE JUDÔ É PRÉ-CONVOCADA PARA PEQUIM

A Confederação Brasileira de Desportos para Cegos (CBDC) pré-convocou a Seleção de Judô Paraolímpico, visando a preparação e participação do país nos Jogos de Pequim – 2008. A 1ª Fase de Treinamento e Avaliações está agendada para São Paulo-SP, entre os dias 20 (quinta-feira) e 23 (domingo) de março de 2008. Em breve, será informado horário e local de apresentação oficial da equipe. O IBDD é a base da equipe, com cinco atletas (Roberto Paixão, Eduardo Paes, o tricampeão paraolímpico Antônio Tenório, Renata Quintão e Lourdes Maria)

Atletas pré-convocados
1. Roberto Nunes Paixão IBDD Rio de Janeiro/RJ
2. Helder Maciel Araújo CESEC São Paulo/SP
3. Magno Marques Gomes AJG São Bernardo do Campo/SP
4. Robson André Santos de Souza RCP Porto Velho/RO
5. Halyson de Oliveira Boto ADEVIRN Natal/RN
6. Eduardo Paes B. Amaral IBDD Rio de Janeiro/RJ
7. Antonio Tenório da Silva IBDD São Paulo/SP
8. Karla Ferreira Cardoso CESEC São Paulo/SP
9. Ana Luiza Nonato de Faria SADEF Natal/RN
10. Michelle Aparecida Ferreira ADVIMS Campo Grande/MS
11. Renata Carvalho Quintão IBDD Belo Horizonte/MG
12. Daniele Bernardes da Silva CESEC São Bernardo do Campo/SP
13. Lúcia da Silva Teixeira CESEC São Paulo/SP
14. Regina Dornellas da Costa ADEVIBEL Belo Horizonte/MG
15. Lourdes Maria de Souza IBDD Rio de Janeiro/RJ

Comissão Técnica
1. Walter Russo Júnior Coordenador Técnico Rio de Janeiro / RJ
2. Jucinei Costa Técnico Nacional Rio de Janeiro / RJ
3. Jaime Bragança Auxiliar Técnico São Paulo / SP

Também estão convidados a participarem desse período de treinamento e avaliação os técnicos indicados das seguintes associações:

1. IBDD Rio de Janeiro/RJ
2. AJG São Bernardo do Campo/SP
3. RCP Porto Velho/RO
4. ADEVIRN Natal/RN
5. SADEF Natal/RN
6. ADVIMS Campo Grande/MS
7. ADEVIBEL Belo Horizonte/MG

TÉCNICO DA SELEÇÃO DE FUT-7 É ENTREVISTADO NA RÁDIO TUPI

“Uma bênção!” Foi dessa maneira que Paulo Cruz, treinador da equipe do Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência e da Seleção Brasileira de Futebol de Sete (para paralisados cerebrais), classificou o seu trabalho para o repórter da Rádio Tupi Sérgio Américo, no programa Giro Esportivo, quinta-feira à noite.

A entrevista teve mais de quatro minutos, um tempo extremamente grande para rádio, e Paulo Cruz falou do período de treinamentos na Vila Militar, em Deodoro, até o dia 24 (domingo) e que fará mais três pré-convocações nos próximos meses para escolher os 12 jogadores representantes do país na modalidade nos Jogos Paraolímpicos de Pequim.

Além disso, o técnico comentou sobre os treinos da equipe de Futebol para paralisados cerebrais do IBDD no campo número 4 do Aterro do bairro do Flamengo às segundas, quartas e sextas-feiras das 7h30 às 9h30.

O comentarista Jorge Nunes elogiou a iniciativa de Sérgio Américo e classificou a Seleção de Futebol de Sete de gloriosa.

Veja abaixo a íntegra da entrevista do técnico Paulo Cruz à Super Rádio Tupi.

Sérgio Américo – Vamos conversar com o técnico do Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência (IBDD) e da Seleção Brasileira de Futebol de Sete, Paulo Cruz. Boa noite, Paulo. Fale um pouco sobre a semana de treinamentos da Seleção na Vila Militar do Rio, em Deodoro, dos dias 20 e 24 de fevereiro.

Paulo Cruz – Boa noite a todos os ouvintes. Estamos no nosso primeiro encontro no ano de 2008, com o objetivo de preparação para os Jogos de Pequim, que acontecerão em setembro na China. Todos estão alojados na Vila Militar do Rio, em Deodoro (mesmo local da conquista da medalha de ouro no Parapan). Vamos fazer outras pré-convocações mensalmente, até maio, e escolher os 12 que representarão o país em Pequim.

Sérgio Américo – Alguns atletas pré-convocados para a Paraolimpíada de Pequim foram para o Parapan do Rio-2007 e conquistaram a medalha de ouro. Eles formam a base da Seleção.

PC – É verdade. Desses 19 (sete são do IBDD) jogadores, os 12 campeões parapan-americanos foram chamados. Porém, eles não estão garantidos em Pequim. Porque os outros sete estão lutando por essa oportunidade única e o treinamento está sendo muito proveitoso porque todos demonstram muita motivação. Como não tem ninguém com a vaga garantida, todos se esforçam ao máximo para esse sonho.

SA – Gostaria que você falasse sobre esses atletas que são uma verdadeira escola de superação. Eles se superam de minuto a minuto. Como é lidar com jogadores com paralisia cerebral?

PC – É uma grande bênção. Além disso, é gratificante trabalhar com pessoas que são discriminadas e sofrem preconceito em seus bairros por serem paralisados cerebrais (deficientes físicos). É um ganho gigantesco, eles poderem ser atletas de uma equipe de futebol e, melhor ainda, poderem estar numa Seleção Brasileira, defendendo o país em uma competição internacional. Isso é um exemplo de vida e eu fico extremamente feliz de proporcionar essa alegria aos rapazes. É uma grande emoção e esse é um outro lado que essa experiência pode proporcionar a esses jogadores.

SA – Paulo, sei que você também é treinador do Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência (IBDD). Há treinos no Aterro do Flamengo às segundas, quartas e sextas-feiras, das 7h30 às 9h30. Você comanda essas atividades para paralisados cerebrais. Qualquer pessoa com deficiência pode procurá-lo?

PC – Perfeitamente. Qualquer pessoa que tenha seqüelas de Paralisia Cerebral, que não se locomova com auxílio de muletas ou cadeira de rodas, pode nos procurar no campo de número quatro do Aterro do Flamengo. Essa pessoa pode nos procurar e será muito bem-vinda independentemente se tem uma dificuldade maior ou menor para caminhar e correr. O importante é que o paralisado cerebral tenha a oportunidade de realizar o sonho de participar de uma equipe, pois no local onde vive, infelizmente, não tem essa oportunidade.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

LEITURA ACESSÍVEL JÁ!

Machado de Assis, Fiódor Dostoiévski, Mário de Andrade, Fernando Pessoa, Nelson Rodrigues, James Joyce, Sthendal, Eça de Queirós. Esses e outros escritores são imprescindíveis na formação de qualquer mortal. Com esse pensamento, o movimento Molla-Brasil, criado pela Associação de ex-alunos do Instituto Benjamin Constant, luta pelo livro acessível no país para as pessoas com deficiência. A Câmara Setorial do Livro e da Leitura vai se reunir nos dias 6 e 7 de março, na Biblioteca Nacional. A meta é regulamentar a lei do livro no Brasil, a de número 10.753, de 30 de outubro de 2003.

O movimento reivindica a existência desses livros acessíveis nos mesmos locais de venda de toda e qualquer obra convencional.

Acessibilidade



O que é um livro acessível? É aquele que pode ser acessado por pessoas com ou sem deficiência de maneira autônoma. Ele deve apresentar-se no formato áudio e digital, permitindo a impressão de seu conteúdo em letras ampliadas ou em braille.


Desta forma, seu alcance junto a um público seria muito maior, dando possibilidades para que pessoas com diferentes tipos de deficiência como cegueira, surdo-cegueira, baixa visão, tetraplegia, paralisia cerebral, deficiência intelectual, dislexia, mobilidade reduzida, membros superiores amputados, entre outras, possam usá-los sem problemas de acessibilidade.


Segundo o Molla-Brasil, uma pessoa sem nenhuma dessas deficiências também poderia desfrutar da audição de um bom livro no cd-player de seu carro nos momentos de grandes deslocamentos ou congestionamentos pela cidade.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Seleção de Futebol de Sete se prepara para Pequim

IBDD tem seis jogadores pré-convocados

A Paraolimpíada de Pequim já começou. A Seleção de Futebol de Sete (para paralisados cerebrais, atletas com deficiência física) pré-convocada para os Jogos-2008 já está na Vila Militar, Deodoro, onde treinará até o dia 24. Paulo Cruz, técnico da Seleção Brasileira e do IBDD (Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência), chamou 18 jogadores. O IBDD é a base da Seleção, com seis atletas na lista. Na modalidade, as Ongs servem como clubes. Confira a lista de pré-convocados:

Pré-convocados:
IBDD (6) – Zeca, Wânderson, Adriano Biggi, Antônio Marcos, Thiago Figueira e Augusto
CAIRA (5) – Marcos (goleiro), Renato Lima, Fermiano Neto, Pedro Ramão e Luciano Rocha
ANDEF (4) – Leandro Marinho, Moisés (goleiro), Fabiano Bruzzi e Marcos William
CEMDEF (3) - Jean Rodrigues, Irineu Ferreira (goleiro) e Flávio Dino

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Brasil fica sem ‘Oscar do Esporte’

São Petersburgo, Rússia – Não deu para Daniel Dias, o nadador-revelação dos Jogos Parapan-Americanos do Rio-2007 (oito medalhas de ouro nessa competição). A holandesa Esther Vergeer (considerada a melhor tenista cadeirante da história) venceu o Prêmio Laureus, o ‘Oscar do Esporte’, de melhor atleta com Deficiência de 2007. O velocista sul-africano Oscar Pistorius, chamado de Blade Runner por causa de suas lâminas metálicas que substituem parte de suas pernas, perdeu o prêmio de revelação para o piloto da McLaren, Lewis Hamilton.

O tenista suíço Roger Federer triunfou sobre o craque da Seleção Brasileira de Futebol, Kaká, na categoria ‘Melhor Atleta – Masculino’. Entre as mulheres, a tenista belga Justine Henin superou Marta, camisa 10 da Seleção de Futebol do Brasil.

APADV E URECE ESTÃO NA ELITE DO FUTEBOL PARA CEGOS

A Copa Brasil de Futebol para Cegos – Série B terminou neste domingo pela manhã, no Instituto Benjamin Constant, na Urca, Rio de Janeiro. A APADV, de São Bernardo do Campo-SP, sagrou-se campeã. Já a Urece-RJ ficou na segunda colocação. Essas duas equipes garantiram suas vagas na Série A do Futebol de Cinco. Em terceiro, a ASCEPA, do Pará, também mostrou um bom futebol e revelou um grande jogador: Ronaldo, seu camisa 10.

Zagueiro da Seleção de Futebol de Cinco, medalha de ouro no Parapan do Rio-2007 e presidente da Federação de Esportes para Cegos do Estado do Rio de Janeiro (FECERJ), Sandro Laina encerrou o evento demonstrando a sua alegria em ajudar a realizar um campeonato desta importância. "Estamos muito felizes em contribuir com a CBDC (Confederação Brasileira de Desportos para Cegos) em mais um torneio de tão grande importância. Uma bela página do movimento paraolímpico, em especial, do futebol para cegos, acaba de ser escrita por vocês, atletas", disse o xerife da Seleção. Para maiores informação, acesse www.fecerj.notlong.com.

LEMBRARAM DE MIM!
Enfim, o atacante da Seleção de Futebol de Cinco João deve receber a sua bolsa-atleta. Medalha de ouro nos Jogos Paraolímpicos de Atenas-2004 e no Parapan do Rio-2007, o artilheiro não estava na lista do Ministério do Esporte. Porém, o jogador disse que o problema será solucionado. “Dessa vez, parece que lembraram de mim. Recebi um telefonema, comunicando o futuro pagamento da minha bolsa-atleta”, afirmou.

domingo, 17 de fevereiro de 2008

MAIS RESULTADOS DA COPA BRASIL DE FUTEBOL PARA CEGOS

A disputa pelas duas vagas de acesso à Primeira Divisão da Copa Brasil de Futebol para Cegos ficou para a última rodada. A competição está sendo realizada no ginásio do Instituto Benjamin Constant, no Rio de Janeiro.

Depois dos resultados de sábado, quatro equipes
ainda estão na disputa. A APADV (São Bernardo do Campo, SP) é a líder
isolada, com nove pontos em três jogos. Apenas uma improvável combinação de
resultados tira a vaga da equipe paulista. Brigando pela segunda posição
estão a URECE (Rio de Janeiro, RJ) e a ASCEPA (Belém, Pará), que somam
seis pontos em três jogos. Correndo por fora, a ADVC (Campos, RJ)
tem poucas chances de conseguir o acesso.

Neste domingo, a Urece enfrenta a ADVC, enquanto a APADV joga contra
a ASCEPA.

Ivan Freitas (APADV) segue isolado na artilharia, com oito gols marcados.
Atrás dele está Ronaldo Silva (ASCEPA), com cinco gols marcados.

Confira todos os resultados da Copa Brasil Série B:

13/02

ASCEPA 2 X 3 URECE

CCLBC 0 X 3 APADV

14/02

ADVC 2 X 5 APADV

ASCEPA 2 X 0 CCLBC

15/02

URECE 4 X 1 CCLBC

ASCEPA 1 X 0 ADVC

16/02

URECE 1 X 2 APADV

CCLBC 1 X 2 ADVC



Autor: Marcos Lima
Fonte: CBDC (Confederação Brasileira de Desportos para Cegos)

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

CONFIRA OS RESULTADOS DA COPA BRASIL DE FUTEBOL PARA CEGOS - SÉRIE B

Neste sábado, a Série B da Copa Brasil de Futebol de Cinco chega ao seu quarto dia. Veja todos os resultados até agora. Os dois primeiros sobem para a Série A da modalidade.

SEXTA-FEIRA, 15 de fevereiro
Urece - RJ 4 x 1 CCLBC - Campinas (SP)
ASCEPA - Pará 1 x 0 ADVC-Campos (RJ)
CRAQUE DA RODADA: RONALDO, CAMISA 10 - ASCEPA

QUINTA-FEIRA, 14/2
APADV - SP 5 x 2 ADVC
ASCEPA 2 x 0 CCLBC

QUARTA-FEIRA, 13/2
APADV 3 X 0 CCLBC
URECE 3 X 2 ASCEPA

ENCONTRO DE OURO

A comissão técnica da Seleção Brasileira de Futebol de Sete recebeu a visita ilustre do técnico e chamador da Seleção de Futebol de Cinco (para cegos), Roderley. Medalha de ouro em Atenas-2004 e no Parapan-2007, o treinador visitou as instalações do Aterro do bairro do Flamengo, onde o time do Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência (IBDD) para paralisados cerebrais treina com muita motivação, comandado pela comissão técnica do próprio Instituto e da Seleção Brasileira de Futebol de Sete (prata nos Jogos de 2004 e ouro no Parapan), formada pelo técnico Paulo Cruz, o preparador físico Marcel Maciel e a simpática fisioterapeuta Márcia Fernandes.

Coordenador da Copa Brasil de Futebol para Cegos, realizada nesta semana no Instituto Benjamin Constant, no Rio, Roderley falou sobre o encontro de ouro.

“Nós nos encontramos nos Jogos Paraolímpicos de Atenas-2004 e no Parapan-2007. Foi muito legal. Era um torcendo pelo outro. Acho muito bom reencontrar amigos. Considero que o trabalho feito pela comissão técnica de Futebol de Sete é excelente”, elogiou Roderley.

Goalball da Urece estréia com pé direito

As duas mais novas equipes esportivas da Urece deram show em sua
primeira competição oficial. Os times de goalball masculino e feminino
participaram da Série B do Campeonato Brasileiro da modalidade,
realizada na cidade de Pindamonhangaba (SP), no último final de semana.

Entre os homens, o título veio de forma incontestável, já
as meninas ficaram com um brilhante segundo lugar. "Mais importante do
que o título foi termos conseguido o acesso nas duas categorias. Agora
a Urece está na elite do goalball brasileiro", comentou o presidente
Anderson Dias, com passagens pela Seleção de Futebol de Cinco e Remo Adaptável. Para a competição, a Urece pagou a preparação, os
uniformes e o transporte de dez atletas e da comissão técnica.


O presidente Anderson Dias falou da formação das equipes do Futebol de Cinco (para cegos) e do Goalball. "Foi uma conquista muito grande ter essas novas equipes, as duas de goalball e a de futebol. No
entanto, mais do que nunca precisamos dos nossos torcedores de
primeira e de parcerias e patrocínios para podermos dar condições a
esses novos atletas." Com essas novas equipes, o número de esportistas da
Urece subiu para 50. "Isso é uma alegria enorme, mas também é uma
responsabilidade imensa", avalia Dias.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

ABRADECAR É DESFILIADA DO CPB

A Associação Brasileira de Desportos em Cadeira de Rodas (ABRADECAR) foi desfiliada do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), desde o mês de janeiro, ao ser também desfiliada pela International Wheelchair & Amputee Sports Federation – IWAS. Em decorrência, a ABRADECAR deixa de atender os requisitos de filiação ao CPB, segundo o site do Comitê, conforme disposto no Parágrafo 1º do Artigo 4 do estatuto da organização.

De acordo com o site do Comitê Paraolímpico Brasileiro, em documento oficial encaminhado ao CPB em 22 de janeiro, a IWAS informou: “não recebemos nenhuma resposta da ABRADECAR e, por conseguinte, não podemos manter a filiação com eles. Não temos condições de ajudar se não houver comunicação ou propostas positivas para prosseguirmos e a situação já persiste há um ano e cremos que fomos mais do que pacientes nas circunstâncias. Escrevemos para a ABRADECAR oficialmente confirmando o término da filiação com a IWAS a partir de janeiro de 2008. A Diretoria Executiva da IWAS autorizou a procura de um membro em substituição da Abradecar para que a participação do Brasil em todos os eventos da IWAS não seja prejudicada. Gostaríamos de solicitar formalmente que o Comitê Paraolímpico Brasileiro considere em solicitar a filiação à IWAS em lugar da ABRADECAR. Prevendo uma resposta positiva, aguardamos o restabelecimento de uma relação próspera com o Brasil”.

O Comitê Paraolímpico Brasileiro recebeu a proposta da IWAS e tornou-se membro filiado àquela entidade. Os programas da IWAS no Brasil e a participação de delegações brasileiras em competições chanceladas por esta entidade continuarão normalmente, agora sob a gestão do Comitê Paraolímpico Brasileiro.

Luiz Cláudio Pereira,ex-presidente da Abradecar, se pronunciou sobre a problemática envolvendo a Associação.

"É lamentável uma instituição fundadora do paradesporto ser desfiliada internacionalmente por questões de regulamentação, culminando também no seu descredenciamento no cenário nacional depois de tantas glórias. Tivemos a redução do nosso leque de opções, principalmente para o esporte de cadeirantes. O esporte só não ficará órfão porque o Comitê Paraolímpico Brasileiro estará comandando suas atividades. Porém, isso não é tarefa do CPB e esperamos que o desporto para cadeirantes encontre o seu próprio caminho e que os nossos dirigentes compreendam de uma vez por todas que somente os esforços coletivos de um grande consenso nacional poderão trazer os benefícios necessários”, disse Luiz Cláudio.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Futebol de Cegos é a principal atração da Cidade Maravilhosa

De 13 a 17 de fevereiro, o Instituto Benjamin Constant, na Urca, Rio de Janeiro, será palco da Série B da Copa Brasil de Futebol para Cegos. A competição terá a participação de aproximadamente 100 atletas divididos em cinco equipes: São Bernardo do Campo (SP), Campinas(SP), Rio de Janeiro(RJ), Campos dos Goytacazes (RJ) e Belém (PA). As partidas acontecerão à tarde, a partir das 15h, exceto no domingo, onde começarão às 9h.

O campeonato tem o apoio do Comitê Paraolímpico Brasileiro – CPB, da Federação de Esporte para Cegos do Estado do Rio de Janeiro (FECERJ) e do Instituto Benjamin Constant (IBC).

Endereço do Instituto Benjamin Constant
Av. Pasteur, 350 - Urca - Rio de Janeiro

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Deficientes mostram que têm muito samba no pé, quer dizer, nas rodas, muletas etc.

“Essa celebração anima a alma”. Com esta frase, Rafael Coimbra, atleta da equipe de bocha do Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência (IBDD) e paralisado cerebral (comprometimento físico), deixa claro que o bloco carnavalesco de sugestivo nome ‘Senta que eu empurro’ foi peça fundamental para mostrar a alegria de viver dos deficientes, que fizeram a festa nas ruas Artur Bernardes (de onde saiu o bloco idealizado pelos funcionários do IBDD), Bento Lisboa e Dois de Dezembro, na sexta-feira, dia 1º de fevereiro.




O ‘Senta que eu empurro’ deu uma alegria a mais na vida de Rafael. Perguntado pela manhã, após o treino da equipe, como era sua vida antes de conhecer as atividades do Instituto, o inteligente Rafael, estudante de jornalismo e autor de algumas poesias ainda não-publicadas, foi taxativo. “Não conseguia me olhar no espelho”, disse Rafael, que é cadeirante.




Durante a apresentação do bloco pelo bairro do Catete, Rafael Coimbra era de uma vivacidade impressionante. Cantava o samba descontraído e, ao mesmo tempo, politizado do ‘Senta que eu empurro’, brincava com todos os integrantes, flertava com as mulheres presentes e até exibia sem pudor um preservativo. “Carnaval sem sexo não existe”, afirmou, às gargalhadas.




Além de Rafael, outros demonstravam a sua vontade de viver intensamente. O casal de mestre-sala e porta-bandeira, formado por Andrei Bastos e Ana Cláudia, sambou para valer. Wellington, assistente de serviços gerais do IBDD, botou ordem na casa ao controlar o tráfego de carros nas ruas. Outros integrantes da ONG mostraram que sabem tudo de carnaval, como Samara da Matta, paralisada cerebral e outra integrante da equipe de bocha, sempre animada, ao lado de sua mãe Sônia.




João Carlos Farias (que mexia sua cadeira de rodas de maneira frenética de um lado para o outro), Luiz Cláudio Pereira, Márcia Fernandes e até o fã de óperas Cassiano Fernandez se renderam à maior festa & arte popular do país.




A bateria deu o ritmo certo e não ‘atravessou’. Já o autor do samba e intérprete Murilo Di Vangô não escondeu a satisfação de ter participado do primeiro desfile do ‘Senta que eu empurro’. “Achei maravilhoso. É muito bom participar dessa idéia pioneira e estar com amigos”, afirmou Di Vangô, que teve paralisia infantil.




Vários moradores do bairro se encantaram com o bloco. Entre eles, Eduardo Gonçalves falou da importância da iniciativa. “É mais uma mostra da superação do deficiente, que tem de brincar o Carnaval mesmo!”, verbalizou.




A ex-deputada estadual e ex-técnica da Seleção Brasileira de Ginástica Olímpica Georgette Vidor também deu o ar de sua graça: “As pessoas com deficiência têm de estar em todos os lugares, mas um bloco desse tipo é de grande importância.”




SAPUCAÍ ACESSÍVEL




A festa continuou no domingo e na segunda-feira, dias 3 e 4, no Sambódromo. Ana Cláudia, a estrela maior do IBDD no Carnaval, não se contentou em ser a porta-bandeira do ‘Senta que eu empurro’ e desfilou na Portela e na Grande Rio, as escolas do Grupo Especial com alas de cadeirantes.




LUGAR RESERVADO PARA A FOLIA




O Setor 13, na frisa, foi destinado a pessoas com deficiência e seus acompanhantes e palco de muita descontração. Os atletas Wânderson (Futebol de Sete), Roberto Paixão (Judô) e Viviane Macedo (Dança Esportiva em Cadeira de Rodas) compareceram com grande brilho.




Casais pra lá de felizes foram dar demonstrações públicas de seu amor na ‘Passarela do Samba’, como o cadeirante Rosemberg e a andante Kátia Oliveira.


“Estamos casados há cinco anos. Nós nos conhecemos numa festa”, resumiu Rosemberg, paraplégico. Já Kátia, que não é deficiente, preferiu dar o segredo da união entre os dois. “Temos muito companheirismo. Ele possui muitas qualidades”, disse.




Outro casal que encantou a Sapucaí foi Luiz Cláudio, andante sem deficiência, e Amanda Santos, cadeirante. “Estamos noivos e curtindo muito o Carnaval”, afirmou Luiz, torcedor da Vila Isabel, que mostrava ter muito carinho com a salgueirense Amanda, uma mulata realmente linda.




Mas não foram só os casais que brilharam na Sapucaí. Ademir Cruz de Almeida, amputado da perna direita, capitão da Seleção de Futebol e presidente da Associação Brasileira de Desportos para Amputados, pulou como uma criança: “É a primeira vez que vejo o desfile na Sapucaí. Estou muito feliz. É uma oportunidade única.”




Os portadores de Síndrome de Down mostraram também muito samba no pé. Renato Rosário, de 38 anos, vibrou com o bicampeonato da Beija-Flor, agora são cinco títulos em seis anos. Leonardo Costa, 37, e Stela Caroline, 17, deram inveja a muitos passistas. “É o primeiro ano que venho ao Sambódromo. O desfile é muito bonito”, encantou-se Caroline, que desfilou na Estrelinha de Padre Miguel e estava acompanhada da mãe, Vilma Morais.




NÃO DÁ PRA VER NADA





Os cadeirantes tiveram uma visão privilegiada (ficaram do lado da pista da Sapucaí). Integrante da ala dos artistas da Mangueira, a atriz Luana Piovani aproveitou a proximidade do espaço reservado a eles e distribuiu beijinhos em todos. Mas só os cadeirantes tiveram grande sorte, pois o único contratempo no Sambódromo foi a distância entre o setor destinado aos andantes (setor13-frisa), deficientes ou não, e a passarela. Muitos foliões pediram uma solução para o ano que vem.




Apesar desse problema, o ‘Carnaval da Inclusão’ continuou brilhando intensamente e as pessoas com deficiência provaram que têm o direito de celebrar a vida e o dever de se divertir.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

RECORDE! Brasil tem 160 vagas para Pequim

Atletismo garante 48 vagas nos Jogos Paraolímpicos

Bonn, Alemanha - O Comitê Paraolímpico Internacional (IPC) antecipou nesta sexta-feira o anúncio do número das vagas de cada país no Atletismo na Paraolimpíada de Pequim-2008. O Brasil terá 48 vagas na modalidade. São 31 vagas masculinas e 17 femininas, representando uma aumento de mais de 180% em relação às 17 vagas dos Jogos de Atenas 2004.
O Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB) funciona como confederação brasileira para esta modalidade. Para o presidente do CPB, Vital Severino Neto, as 48 vagas evidenciam o bom trabalho feito pela entidade em relação ao atletismo. “Estamos muito felizes com esse anúncio antecipado do IPC. Mostra claramente que a estratégia de desenvolvimento que planejamos e implementamos para a modalidade está atingindo os resultados desejados, prova do sucesso de nosso trabalho. É um número histórico”, disse o presidente do CPB.

Andrew Parsons, secretário geral do CPB, mostrou outros dados que trazem orgulho para os brasileiros.
“Em relação ao total da vagas, o Brasil ficou em segundo lugar, empatado com a Austrália, na frente de grandes potências como Estados Unidos (44 vagas), Alemanha (42 vagas) e Grã-Bretanha (36 anos). Na nossa frente, só ficou a China (80 vagas), que será a dona da casa durante os Jogos de Pequim”, explica.

No total de sua delegação, o Brasil já soma 160 vagas em 15 modalidades (o programa paraolímpico tem 20 modalidades), no que é, de longe, a maior participação brasileira na história dos Jogos Paraolímpicos. O crescimento do número de atletas já é superior a 60%, superando a meta de 150 vagas estabelecida pelo Comitê Paraolímpico Brasileiro.
Em Atenas, a delegação brasileira representou o país com 98 atletas em 13 modalidades, um grande avanço em relação aos Jogos de Sydney (64 atletas em nove modalidades).
A meta é colocar o Brasil em 12º lugar no quadro geral de medalhas.
Os Jogos Paraolímpicos de Pequim serão realizados de 6 a 17 de setembro de 2008, utilizando as mesmas instalações dos Jogos Olímpicos.