terça-feira, 30 de dezembro de 2008

ENTREVISTA COM UM CAMPEÃO


Danilo Binda Glasser. Dez anos de seleção brasileira de natação paraolímpica. Duas medalhas de bronze em dois Jogos (Sydney-2000 e Atenas-2004). Dois recordes mundiais nos 50m livre S10 e um nos 100m livre da mesma classe Comentarista do SporTV durante a Paraolimpíada de Pequim. Criador do primeiro site sobre a natação para pessoas com deficiência (www.paradesporto.com.br). Esse é o resumo do currículo invejável de um campeão do esporte adaptado. Essa é apenas a primeira parte de uma entrevista maravilhosa.


Quando você começou na cobertura paraolímpica?

Começamos em maio de 2001, eu, Fabiano Machado e Moisés Batista.


Por que escolheu cobrir o desporto para pessoas com deficiência?

Não pelo fato de sermos atletas paraolímpicos, mas sim pela pobreza que era esse segmento na época. Quando íamos viajar nem mesmo nossos familiares tinham informações dos nossos resultados, salvo quando telefonávamos.


Você acredita que as modalidades adaptadas são importantes para a
divulgação do tema da acessibilidade?

Acredito fielmente. Em qualquer segmento, o espelho é importante e sabemos que no esporte, espelhos, ídolos são fundamentais, e o esporte paraolímpico faz isso. Um exemplo fantástico é o que fez a China por conta das Paraolimpíadas. Não só concedeu pensão vitalícia a todo medalhista de ouro como lutou bravamente para adaptar toda a cidade em todos os setores possíveis. Aqui no Brasil a coisa também vem mudando, claro, a passos de tartaruga, mas só o fato de estar mudando já é muito para nosso país.


O país aprendeu a respeitar as pessoas com deficiência? O que falta?

O país aprendeu não seria o termo correto, pois não é num todo que isso vem acontecendo. Porém, a mudança existe e poucos já estão aprendendo. Como costumo falar, devido à maravilhosa convivência que tive com o Vital (Severino Neto), presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), estamos num processo de evolução. Assim como existia a escravidão, não tínhamos o direito ao voto e tudo mudou, acredito que nosso movimento também vem mudando. Hoje alguns atletas já são ídolos, vistos como heróis nacionais e isso é resultado desse respeito.




Você já foi a quantos Jogos Paraolímpicos? Qual a diferença que você
notou na cobertura?

Eu disputei Sydney 2000 e Atenas 2004, e a diferença é gritante. Em Sydney 2000 minha família ficou sabendo da minha primeira medalha porque telefonei para falar. Em Pequim foi tudo mostrado ao vivo. Muitas vezes os atletas falaram real-time com seus parentes, coisa que para nós em 2000 era impossível. Falar ao vivo com a medalha no peito com meu filho? Piada, né...
Meu sonho é que em 2012 mude ainda mais. Que toda a imprensa esteja in loco em Londres cobrindo todas as modalidades, com muito mais canais transmitindo ao vivo. Hoje alguma parte da imprensa fala do esporte paraolimpico por prazer, por vontade própria, e nao por pressão, por terem sidos pagos para falar.


Pessoas com deficiência merecem oportunidades no mercado de trabalho?
Claro que sim, óbvio. Já quanto a se destacar, todo deficiente se destaca em qualquer que seja sua área de atuação, sabe por que? Pois tiram de letra qualquer adversidade, qualquer barreira ou tarefa a que se defrontar. Isso se você pesquisar numa agência de correios, numa empresa aérea e quaisquer outras que empregam as pessoas com deficiência. Isso é fato, o resultado é certo.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Viajar é sempre bom

Viajo nesta segunda-feira, às 15h30, para o Maranhão (terra da minha mãe). Feliz ano novo a todos. Continuarei publicando algumas notinhas e entrevistas, mas em um ritmo mais lento até o dia 5 de janeiro.

Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa Paraolímpico - resultados - parte 1

A repórter e mesatenista Carla Maia (medalha de prata na CLASSE 2-3) foi buscar a informação e o blog publica os resultados do Brasileiro de Tênis de Mesa Paraolímpico. Confira abaixo alguns deles. Colocarei os outros (a maioria) um pouco mais para frente.

Classificação geral por clubes:

1º Lugar - ADFGO - GO
2º Lugar - RIZZONE-DF
3º Lugar - ADFP - PR

CLASSE 1 MASCULINO
1º LUGAR ACTM- FRANCISCO SALES
2º LUGAR RIZZONE- ALOÍSIO LIMA
3º LUGAR CFF-IVANILDO SOUZA
3º LUGAR ADFGO-MARCILIO COSTA

CLASSE 2-3 FEMININO
1º LUGAR ADFP-ROSANGELA DALCIN
2º LUGAR RIZZONE - CARLA MAIA
3º LUGAR ADFGO- ELZA SA
4º LUGAR ADFP - SILMARA SANTOS

CLASSE 8-9 FEMININO - JANE RODRIGUES FOI A CAMPEÃ!

1º LUGAR ADFGO - JANE RODRIGUES
2º LUGAR CLUBE PORTUGUES - VALERIA PEREIRA
3º LUGAR CLUBE PORTUGUES - MARAISA SANTOS


CLASSE 7 MASCULINO
1º LUGAR RIZZONE - CRISTOVAN JAQUES
2º LUGAR AITM - GILBERTO ONOFRE
3º LUGAR CLUBE PORTUGUES - JOSUÉ DA SILVA
3º LUGAR CPSP - LUCAS PAULA

CLASSE 8 MASCULINO
1º LUGAR ACTM - FRANCISCO MELO
2º LUGAR CRF RONDONIA - JOÃO NASCIMENTO
3º LUGAR AJATM - PAULO SALMIN
3º LUGAR CPSP - MARCELO SANTOS

CLASSE 9 MASCULINO
1º LUGAR CPSP - EDIMILSON PINHEIRO
2º LUGAR BRC - CARLOS CARBINATTI
3º LUGAR CLUBE PORTUGUES - LUIZ EDUARDO
3º LUGAR CPSP - REGINALDO GOMES

CLASSE 10 MASCULINO
1º LUGAR FLAMENGO - MÁRIO RIBEIRO
2º LUGAR ADFGO - BASÍLIO OLIVEIRA
3º LUGAR RIZZONE - MARCELO KANEGAE
3º LUGAR ADAA - ALEXANDRE CALDEIRA

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa Paraolímpico

A jornalista e mesatenista cadeirante Carla Maia (TV BRASIL) escreveu sobre o Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa Paraolímpico. Em um estilo mais solto e divertido, Carla analisa a competição. Leia abaixo.

Os atletas de tênis de mesa paraolímpico jogaram de cabeça quente o campeonato brasileiro de 2009. Não estavam nervosos por encerrar as competições do ano e definir o ranking brasileiro. É que em pleno verão do mês de dezembro, a cidade do evento, Fortaleza, era só calor.

Para as bolinhas seguirem direitinho suas trajetórias, não dá para ter vento no local dos jogos. Teve muito cadeirante de classe baixa (os tetrinhas que não suam) tomando banho de torneira, com toalha molhada na cabeça ou mendigando as salas com ar-condicionado do ginásio. Sofreram um pouquinho, mas não desistiram da disputa. 97 atletas paraolímpicos se inscreveram. O evento também chamou atenção por ocorrer pela primeira vez junto com jogos do atletas convencionais, aqueles sem deficiência. Esse pessoal competiu, no mesmo dia, o brasileiro de seleções estaduais.

Dos mesatenistas famosos da modalidade convencional, estava lá Hugo Hoyama. Recordista em medalhas de ouro em pan-americanos, gostou da idéia de unir os mesatenistas convencionais e paraolímpicos. Disse que assim, um pode aprender com o outro. Bom mesmo depois de suar no ginásio, foi ir às praias da cidade cearense refrescar a cabeça das vitórias e derrotas.

Mas calma! O fim das competições de 2008 não significa férias. Dias 17 e 18 de janeiro, na cidade de Brasília, já tem a seletiva para definir os integrantes da seleção brasileira de tênis de mesa paraolímpico para o primeiro semestre de 2009. A CBTM convocará os atletas que participarão desta seletiva por meio do ranking. Fiquem espertos!

TROFÉU POLÊMICA

Escolhi os melhores do ano. Os nomes vão gerar polêmica. Caso os internautas pretendam enviar seus nomes preferidos e criar outras categorias, o site publicará rapidamente. Mande e-mail para pvesporte@gmail.com ou pvlancenet@hotmail.com


DESTAQUE MASCULINO: ANTÔNIO TENÓRIO (JUDOCA TETRACAMPEÃO PARAOLÍMPICO) - OURO -100KG (CEGUEIRA TOTAL)

DESTAQUE FEMININO: SHIRLENE COELHO – PRATA NO LANÇAMENTO DE DARDO F35-38 (HEMIPLEGIA LADO ESQUERDO)

REVELAÇÃO MASCULINA
: TITO SENA – MARATONA T46 (ATLETAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA) – PRATA

REVELAÇÃO FEMININA: VERÔNICA ALMEIDA – BRONZE NOS 50M CLASSE S7


MELHOR OFICIAL TÉCNICO OU/E COORDENADOR: RODERLEY FERREIRA – FUT-5 – OURO

MELHOR EQUIPE: SELEÇÃO DE FUTEBOL DE CINCO

MELHOR TÉCNICO: MARCOS ROJO – TREINADOR DO NADADOR DANIEL DIAS


REPÓRTER DO ANO: BRUNA GOSLING – SPORTV

MELHOR FOTÓGRAFO: SAULO CRUZ

COBERTURA JORNALÍSTICA – IMPRESSO: LANCE!

COBERTURA JORNALÍSTICA – TV: TV BRASIL E SPORTV

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

UMA JORNALISTA ESPECIAL!


Gostaria de aproveitar o espaço e homenagear a repórter do canal SporTV Bruna Gosling. Há anos, ela é o destaque da cobertura paraolímpica. Meu sonho é um dia premiar os melhores do esporte adaptado. Pretendo entregar a essa jornalista maravilhosa uma medalha de ouro e um troféu feito de diamante.

Parabéns, Bruna!

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Memórias de uma campeã


A nadadora paraolímpica Verônica Almeida, da classe S7, medalha de bronze nos 50m borboleta na Paraolimpíada de Pequim-2008, está escrevendo um livro. Leia um trecho desta obra abaixo:

UM SONHO

Então, depois de muito esperar e pensar no que poderia fazer, um dia como qualquer outro decidi triunfar.
Resolvi não ficar à espera das oportunidades e fui procurá-las.
Resolvi ver cada problema meu como a oportunidade de encontrar uma solução.
Resolvi viver cada dia como a oportunidade de ser feliz,quero dizer mais feliz.
E foi nesse dia que descobri que os meus rivais eram apenas as minhas debilidades e que estas são a única e melhor forma de me superar.
Aprendi que o difícil não é chegar ao topo, mas sim nunca deixar de subir.
Aprendi que o maior sucesso que posso alcançar é o de ter o direito de chamar a alguém de "AMIGO".
E descobri que o amor é mais do que uma simples paixão. O amor é uma filosofia de vida. Descobri que Marcelo,Bianca e Marcelinho são a minha filosofia de vida.
E descobri amigos que hoje mais do que nunca precisam continuar acreditando na minha Filosofia de Vida.

Descobri que problemas não são obstáculos,mas oportunidades ímpares de superação e vitórias.
Aprendi que os sonhos são apenas para transformar em realidade e desde esse dia que não durmo para descansar. Agora apenas durmo para sonhar.


FOTO DE SAULO CRUZ / CPB

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

DOIS ATLETAS BRILHANTES


Ao lado do atleta-guia Chocolate, Terezinha vence os 100m T11 (cegos) no Meeting Internacional do Rio

Nesta terça-feira, dia 16, Daniel Dias e Terezinha Guilhermina receberão justas homenagens no Prêmio Brasil Olímpico, que será realizado no Museu de Arte Moderna (MAM), no Rio, às 19h. Os dois foram escolhidos os melhores atletas com deficiência de 2008. Daniel conquistou nove medalhas, sendo quatro de ouro, quatro de prata e uma de bronze. Terezinha levou três, uma de ouro (200m T11), uma de prata (100m T11) e uma de bronze (400m T11/12).

FOTO: DIVULGAÇÃO CAIXA -

domingo, 14 de dezembro de 2008

Esperança de campeão

Medalha de ouro nos 800m nos Jogos Olímpicos de Los Angeles-1984, Joaquim Cruz é o técnico da seleção norte-americana de atletismo paraolímpico. O ex-atleta não acredita que a acessibilidade no Brasil é algo tão distante.

“Com o sucesso dos atletas do Brasil em Pequim, creio que o preconceito diminuiu um pouco. O esporte tem esse poder de modificar a consciência das pessoas. Atualmente, um pai não vai considerar que seu filho não pode fazer nenhuma atividade física por causa de uma deficiência. Os resultados no desporto adaptado demonstram que as pessoas com deficiência devem ter destaque nos estudos e no mercado de trabalho”, disse Joaquim, que iniciou seu trabalho em esportes paraolímpicos há três e meio.

Delfino é nota 10




O velocista Antonio Delfino foi o destaque do atletismo no Meeting Internacional, realizado no Estádio Célio de Barros, no Rio, ao vencer os 100 e 200m rasos. Nos 100m, com o tempo de 11s25, ele venceu o jovem talento Yohansson Ferreira, de 21 anos, que ficou com a prata.

No Superdesafio dos 200m, com a marca de 22s83, Antônio Delfino triunfou sobre o venezuelano Samuel Colmenares, Yohansson Ferreira (novamente), Daniel Silva (T11-atleta cego) e Alan Fonteles.

O maratonista Tito Sena estava presente na torcida.


foto: divulgação caixa

Terezinha, Chocolate e Shirlene brilham no Célio de Barros

A velocista Terezinha conseguiu vencer Chianmiao Wu nos 100m T11 (atletas cegos). A brasileira perdeu para a chinesa nessa prova na Paraolimpíada de Pequim, mas triunfou sobre a adversária no Meeting Internacional de Atletismo, neste domingo, no Célio de Barros. Chianmiao terminou na última colocação.

Terezinha proferiu um grito de felicidade após a vitória. “Estava engasgada. É melhor soltar tudo depois de três meses do que esperar até Londres-2012, onde espero muito mais”, disse. O atleta-guia Jorge Luiz, o Chocolate, estava emocionado de correr no Rio. “Comecei no projeto desportivo da Mangueira. Há dez anos, estou como guia e três anos e meio nessa parceria vitoriosa com a Terezinha”, afirmou.

Após chorar no pódio, Terezinha usou de bom humor para falar de Jorge Luiz. “Chocolate é muito bom”, brincou.

Detentora do recorde mundial (35m95), Shirlene Coelho venceu na prova do lançamento de dardo F37, com 32m62.

sábado, 13 de dezembro de 2008

Andre Brasil vence duas no Meeting



Ao lado de Daniel Dias, Andre Brasil foi mais uma vez o destaque de uma competição internacional de natação adaptada. Andre conquistou os 100m borboleta e os 400m livre da classe S10 no Meeting Internacional, realizado neste sábado, no Parque Aquático Júlio Delamare, no Rio.

Ele falou da importância do evento."O Meeting é uma referência. A competição já faz parte do calendário do Comitê Paraolímpico Internacional", disse o campeão.


Andre aproveitou para fazer um justo pedido. " Seria muito bom se os atletas participassem de três competições internacionais por ano. Estaríamos sempre bem preparados, sabendo o que nossos adversários estão fazendo. Tive muito trabalho com o britânico Robert Welbourn e o espanhol David Levecq", afirmou.

Revelações no Stadium

As revelações da natação adaptada brasileira Phelipe Rodrigues, Gabriela Cantagalo e Ana Clara Cruz estarão no programa Stadium, da TV BRASIL, domingo, às 15h. Vale conferir.

Daniel e Verônica brilham no Meeting




O Rio de Janeiro recebeu na manhã deste sábado, dia 13, a 2ª edição do Meeting Internacional Paraolímpico de Atletismo e Natação. A competição integra o calendário de eventos do Comitê Paraolímpico Internacional. O Parque Aquático Júlio Delamare reuniu atletas da natação paraolímpica brasileira vencedora nos Jogos de Pequim com 19 medalhas e expoentes internacionais. Entre os destaques, Daniel Dias, nove medalhas na Paraolimpíada, André Brasil, cinco medalhas, e Verônica Almeida, bronze nos 50m borboleta classe S7. No total foram realizadas 15 provas, nas categorias masculina e feminina.

Maior medalhista paraolímpico brasileiro em Pequim e vencedor das provas 200m medley SM5 e 100m SB4 do Meeting, Daniel Dias ressaltou a importância de o Brasil ter uma competição de alto rendimento. “Fechamos o ano da natação com chave de ouro, sem o apoio das Loterias CAIXA jamais conseguiríamos ter um evento desta qualidade”, ressaltou.

Verônica Almeida emocionou a torcida ao vencer a prova dos 50m borboleta classes S5-S7. A nadadora derrotou a consagrada norte-americana Erin Popovich, dona de 14 medalhas de ouro em três paraolimpíadas. Miranda, outra norte-americana, ficou em terceiro. A jovem promessa Ana Clara Cruz ficou com uma honrosa quarta colocação.

Outra revelação brasileira, Gabriela Cantagallo, de 15 anos, venceu a prova dos 50m livre S9, com o tempo de 33s21. Ela também destacou a importância de um evento dese nível. “Precisamos ter competições internacionais no país. O intercâmbio é muito importante para todos os atletas. Acredito que, em dois anos, as mulheres terão belos resultados em outros torneios”, disse a bela Gabriela.

Neste domingo, dia 14, a competição encerra com as provas do atletismo a partir das 10 horas, no Estádio de Atletismo Célio de Barros, Complexo do Maracanã.

Participam da competição cerca de 60 atletas brasileiros e 37 estrangeiros convidados de 17 países, como África do Sul, Argentina, Bulgária, Canadá, China, Colômbia, Cuba, Espanha, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Quênia, Angola, Marrocos, México, Tunísia, Uruguai e Venezuela. A primeira edição do Meeting foi realizada em dezembro de 2007, após o Parapan do Rio. Na ocasião, foram quebrados cinco recordes mundiais, sendo três na natação e dois no atletismo.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

PREMIADOS PARAOLÍMPICOS

“Nunca imaginei uma festa tão bonita para as pessoas com deficiência.” Assim Rosinha, atleta de arremesso de peso, definiu o Prêmio Brasil Paraolímpico. O evento foi uma demonstração de respeito com os campeões de Pequim. Os velocistas Lucas Prado e Terezinha Guilhermina foram considerados os melhores desportistas do ano. Treinador dos dois destaques da noite da última quinta-feira, Amaury Veríssimo ganhou na sua categoria.

O coordenador de natação, Gustavo Abrantes, foi considerado o melhor oficial técnico. A seleção de Fut-5 conquistou como melhor equipe. O Diário Lance venceu na categoria melhor reportagem impressa e o Sportv na de reportagem para a TV. As revelações foram Shirlene Coelho (lançamento de dardo) e Phillipe Andrews (natação). Saulo Cruz levou o prêmio de melhor foto. O evento terminou em uma animada festa, onde todos dançaram muito.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

PRÊMIO BRASIL PARAOLÍMPICO

Os principais nomes do esporte adaptado já estão no Rio. Amanhã, a partir das 19h, acontecerá a primeira edição do Prêmio Brasil Paraolímpico, no Espaço Lamartine, na Barra da Tijuca. Atletas e jornalistas concorrem em 11 categorias. O Diário Lance está na de melhor reportagem impressa. A TV BRASIL também marcará presença. Confira abaixo os indicados:


MELHOR ATLETA MASCULINO

ANDRÉ BRASIL
NATAÇÃO - 5 MEDALHAS EM PEQUIM: 4 OUROS E 1 PRATA E 3 RECORDES MUNDIAIS

ANTÔNIO TENÓRIO
JUDÔ - TETRACAMPEÃO PARAOLÍMPICO, MEDALHA DE OURO EM PEQUIM

DANIEL DIAS
NATAÇÃO - MAIOR MEDALHISTA DOS JOGOS COM 9 MEDALHAS (4 OUROS, 4 PRATAS E 1
BRONZE)

DIRCEU PINTO
BOCHA - DUAS MEDALHAS DE OURO EM PEQUIM NA PRIMEIRA PARTICIPAÇÃO BRASILEIRA
DA BOCHA EM PEQUIM

LUCAS PRADO
ATLETISMO - RECORDISTA MUNDIAL DOS 100M E 200M RASOS T11 COM 3 MEDALHAS DE
OURO EM PEQUIM




MELHOR ATLETA FEMININO

TEREZINHA GUILHERMINA
ATLETISMO - ÚNICA MULHER DO BRASIL A GANHAR UMA MEDALHA DE OURO EM PEQUIM.
CONQUISTOU AINDA UMA PRATA E UM BRONZE

EDÊNIA GARCIA
NATAÇÃO - CONQUISTOU SUA SEGUNDA MEDALHA EM UMA PARAOLIMPÍADA. FOI BRONZE NOS
50M COSTAS

KARLA CARDOSO
JUDÔ - CONQUISTOU UMA MEDALHA DE PRATA EM PEQUIM, REPETINDO O BOM DESEMPENHO
DOS JOGOS DE ATENAS.

BATATINHA
BASQUETE - CAPITÃ DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE BASQUETE EM CADEIRA DE RODAS QUE
FEZ SUA ESTRÉIA EM JOGOS PARAOLÍMPICOS

JANE KARLA RODRIGUES
TÊNIS DE MESA - FEZ SUA ESTRÉIA INTERNACIONAL EM 2004. A ATLETA É A PRIMEIRA
DO RANKING NACIONAL E OITAVA DO RANKING MUNDIAL.

REVELAÇÃO MASCULINA

PHELIPE ANDREWS
NATAÇÃO - AOS 18 ANOS, GANHOU DUAS MEDALHAS DE PRATA NOS 50M E 100M LIVRE EM
SUA ESTRÉIA EM PEQUIM

YOHANSSON FERREIRA
ATLETISMO - FOI PRATA NO REVEZAMENTO 4X100 DAS CLASSES T42-46 E BRONZE EM SUA
CLASSE NA PROVA MAIS NOBRE DO ATLETISMO: OS 100M RASOS

ALAN FONTELES
ATLETISMO - AOS 16 ANOS, FOI PRATA EM SUA ESTRÉIA PARAOLÍMPICA NO REVEZAMENTO
4X100 DAS CLASSES T42-46

RICARDO ALVES
FUTEBOL DE 5 - MEDALHA DE OURO COM O FUTEBOL DE 5 PARA ATLETAS CEGOS EM
PEQUIM

WELDER KNAF
TÊNIS DE MESA - TROUXE A ÚNICA MEDALHA BRASILEIRA NO TÊNIS DE MESA, UMA
PRATA, AO LADO DE SEU PARCEIRO LUIZ ALGACIR.

REVELAÇÃO FEMININA
SHIRLENE COELHO
ATLETISMO - MEDALHA DE PRATA NO LANÇAMENTO DE DARDO COM RECORDE MUNDIAL

VERÔNICA ALMEIDA
NATAÇÃO - MEDALHA DE BRONZE EM SUA PRIMEIRA PARTICIPAÇÃO PARAOLÍMPICA NOS 50M
BORBOLETA

DEANNE SILVA
JUDÔ - MEDALHA DE PRATA EM PEQUIM, A JUDOCA FEZ SUA ESTRÉIA NOS JOGOS
PARAOLÍMPICOS APÓS CONQUISTAR UMA MEDALHA DE BRONZE NO PARAPAN NA CATEGORIA
ACIMA DE 70 KG

JOSIANE DIAS DE LIMA
REMO - MEDALHA DE BRONZE NO REMO NA CATEGORIA DOUBLE SCULLS EM SUA ESTRÉIA EM
JOGOS PARAOLÍMPICOS

JERUSA DOS SANTOS
ATLETISMO - MEDALHA DE BRONZE NA CATEGORIA T11 EM SUA ESTRÉIA EM JOGOS
PARAOLÍMPICOS

MELHOR EQUIPE NOS ESPORTES COLETIVOS

GOALBALL FEMININO
8º LUGAR GERAL NOS JOGOS PARAOLÍMPICOS DE PEQUIM

FUTEBOL DE 5
O BRASIL É BICAMPEÃO PARAOLÍMPICO NA MODALIDADE

FUTEBOL DE 7
4º LUGAR GERAL NOS JOGOS PARAOLÍMPICOS DE PEQUIM

VÔLEI SENTADO
6º LUGAR GERAL NOS JOGOS PARAOLÍMPICOS DE PEQUIM

BASQUETE MASCULINO
10º LUGAR GERAL NOS JOGOS PARAOLÍMPICOS DE PEQUIM

MELHOR ATLETA GUIA

ADEIVISON BARBOSA
GUIA DO ATLETA DANIEL MENDES EM PEQUIM

CÁSSIO HENRIQUE DAMIÃO
GUIA DO ATLETA CARLOS BARTÔ EM PEQUIM

GERSON KNITTEL
GUIA DA ATLETA ZEZÉ BARBOSA EM PEQUIM

JORGE LUIZ SILVA DE SOUZA (CHOCOLATE)
GUIA DA ATLETA TEREZINHA GUILHERMINA EM PEQUIM

JUSTINO BARBOSA DOS SANTOS
GUIA DO ATLETA LUCAS PRADO EM PEQUIM

MELHOR OFICIAL TÉCNICO

CIRO WINCKLER
COORDENADOR TÉCNICO DO ATLETISMO - A MODALIDADE TERMINOU EM 10A NO RANKING
GERAL COM 15 MEDALHAS CONQUISTADAS (4 OUROS, 4 PRATAS E 7 BRONZES)

GUSTAVO ABRANTES
COORDENADOR TÉCNICO NATAÇÃO - A MODALIDADE TERMINOU EM 8A NO RANKING GERAL
COM 19 MEDALHAS CONQUISTADAS (8 OUROS, 7 PRATAS E 4 BRONZES)

ROBERTO VITAL
CHEFE DEPARTAMENTO MÉDICO - COORDENADOR DA EQUIPE MÉDICA EM PEQUIM

RODERLEY FERREIRA
COORDENADOR TÉCNICO FUTEBOL DE 5 - A MODALIDADE FOI BICAMPEÃ PARAOLÍMPICA EM
PEQUIM

WALTER RUSSO DE SOUZA JUNIOR
COORDENADOR TÉCNICO JUDÔ - A MODALIDADE TERMINOU EM 3A NO RANKING GERAL COM 5
MEDALHAS CONQUISTADAS (1 OURO, 2 PRATAS E 2 BRONZES)

MELHOR TÉCNICO

AMAURY WAGNER VERÍSSIMO
ATLETISMO - TÉCNICO INTEGRANTE DA SELEÇÃO DE ATLETISMO QUE TROUXE PARA O
BRASIL 15 MEDALHAS (4 OUROS, 4 PRATAS E 7 BRONZES)

ANTÔNIO PÁDUA
FUTEBOL DE 5 - TÉCNICO DA SELEÇÃO DE FUTEBOL DE 5, BICAMPEÃ PARAOLÍMPICA EM
PEQUIM

JUCINEI GONÇALVES DA COSTA
JUDÔ - TÉCNICO INTEGRANTE DA SELEÇÃO DE JUDÔ QUE TROUXE PARA O BRASIL 5
MEDALHAS (1 OURO, 2 PRATAS E 2 BRONZES)

MARCELA PIMENTEL
HIPISMO - TÉCNICA E COORDENADORA DA SELEÇÃO DE HISPISMO QUE TROUXE PARA O
BRASIL 2 MEDALHAS (2 BRONZES)

MURILO MOREIRA BARRETO
NATAÇÃO - TÉCNICO INTEGRANTE DA SELEÇÃO DE NATAÇÃO QUE TROUXE PARA O BRASIL
19 MEDALHAS (8 OUROS, 7 PRATAS E 4 BRONZES)

MELHOR IMAGEM (FOTOGRAFIA)
CONCORREM: PEDRO REZENDE, MAURÍCIO PINHEIRO E SAULO CRUZ

MELHOR REPORTAGEM DE TV
CONCORREM: BANDEIRANTES, RECORD, SPORTV, TV BRASIL (LUCAS IMPERADOR, DE PAULO GARRITANO) E TV GLOBO

MELHOR REPORTAGEM IMPRESSA
CONCORREM: ESTADO DE SÃO PAULO, DIÁRIO LANCE!, O GLOBO E REVISTA ÉPOCA

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

IBDD é campeão brasileiro de Fut-7




A equipe do Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência –RJ (IBDD) conquistou neste domingo (dia 7) o título do 8º Campeonato de Futebol de Sete, modalidade dedicada a atletas com paralisia cerebral (comprometimento físico). A vitória veio em uma partida decidida nos pênaltis sobre a equipe do Caira de Mato Grosso do Sul por 4 a 3.
O jogo terminou empatado em 2 a 2, gols de Luciano e Mauriziu para o Caira, e Wanderson e Zé Carlos para o IBDD. Na prorrogação, cada equipe marcou um gol, levando a decisão para a disputa de pênaltis.

Na disputa pelo terceiro lugar, o Clube Pantanal venceu a equipe da Andef de Niterói – RJ pelo placar de 2 a 0, gols de Jean Adriano e Ismael.

A competição confirmou Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro como as principais potências do Brasil no Futebol de Sete. O artilheiro da competição foi o atacante Fabiano Bruzzi, 32 gols da Andef. O goleiro menos vazado foi Alexandre Conceição do IBDD e a revelação do torneio foi Alisson do Rondônia.

O Brasileiro reuniu nove equipes, e foi realizado pela Associação Nacional de Desporto para Pessoas com Deficiência (ANDE), e teve o apoio do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, através da Fundesporte, da Prefeitura Municipal de Campo Grande, através da Funesp, e do Exército brasileiro, pelo Comando Militar do Oeste (CMO).

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

MEETING INTERNACIONAL

O Comitê Paraolímpico Brasileiro realiza pelo segundo ano consecutivo, na cidade do Rio de Janeiro, o Meeting Internacional Paraolímpico Loterias CAIXA de Atletismo e Natação. A competição já faz parte do calendário de eventos do Comitê Paraolímpico Internacional e será realizada nos dias 13 e 14 de dezembro no Complexo Esportivo do Maracanã.

Estão confirmados 56 atletas brasileiros e 39 de países como Estados Unidos, Canadá, África do Sul, Cuba, Angola, Espanha e China. Medalhistas de Pequim participam de suas principais provas na piscina e na pista. O presidente do Comitê Paraolímpico acredita que a competição será um sucesso.

“É muito bom para os nossos atletas competirem com adversários de nível internacional. Isso dá maturidade e oportunidade para os brasileiros manterem as suas marcas. Estamos trabalhando para que os resultados aconteçam da melhor forma possível. Contamos com o público do Rio de Janeiro para acompanhar o nosso evento”, declara Vital Severino Neto.

Na natação, destaque para o canadense Benoit Huot e para o brasileiro Andre Brasil. Eles se enfrentam nas provas de 100m borboleta e 400m livre, na classe S10. O recordista de medalhas em Pequim, Daniel Dias, estará na disputa dos 100m peito, classe S5. Ele nadará com o brasileiro Ivanildo Vasconcelos, o espanhol Ricardo Tem e o argentino Ariel Quassi.

A chinesa Wu Chunmiao é outra estrela internacional. Ela foi ouro nos 100m rasos na disputa com Terezinha Guilhermina. Nos 200m, a brasileira levou a melhor. No Meeting, a chinesa disputará os 100m, da classe T11 (para atletas cegos) com as brasileiras Terezinha Guilhermina, Jerusa dos Santos e Ana Tércia.


Informações:

Natação
Sábado - 13/12 – Parque Aquático Julio Delamare
Horário:11h – 13h

Atletismo
Domingo – 14/12 – Estádio de Atletismo Célio de Barros
Horário: 10h – 12h

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

DIA INTERNACIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

NO DICIONÁRIO, DEFICIÊNCIA SIGNIFICA FALTA, FALHA, CARÊNCIA, IMPERFEIÇÃO E DEFEITO.

SERÁ?

COM TANTOS BELOS LANCES, GOLAÇOS E MEDALHAS, DEVEMOS ACREDITAR NA IMPERFEIÇÃO DESSES CAMPEÕES?

EXCLUSÃO SIGNIFICA ATO PELO QUAL ALGUÉM É PRIVADO DE DETERMINADAS FUNÇÕES. DEPOIS DE TANTA VIBRAÇÃO, DE TANTA DEMONSTRAÇÃO DE GARRA, ELES PODEM SER EXCLUÍDOS DE ALGUMA TAREFA DO COTIDIANO? EXISTEM RESTRIÇÕES PARA ESSES HOMENS?

INCAPAZ É AQUELE QUE NÃO CONSEGUE REALIZAR DETERMINADA TAREFA,IMPOSSIBILITADO, INABILITADO.

SERÁ QUE PODEMOS CLASSIFICÁ-LOS DESTA FORMA? COMO, ENTÃO, CONSEGUEM DRIBLAR AS DIFICULDADES IMPOSTAS PELA VIDA, PELA SOCIEDADE?

PRECONCEITO SIGNIFICA OPINIÃO FORMADA ANTECIPADAMENTE, SEM MAIOR PONDERAÇÃO OU CONHECIMENTO DOS FATOS; IDÉIA PRECONCEBIDA.

O PRECONCEITUOSO NÃO SERIA O VERDADEIRO CEGO DA ALMA, AQUELE QUE NÃO TEM A CAPACIDADE DE OUVIR A VOZ DESSES CRAQUES, AQUELE QUE NÃO CONSEGUE ENTENDER AS POSSIBILIDADES INFINITAS DO SER HUMANO?


ACESSÍVEL SIGNIFICA AQUILO QUE SE PODE ALCANÇAR. ACESSIBILIDADE É A FACILIDADE NA APROXIMAÇÃO, NO TRATO.

UMA VIDA SEM LIMITAÇÕES...É ISSO QUE ELES PEDEM DEPOIS DE TANTO ESFORÇO,
TANTA ALEGRIA,TANTAS MEDALHAS E TANTO SUOR. E O DIA INTERNACIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA, COMEMORADO EM 3 DE DEZEMBRO, É MAIS UMA CHANCE PARA QUE TODOS ENTENDAM O RECADO DE QUE O IMPOSSÍVEL NÃO EXISTE.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

PIEGUICE? E DAÍ?

Os leitores devem estar estranhando minha ausência. Peço perdão. Há dois meses, recebi um convite para participar da turma de natação adaptada do Fluminense. Indaguei: 'como posso participar de uma equipe se me encontro totalmente fora de forma?'. Apesar disso, aceitei o desafio. Aliás, precisava retornar à prática da natação por causa da minha bronquite. Quero dizer que tudo mudou. Cresci como ser por causa das novas amizades com atletas com Síndrome de Down. Não tinha experiência com eles por não serem paraolímpicos. porém, descobri que muitas confederações e associações espalhadas pelo mundo lutam pela volta dos 'Downs' a uma paraolimpíada. Digo que minha concepção sobre as potencialidades do homem começa a amadurecer após os laços de fraternidade criados com meus irmãos.

O discurso pode parecer um tanto religioso (logo eu que estou tão distante disso), mas não é. Simplesmente, passei a acreditar que o homem pode ser perfeito em meio a tantas imperfeições. Passei a acreditar mais em mim e nos outros. Tenho de agradecer a nadadores como Gustavo Aratanha, atleta com um futuro brilhante (é difícil acompanhá-lo nas aulas), Felipe Marins e seu bom humor (às vezes, EU esquecia de sorrir) e tantos outros envolvidos nesse projeto.

Estarei torcendo para o sucesso do Gustavo no Campeonato Master, que será realizado no parque aquático do Tricolor. Digo que após essas descobertas serei um profissional mais completo por entender melhor as questões relacionadas à inclusão social e ao esforço dos atletas, com ou sem deficiência.

Podemos ser melhores na vida, através da garra e da confiança em nossos próprios braços, pernas e mentes.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Daniel Dias e Lucas Prado brilham no Circuito Brasil Paraolímpico

A segunda etapa nacional do Circuito Loterias CAIXA Brasil Paraolímpico de Atletismo e Natação terminou neste domingo, em Fortaleza. Trezentos e noventa e dois atletas disputaram a etapa, incluindo os medalhistas paraolímpicos da natação Daniel Dias e André Brasil; além de Terezinha Guilhermina e Lucas Prado, no atletismo.
O nadador Daniel Dias foi um dos destaques. Com quatro medalhas de ouro, quatro de prata e uma de bronze em Pequim, ele conquistou quatro medalhas de ouro (100m livre, 200m livre, 200m medley e 50m costas).

“Desde que voltei de Pequim estava de férias. Agora, estou retomando os treinamentos e pegando o ritmo. É o início de uma nova etapa, já visando o Meeting, no Rio de Janeiro. O circuito é muito importante nesse momento para dar ritmo aos treinos”, disse o campeão.

O velocista Lucas Prado, medalhista de ouro nos 100m, 200m, e 400m em Pequim também competiu em Fortaleza. Ele foi ouro nos 100m e 200m.

“Nos 100m, eu não consegui bater o recorde mundial porque o vento atrapalhou muito. Os 200m foram mais tranqüilos. O Circuito é muito importante para revelar novos talentos e novos adversários”, afirmou.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Circuito de Atletismo e Natação



A cidade de Fortaleza encerra este ano as etapas nacionais do Circuito Loterias CAIXA Brasil Paraolímpico de Atletismo e Natação. Trezentos e noventa e dois atletas estão na competição, que acontece nos dias 8 e 9, incluindo os medalhistas paraolímpicos da natação Daniel Dias e André Brasil, além de destaques como Terezinha Guilhermina, Lucas Prado e Odair dos Santos.

Com quatro medalhas de ouro, quatro de prata e uma de bronze, o nadador Daniel Dias foi o grande destaque brasileiro na natação em Pequim. Detentor do atual recorde mundial dos 200m medley SM5, 100m e 200m livre S5, Daniel Dias está ansioso com a competição.

“Espero nadar bem e também espero que tenha um bom público acompanhando as provas”, convida o atleta.


Acompanhado pelo guia Justino Barbosa, o velocista Lucas Prado foi o principal nome do Brasil no atletismo desta Paraolimpíada. O atleta ainda não tirou férias depois de Pequim e pretende melhorar ainda mais.

“As minhas expectativas para Fortaleza são muito boas. Vou bater recordes nessa etapa final. Estou treinando muito desde que cheguei de Pequim. Quero terminar este ano com um novo recorde mundial nos 100m e, quem sabe, nos 400m”, planeja o atleta, que comemora seu aniversário no dia 7 de novembro.

A competição reúne pela primeira vez após os Jogos Paraolímpicos de Pequim toda a delegação brasileira de atletismo e natação. O Brasil fez sua melhor participação em Paraolimpíadas, com 47 medalhas, sendo 16 de ouro. Do total de medalhas, 34 foram conquistadas nas duas modalidades, das quais 12 são de ouro.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

PRÊMIO BRASIL PARAOLÍMPICO

No dia 11 de dezembro, no Espaço Lamartine, no Rio, os grandes nomes do esporte adaptado brasileiro estarão reunidos na primeira edição do Prêmio Brasil Paraolímpico. Idealizado pelo Instituto Superar, com patrocínio das Loterias Caixa e da Unimed Brasil, o evento foi criado para motivar atletas, treinadores e todo o universo do desporto para pessoas com deficiência no país, contribuindo para a consolidação desse segmento no Brasil.

Com um júri especializado, composto por 70 pessoas, entre atletas,técnicos,dirigentes e profissionais da imprensa, o prêmio vai contemplar as seguintes categorias: melhor atleta masculino, melhor atleta feminino, melhor equipe nos esportes coletivos, revelações masculina e feminina do ano, melhor coordenação técnica por modalidade, melhor atleta-guia, melhor imagem (foto), melhor reportagem (rádio e TV), melhor reportagem impressa e prêmio especial do júri.

A cerimônia de premiação vai acontecer às 20h, com transmissão ao vivo do canal SporTV.

domingo, 26 de outubro de 2008

Campeões na vida e nas piscinas



O Fluminense Football Club sediou, na manhã do sábado passado (25 de outubro), o I Festival de Natação Adaptada. O evento foi realizado no Parque Aquático Jorge Frias de Paula, nas Laranjeiras, e contou com a participação do vice-presidente dos esportes olímpicos do clube, Ricardo Martins, e do diretor de natação Renato Quaresma.

Criada há sete meses pela coordenadora Margarida Passos e pelo professor Felipe Desterro, a equipe da modalidade para pessoas com deficiência tem 12 atletas, com paralisia cerebral (comprometimento físico) e síndrome de down (deficiência intelectual). São 11 andantes e um cadeirante (Renan Silva).

Para o treinador Felipe Desterro, o objetivo é a inclusão dos integrantes da turma no desporto.

"O projeto está muito bonito. O Fluminense nos apóia da melhor maneira possível. Nosso objetivo é incluir esses atletas em outras competições e, quem sabe, levá-los para torneios mundiais e até para uma paraolimpíada", explicou.

Feliz com o resultado do projeto, a coordenadora Margarida Passos, a Margô, espera que outros clubes criem núcleos para pessoas com deficiência como acontece atualmente no Fluminense.

"Gostaria de concretizar um intercâmbio. Estou muito feliz com a realização desse festival. Ele será o primeiro de muitos", afirmou.

Após o evento, cada nadador recebeu uma medalha comemorativa e a coordenadora do projeto, Margô, sorteou uma camisa oficial do Fluminense autografada pelos jogadores do time de futebol profissional. O atleta Felipe Marins foi sorteado e recebeu o uniforme das mãos do diretor de natação Renato Quaresma.

Atletas da equipe de natação adaptada do Fluminense:

Felipe Marins, Gustavo Aratanha, Thiago Cabral, Felipe Oliveira, Renan Silva, Paulo Vitor Ferreira, Gabriel Wolak, Helio Ribeiro, Renata Souza, Gisela Montenegro, Taís Louzada e Pedro.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Natação no Flu

O Fluminense Football Club promoverá neste sábado (25/10) seu I Festival de Natação Adaptada. O evento começa às 9h, no Parque Aquático Jorge Frias de Paula, nas Laranjeiras.

O Festival contará com a participação de todos os atletas, com Síndrome de Down (deficiência intelectual) e paralisia cerebral (comprometimento físico), que fazem parte do projeto, coordenado por Margarida Passos, a Margô. Será uma grande confraternização e uma ótima oportunidade para o público conhecer o maravilhoso trabalho realizado no clube.

domingo, 19 de outubro de 2008

Inscrições para o Brasileiro de Vôlei

A Associação Brasileira de Voleibol Paraolímpico (ABVP) abriu as inscrições para o Campeonato Brasileiro Série B-2008, que acontecerá entre os dias 20 e 23 de novembro nas instalações da Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos (Andef), em Niterói-RJ.

Pelo primeiro ano, a ABVP dividiu as equipes em duas divisões, sendo que as oito melhores (Cruz de Malta, Suzano Paraolímpico, Cetefe, Adfego, PPP, ADFP, Andef e ADPG) formam a Série A.

APFA, Assama, Adessovi, Addfps, Cepac e outras equipes que estão surgindo no país vão disputar a Série B de 2008.

Fonte: ABVP

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

DANIEL 'GENTILEZA' DIAS

O supernadador Daniel Dias, classe S5, falou de sua chegada ao Brasil após a conquista das nove medalhas em Pequim. "Fico muito contente com o reconhecimento do público. A Paraolimpíada terminou há mais de um mês e recebo muitas homenagens, inclusive dos torcedores do meu clube do coração: o Corinthians", disse o campeão, numa clínica de próteses no Rio.

Ele gosta do carinho e reconhecimento dos fãs, mas ainda não se familiarizou com os desconhecidos íntimos, como diria o saudoso jornalista Nelson Rodrigues.

"Estou acostumado com os amigos e parentes me chamarem e brincarem comigo. De vez em quando me assusto quando um fã faz isso comigo. Ainda é tudo muito novo, mas eu gosto (e muito) desse carinho", afirmou Daniel Dias, que tirou fotos com mães e seus filhos, mostrando sua habitual simpatia.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

JOGOS DA IGUALDADE

Nesta quinta e na sexta-feira, o Programa Social da Mangueira realiza os IX Jogos Especiais. O evento faz parte do calendário anual da Vila Olímpica e vai reunir mais de 600 profissionais de 30 entidades ligadas às pessoas com deficiência.

A competição começou pequena, contando com a participação de cerca de dez instituições, mas em seu nono ano reúne 1.200 crianças, jovens e adultos que participam de provas de natação, atletismo, vôlei paraolímpico, futebol e habilidades motoras.

Para a cerimônia de abertura, o atleta com deficiência do Projeto Olímpico da Mangueira, o velocista Claudemir Santos, medalha de prata na prova de revezamento em Pequim, será homenageado pelos atletas.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Maratonazinha

A jogadora de tênis de mesa paraolímpico Jane Rodrigues entregou no domingo (12 de outubro), Dia das Crianças, medalhas, bicicletas e outros brindes para os atletas mirins da Maratonazinha da Caixa, realizada em Goiânia (GO). A Secretaria de Esporte participou da organização do evento.

Segundo Jane, a Secretaria, representada por Luiz Orro ontem, fez um grande trabalho de iniciação esportiva com a inclusão de crianças em várias modalidades.

A Maratonazinha é um dos maiores eventos de corrida infantil do país. Na sua primeira edição em Goiânia, ano passado, o evento teve a participação de 1.300 crianças e recebeu um ótimo público.

"Sinto orgulho em participar de um evento tão importante como esse, que serve de incentivo para o despertar de novos talentos. O principal objetivo da Maratonazinha é mostrar o esporte como um grande meio de inclusão social e a Caixa está de parabéns por esta grande iniciativa. Tomara que esta iniciativa sirva de exemplo para as grandes empresas investirem no esporte adaptado e no dito convencional", afirmou Jane.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

As dificuldades rotineiras e a bolsa-atleta

O nadador paraolímpico Daniel Dias elogiou nesta quinta-feira (9) a ampliação do programa Bolsa-Atleta do Ministério do Esporte. O atleta explicou que o auxílio é importante, principalmente, para desportistas com deficiência. Segundo ele, muitos têm dificuldade para conseguir recursos para treinar.

Para o atleta, os empresários e a sociedade devem olhar os desportistas com deficiência de uma forma diferente. “Eu sei de casos de atletas que têm dificuldades de angariar patrocínio. As pessoas precisam começar a ver o desporto paraolímpico como esporte de alto rendimento e não de reabilitação”.



Embora ele não tenha contado com a ajuda do Bolsa-Atleta do Ministério do Esporte, Daniel reconheceu que, graças ao programa, muitos atletas podem começar a competir. “O que está faltando é a ajuda para o início da carreira, pois depois que você consegue os resultados fica mais fácil conseguir um patrocínio”, disse.



No início da carreira, o atleta contou com a ajuda do pai para praticar o esporte. “Graças a Deus meu pai pagava minhas viagens para competir”. Com os resultados obtidos, ele conseguiu dois patrocínios para competir nos Jogos Paraolímpicos de Pequim 2008 e voltou para casa com nove medalhas no peito, quatro delas de ouro.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Meia maratona

Os atletas cadeirantes abrirão a Meia Maratona do Rio, no próximo domingo, dia 12 de outubro, às 8h, em São Conrado. Os desportistas elite especial C e com deficiência largam às 9h15. Participarão maratonistas com deficiência visual, física (andantes e amputados) e intelectual. Surdos também correrão.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Vela adaptada

No dia 12 de outubro, a Baía de Guanabara será o palco do maior evento náutico da América Latina: a 63ª Regata Escola Naval. A competição comemora os 200 anos da chegada da Escola Naval ao Brasil. A novidade este ano será a participação de atletas com deficiência física. O grupo será liderado pelo velejador Darke.


A regata é aberta ao público e reconhecida como uma grande confraternização entre desportistas experientes e os chamados ‘marinheiros de primeira viagem’. O evento reúne alguns dos grandes nomes desse esporte no Brasil, como a medalhista de bronze em Pequim, Isabel Swan, além de competidores de diferentes nacionalidades.

domingo, 5 de outubro de 2008

Basquete feminino




As inscrições estão abertas para o IV Campeonato Brasileiro Feminino de Basquetebol em Cadeira de Rodas, entre os dias 15 e 19 de outubro, na cidade de São Paulo. O período para confirmação das equipes vai até o dia 7 de outubro (terça-feira).

A competição é organizada pelo Clube dos Paraplégicos de São Paulo (CPSP) em parceria com a CBBC. De acordo com o presidente do CPSP, João Bentim, o evento vai comemorar os 50 anos de existência do clube, fundado em 28 de julho de 1958 por Sérgio Del Grande.

Foto e colaboração de Gustavo Carvalho

Fonte: CBBC

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Clínica de rugby

A Faculdade de Educação Física (FEF) da Unicamp-SP realizará uma clínica de classificação funcional e arbitragem de Rugby em Cadeira de Rodas no dia 8 de novembro. Para outras informações, ligue para (19) 3251-6625 e fale com a professora Carolina de Oliveira Gonçalves.

FOTO ORIGINAL




Essa foto acima do Andre Brasil é muito bem feita. Qual o nome do fotógrafo da CAIXA? Merece registro.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Propostas de acessibilidade para o município do Rio

O blog Mão na Roda, do site do Globo, teve uma grande idéia e publicou as propostas dos candidatos a prefeito do Rio para o tema da acessibilidade. Apenas dois responderam: Eduardo Paes (PMDB) e Solange Amaral (DEM). Parabéns à iniciativa de Eduardo Câmara, Bianca Marotta, Gabriella Savine, Cris Costa e Nickolas Marcon.

Cris Costa - Blog Mão na Roda 1/10

Já que estamos em época de eleição, resolvi enviar um e-mail aos candidatos a prefeitura do Rio de Janeiro para me informar sobre as propostas que cada um tem direcionado a pessoas com deficiência. Qual não foi minha surpresa ao receber resposta de apenas dois candidatos. Uma pena!

Achava que era do interesse dos candidatos informar os eleitores sobre suas propostas. Mas, enfim, seguem as respostas que obtivemos de Eduardo Paes e Solange Amaral.

- Eduardo Paes:

Cristiana,
Na área de acesso ao mercado de trabalho, vamos estabelecer parcerias com os governos estadual e federal visando dar incentivos fiscais e tributários às empresas que empregarem o deficiente. Ainda na área de geração de emprego e renda, vamos estabelecer com a Uerj cursos específicos de qualificação profissional para as pessoas com deficiência.

Dos 10 mil ônibus que circulam pelo Rio de Janeiro hoje, apenas 50, ou seja 0,5%, são adaptados para os deficientes. Em relação aos trens, das 89 estações da Supervia apenas 10 têm rampas de acesso e só três possuem escadas rolantes. O metrô não fica atrás: 11 estações, das 31 existentes, contam com elevador, piso diferenciado e rampas.

Vai acabar o tempo em que as pessoas não saíam de casa porque a locomoção era um martírio. A partir de janeiro, toda a renovação de frota de ônibus, para ser autorizada pela Prefeitura, vai obrigar que as empresas façam o trabalho de acessibilidade. Também vamos fazer uma reforma urbana, facilitando o acesso às praças. Pelo menos 20% das áreas de lazer dessa cidade vão ter equipamentos especiais para a pessoa com deficiência.

As vilas olímpicas que vamos fazer por essa cidade, os clubes dos subúrbios, hoje abandonados, vão ser todos equipados para que as pessoas com deficiência possam ter atividades esportivas espalhadas pela cidade, o que evita o deslocamento. Também vamos construir cinco centros de reabilitação para os deficientes: dois na Zona Oeste (Santa Cruz e Realengo), um em Jacarepaguá e dois na Leopoldina (Irajá e Ramos). Acabou a era da segregação, do preconceito, de uma cidade que não está aberta e é hostil às pessoas com deficiência. Um grande abraço.


- Solange Amaral:


Olá Cristiana,

Agradeço o contato! Veja abaixo meus compromissos para os portadores de deficiências. Aproveito para lhe convidar a conhecer meu programa de governo em meu site (www.solangeamaral.com.br).

Portadores de Deficiências – Rio acessível

Acessibilidade estará na ordem do dia durante a gestão de Solange. Experiências como a da Rua Rodolfo Dantas, em Copacabana, serão estendidas para outros pontos da nossa cidade, facilitando a vida de portadores de necessidades especiais. O Rio de Janeiro tem que ser para todos e Solange vai promover a inclusão social.

· Reforçar e ampliar todas as ações necessárias à inclusão das pessoas portadoras de deficiência.
· Expandir os programas de acesso ao emprego para portadores de deficiências.
· Criar mais 3 Centros Integrados de Atenção a Pessoa com Deficiência (Ciads) em diferentes áreas da cidade.
· Ampliar o uso de rampas e de elementos de acessibilidade em locais e prédios públicos.
· Promover a ampliação das unidades de Casa Dia, que promove o tratamento de dependentes químicos e alcoólatras.
· Adaptar brinquedos em praças para crianças com deficiência.
· Ampliar o número de esteiras de acesso ao mar para deficientes.
· Apoiar instituições que atuam na defesa do deficiente.

Abraço,
Solange

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

LULA PRESTA HOMENAGEM AOS MEDALHISTAS

O presidente Luís Inácio Lula da Silva homenageou nesta quarta-feira os atletas medalhistas paraolímpicos em um encontro no Palácio do Planalto. De acordo com Lula, representar o país numa olimpíada ou paraolimpíada é motivo de orgulho para todos.

O porta-voz dos medalhistas paraolímpicos foi o judoca tetracampeão Antônio Tenório. Ele ficou emocionado ao falar em nome do grupo.

“É muito bom ter esse reconhecimento e receber essa homenagem, pois o Brasil paraolímpico teve sua melhor participação. Conquistamos nosso espaço entre as grandes potências mundiais. Agora, o pensamento é Londres", afirmou o maior campeão paraolímpico brasileiro de todos os tempos.

O Presidente da República afirmou estar otimista com o futuro do esporte no país. “Ainda faltam dois anos e meio de governo. As condições dos atletas podem e irão melhorar muito. Nós podemos fazer muito mais", afirmou.

Os atletas paraolímpicos fizeram em Pequim a melhor campanha brasileira na história dos Jogos. O país terminou em 9º lugar no quadro de medalhas, com 16 de ouro, 14 de prata e 17 de bronze. Em 2004, após a conquista de 14 medalhas de ouro, 12 de prata e 7 de bronze em Atenas, os medalhistas também foram convidados para participar de um encontro no Palácio do Planalto.

terça-feira, 30 de setembro de 2008

LULA RECEBE MEDALHISTAS

O presidente Luís Inácio Lula da Silva receberá nesta quarta-feira, às 11h30, no Palácio do Planalto, os medalhistas paraolímpicos. Os atletas fizeram em Pequim a melhor campanha brasileira na história dos Jogos. O país terminou em 9º lugar no quadro de medalhas, com 16 de ouro, 14 de prata e 17 de bronze.
Presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro, Vital Severino Neto está gratificado pela homenagem.

“Esse encontro é muito bom para o esporte paraolímpico expressar o resultado de todo o trabalho desenvolvido nesses anos. Nesse momento os atletas sentem orgulho de serem recebidos pela autoridade máxima do país”, explica.

Entre os homenageados está o nadador Daniel Dias, que conquistou nove medalhas nos Jogos. “Estou feliz de saber que o presidente nos valoriza e que a partir de agora a sociedade pode se orgulhar dos atletas. Para nós será muito bom. Espero que tenhamos cada vez mais reconhecimento”, afirmou.
Lucas Prado estará no evento. O velocista cego conquistou três medalhas de ouro e dois recordes mundiais na competição. Os atletas do remo adaptável, bocha e tênis de mesa que trouxeram medalhas inéditas para o país também estarão presentes.
Esta não é a primeira vez que os atletas paraolímpicos são recebidos pelo Presidente da República. Em 2004, após a conquista de 14 medalhas de ouro, 12 de prata e 7 de bronze em Atenas, os atletas foram convidados para participar de um encontro no Palácio do Planalto.

Relação dos atletas que estarão no evento

Ádria Rocha Santos - Atletismo

Adriano Gomes de Lima - Natação
Alan Fonteles Cardoso de Oliveira - Atletismo
André Brasil Esteves - Natação
Andreonni Fabrizius Farias do Rego - Futebol de 5
Antônio Tenório da Silva - Judô
Claudemir do Nascimento Santos - Atletismo
Clodoaldo Francisco da Silva - Natação
Damião Robson de Souza Ramos - Futebol de 5
Daniel de Faria Dias - Natação
Daniele Bernardes da Silva - Judô
Deanne Silva de Almeida - Judô
Dirceu José Pinto - Bocha
Edênia Nogueira Garcia - Natação
Eliseu dos Santos - Bocha
Elton da Conceição Santana - Remo
Fabiana Harumi Sugimori - Natação
Francisco de Assis Avelino - Natação
Ivanildo Alves de Vasconcelos - Natação
Jefferson Gonçalves - Futebol de 5
Jerusa Geber dos Santos - Atletismo
João Batista da Silva - Futebol de 5
Joon Sok Seo - Natação
Jorge Luiz Silva de Souza - Atletismo – atleta-guia
Josiane Dias de Lima - Remo
Justino Barbosa dos Santos - Atletismo – atleta-guia
Karla Ferreira Cardoso - Judô
Lucas Prado - Atletismo
Luis Antônio Correa da Silva - Natação
Luiz Algacir Vergílio da Silva - Tênis de Mesa
Luiz Henrique Barbosa da Silva - Atletismo – atleta-guia
Luiz Rafael Krub - Atletismo – atleta-guia
Marcos Fernandes Alves - Hipismo
Marcos José Alves Felipe - Futebol de 5
Michelle Aparecida Ferreira - Judô
Mizael Conrado de Oliveira - Futebol de 5
Odair Ferreira dos Santos - Atletismo
Phelipe Andrews Melo Rodrigues - Natação
Ricardo Steinmetz Alves - Futebol de 5
Sandro Laina Soares - Futebol de 5
Severino Gabriel da Silva - Futebol de 5
Shirlene Santos Coelho - Atletismo
Terezinha Aparecida Guilhermina - Atletismo
Tito Alves de Sena - Atletismo

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

A determinação move montanhas

A Adeacamp perdeu os dois jogos da seletiva de rugby em cadeira de rodas, realizada no Rio, mas mostrou ter uma equipe guerreira. O time saiu de Campinas, interior de São Paulo, às 0h de sábado e chegou às 8h. Exaustos da cansativa viagem de kombi, seus atletas ainda passaram pela avaliação funcional durante toda a manhã. Mas valeu a pena. A Adeacamp mostrou espírito esportivo e ainda revelou alguns bons valores para a modalidade, como o veloz Alexandre Taniguchi, classe 2.5 (uma das mais baixas).

Os treinadores Luís Gustavo e Luís Felipe de Campos falaram sobre a importância desse trabalho. “O esporte é ótimo para pessoas com deficiência, pois trabalha a força dos braços e essa atividade em tetraplégicos é fundamental. Além disso, a freqüência respiratória tem uma melhoria significativa”, disse Luís Gustavo, estudante da Unicamp.

Já Luís Felipe ressaltou a criação de um clube da modalidade em uma das principais universidades do país. “Somos voluntários e esse bom trabalho começou há apenas dois meses graças aos esforços do Professor da Unicamp José Irineu Gorla”, afirmou.

Alexandre Taniguchi ainda lembrou que o Professor Gorla introduziu o handebol para cadeirantes na Unicamp.

domingo, 28 de setembro de 2008

Urece não enxerga obstáculos

No dia 21, a Urece conquistou a segunda etapa do Campeonato Estadual de Futebol de Cinco (para atletas cegos), realizado na cidade de Volta Redonda. Os Tigres de Bengala, como são conhecidos os jogadores da Urece, também conquistaram o troféu na primeira etapa, em julho, no Rio de Janeiro. Dessa forma, a Urece está muito perto de se sagrar a campeã estadual de 2008. Basta alcançar o quarto lugar na última etapa, a ser realizada em Campos, no início de novembro. Nesse torneio, a Urece contou com a ilustre participação da professora alemã de futebol para Cegos, Julia Hallanzy, chamadora da equipe.

Homenagem mais do que merecida

O radialista Sérgio Moraes recebeu uma justa e atrasada homenagem da diretoria do América. Um dos vestiários do Estádio Édson Passos recebeu o seu nome. O filho do grande narrador Sérgio Moraes, o repórter da Rádio Tupi Sérgio Américo, o presidente do clube, Reginaldo Matias, os eternos craques americanos Edu Coimbra e Alex, o apresentador do EsporTVisão (TV Brasil), Sérgio du Bocage, o presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro, Rubens Lopes, o jornalista Alex Escobar (SporTV) e os ilustres torcedores Tia Ruth e Jorge Sangue estavam presentes. O placar eletrônico do estádio também foi inaugurado.

Seletiva de rugby em cadeira de rodas

A ONG Gerreiros da Inclusão conquistou neste sábado o título da seletiva de rugby para cadeirantes, realizada na quadra do Colégio Antônio Prado Júnior, na Tijuca, Zona Norte do Rio. O técnico André Veloso, da Guerreiros, foi escolhido para comandar a seleção brasileira no Torneio da Colômbia.

A Guerreiros venceu o Rio Quad Rugby Club por 24 a 18 e a Adecamp por 19 a 13. No outro jogo, o Rio Quad triunfou sobre a Adecamp por 31 a 19.

Os jogadores de Fut-7 Wânderson e Mito, a fisioterapeuta da seleção de Futebol para paralisados cerebrais Márcia Fernandes, a ex-assessora de Comunicação do Comitê Paraolímpico Brasileiro Luciana Pereira e a nutricionista Flávia Figueiredo, única especializada em desporto adaptado no país, estavam presentes.

sábado, 27 de setembro de 2008

A FESTA NÃO ACABOU!




No dia 22 de setembro, a equipe do canal SporTV comemorou numa churrascaria da Zona Sul do Rio o sucesso da cobertura dos Jogos Paraolímpicos.

Foto de Guito Moreto/ Divulgação SporTV

Ex-goleiro do Flu em campanha pela acessibilidade

Fabrício Costa

Fonte: Globoesporte.com

Querido no Fluminense pela conquista do tricampeonato carioca (83/84/85) e do Brasileiro (84), o ex-goleiro Paulo Vitor esteve nesta quinta-feira nas Laranjeiras para testar sua popularidade nos dias de hoje. Não só foi motivo de boas lembranças por antigos funcionários do clube, como percebeu que da década de 80 para cá poderia levantar outras bandeira que não fosse a tricolor. E foi exatamente isso que ele fez ao aderir à campanha da Acessibilidade.

- Sou embaixador deste projeto que pretende diminuir a discriminação dos deficientes físicos. Acho que os clubes são os lugares certos para iniciarmos essa inclusão social. Fluminense, Santos, Botafogo, Grêmio, Corinthians, São Paulo, Inter e Cruzeiro já aderiram à causa - conta o comentarista do SporTV, que atualmente reside em Goiás.

Aos 51 anos, Paulo Vitor tem como missão divulgar o principal projeto beneficente do governo federal. Antes que alguém ache que o ex-jogador está pedindo verba aos clubes, ele se defende.

- Não peço dinheiro a ninguém. O que desejo é que os jogadores entrem em campo com a camisa da Acessibilidade para divulgar essa campanha. Já consegui a adesão de grandes ídolos também, como o Zico, Jairzinho e Roberto Dinamite - explica.

Paulo Vitor é sempre lembrado pela torcida do Fluminense como o goleiro que menos gols levou na história do clube - durante uma edição de Campeonato Brasileiro. Em 1985, ele sofreu 12 gols em 24 jogos, uma média de 0,52 por partida.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Passeata




Para celebrar o Dia Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência, a ONG Espaço Novo Ser promoveu no domingo passado (21 de setembro), na orla de Copacabana, a passeata Superação Rio 2008. Os nadadores do Fluminense Felipe de Oliveira, de 30 anos, e Gustavo Aratanha (20) participaram da caminhada a convite da ONG.

Felipe e Gustavo estão no Projeto de Natação Adaptada do Fluminense, coordenado pelo professor Felipe Desterro.

Os atletas com Síndrome de Down não competem nos Jogos Paraolímpicos desde Barcelona-92. Confederações, associações e federações lutam pela volta dos desportistas com Down às paraolimpíadas.

FOTO DIVULGAÇÃO FFC

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Rugby

Neste sábado (dia 27), a partir das 15h, três equipes participam da seletiva de rugby em cadeira de rodas. Os atletas do Rio Quad, Guerreiros da Inclusão e Adecamp se enfrentam na quadra do Colégio Antônio Prado Júnior, na Tijuca.

Agenda de campeão

O grande campeão Andre Brasil, quatro medalhas de ouro e uma prata na modalidade natação (classe S10) em Pequim, está com a agenda cheia. Após participar dos programas Jornal Visual e Stadium, o atleta deve visitar a Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (ABBR), no Rio, na próxima semana.

sábado, 20 de setembro de 2008

Promessas para Londres-2012

O Brasil teve seu melhor desempenho em paraolimpíadas. Lucas Prado e Terezinha, grandes nomes do atletismo, foram fundamentais nessa vitoriosa trajetória em Pequim. Ele conquistou três ouros. Ela venceu nos 200m T11. A dupla brilhou em Pequim e poderá disputar, pelo menos, mais uma edição dos Jogos. Porém, o país possui outros desportistas para edições futuras dos Jogos? A resposta é sim.

A nova geração de velocistas com cegueira total ou baixa visão possui exemplos de vencedores. Um deles é Liwisgton da Silva Costa, de apenas 18 anos. Ele já foi campeão mundial de jovens em duas provas. Triunfou nos 75m (competição específica para atletas de 15 anos), em 2005, e repetiu o feito, no ano passado, nos 100m. Além disso, foi um dos destaques da Olimpíada da Língua Portuguesa, realizada esse ano no Rio de Janeiro.

Com um currículo invejável em tão pouco tempo, Liwisgton pode ser considerado uma promessa.

- Estou treinando muito para participar da Paraolimpíada de Londres - disse o campeão, suplente na delegação que brilhou na China.

Atleta da Urece (ONG para deficientes visuais), Liwisgton elogiou Lucas Prado. "Ele é um fenômeno."

O jovem valor do atletismo citou outros grandes nomes, como Priscila Evangelista, Juliano e Indayana (integrante da delegação em Pequim).

No atletismo, o Brasil brilhou. No entanto, no Futebol de Sete (para atletas com seqüelas de paralisia cerebral), apesar do trabalho sério de sua comissão técnica, a seleção não conquistou medalha. Mesmo assim, existe esperança. Mateus, de 17 anos, lidera uma geração com personalidade.

- Treino muito para vestir a camisa da seleção (ela já foi convocado uma vez) e ainda estudo – disse Mateus, que fará vestibular para Engenharia.

Desempenho fantástico

O Brasil parece ser mesmo uma potência do esporte paraolímpico. O país superou em número de medalhas de ouro Espanha (15 ouros), Alemanha n(14) e França (12). A Argentina conquistou seis medalhas (uma de prata e cinco de bronze).

No quadro de medalhas, o Brasil perdeu apenas para China, 211 medalhas no total, Grã-Bretanha (102, sendo 42 ouros), Estados Unidos (99), Ucrânia (74 no total e 24 douradas), Austrália (79 no total e 23 de ouro), África do Sul (30), Canadá (50 no total e 19 ouros) e Rússia (63, sendo 18 ouros).

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

O Brasil mostra a sua 'cara' em Pequim

JORNAL LANCE - PAULO VITOR FERREIRA

Os Jogos Paraolímpicos de Pequim deixaram saudade. A delegação brasileira conseguiu o seu maior desempenho na história. O país terminou a competição na nona colocação, com 47 medalhas no total, sendo 16 de ouro, 14 de prata e 17 de bronze. Em Atenas,os brasileiros conquistaram 33 medalhas, 14 de ouro, 12 de prata e sete de bronze.

O Futebol de Cinco (dedicado a atletas deficientes visuais) conquistou o bicampeonato paraolímpico e o Remo Adaptável foi medalha de bronze com a dupla Elton Santana/Josiene Lima, no skiff duplo misto (somente movimentos de braço e tronco). As duas modalidades foram fundamentais para o excelente desempenho do Brasil na Paraolimpíada de 2008.

Ânderson Dias, integrante da seleção de Fut-5 em Atenas-2004 e praticante de remo adaptável, comemorou o desempenho de todos em Pequim.

- A Seleção de Futebol de Cinco foi brilhante ao conquistar o segundo título na modalidade. A equipe tinha peças de reposição e grandes jogadores como Ricardinho, João, Mizael, Damião, Fábio (o goleiro titular) e Bill. Já nossos atletas do remo mostraram a sua força - disse Ânderson, que, apesar dos triunfos, fez um alerta.

- O Brasil foi bicampeão, mas o Fut-5 precisa de um investimento maior. A China apareceu há pouco tempo e já transformou-se em um adversário perigoso. No remo adaptável, nossa torcida é para que o país consiga alavancar a modalidade – afirmou Dias.

O atleta pediu apenas um pouco mais de atenção com esses esportes. De acordo com ele, a natação e o atletismo têm um espaço maior do que os outros.
- Temos grandes atletas nessas duas modalidades, que garantiram muitas medalhas para o país e merecem os parabéns. Porém, temos grandes nomes em outras modalidades – verbalizou Ânderson, que também pratica goalball e salto em distância.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Supercampeão da alegria!

JORNAL LANCE! - PAULO VITOR

Daniel Dias. Ao lado do judoca Antônio Tenório, do velocista Lucas Prado e dos nadadores Andre Brasil e Verônica Almeida, esse é o grande nome do Brasil nos Jogos Paraolímpicos de Pequim. Com má formação congênita nos braços e na perna direita, o grande campeão das classes S5, SB-4 (peito) e SM-5 (medley) mostrou sua competência no famoso Cubo D'água. Ele conquistou nove medalhas, sendo quatro de ouro, quatro de prata e uma de bronze. Daniel, de apenas 20 anos, é um recordista nas piscinas e na vida.

No Mundial de Natação, em 2006, conquistou a medalha de ouro nos 200m medley e 100m livre e a prata nos 50m borboleta e 50m costas. No revezamento 4x50m medley, também conseguiu o ouro, com recorde mundial.

O atleta foi o recordista de medalhas no Parapan do Rio-2007 ao conquistar oito ouros. Ele e a remadora Cláudia dos Santos (campeã mundial no skiff simples no ano passado) receberam o prêmio 'Brasil Olímpico', no Teatro Municipal, na tradicional Cinelândia, Centro do Rio. Daniel também foi indicado com muita justiça ao Oscar do Esporte na categoria atleta com deficiência. Não ganhou, mas ficou entre os cinco melhores do mundo.

Medalha de ouro em Atlanta-1996 nos 50m borboleta classe S7, José Afonso Medeiros, o Caco, rasgou elogios ao jovem talento brasileiro. "Ele merece tudo isso. Sua atitude perante os outros é linda. Daniel está sempre de bom humor, sorri muito. A alegria dele é contagiante", disse Caco.

José Afonso lembrou da importância do trabalho de Marcos Rojo, o técnico de Danizinho, como é chamado pelos amigos. "Marcos deveria fazer parte da comissão técnica. Ele e Daniel formam uma dupla imbatível", afirmou.

Daniel Dias é um exemplo para os arrogantes de plantão. Ele conquistou a China com medalhas, recordes e, principalmente, alegria.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Velozes, furiosos e escassos

JORNAL LANCE - PAULO VITOR

Medalha de bronze em Seul-1988 nos 100m rasos para velocistas em cadeira de rodas. Este é Iranílson Silva, o Tita, de 46 anos. Após participar de quatro Jogos Paraolímpicos, o ex-atleta, que tem seqüelas de poliomielite, resolveu trabalhar no ramo de acessórios tecnológicos. Tita analisou a falta de renovação entre os cadeirantes brasileiros. Na Paraolimpíada de Pequim, o Brasil tem como representante único dessa classe nas pistas Ariosvaldo Silva (T53).

Segundo Tita, ou Titã (para alguns amigos), o atletismo para cadeirantes é um esporte caro. Um equipamento de ponta custa de R$ 20 a R$ 25 mil.

- Um par de rodas custa de R$ 5mil a R$ 6 mil. As rodas de primeira categoria são feitas de fibra de carbono. Além disso, a maioria das cadeiras tem um material usado na construção de aviões: o titânio – explica Iranílson.

Desta forma, fica difícil um cadeirante competir. O custo é muito alto e, de acordo com Tita, a locomoção até o local de treinamento é dificultada pela falta de acessibilidade nas cidades brasileiras, inclusive nos grandes centros urbanos, e nos transportes. O campeão também apontou outro motivo para a falta de brasileiros nas pistas.

- Como falta dinheiro, os atletas preferem as competições de rua porque existem bons prêmios que ajudam na manutenção do equipamento e na continuação dos treinos. Todos estão deixando de lado as pistas – disse Tita, com uma tristeza indisfarçável na fala.

Em um esforço de preservar a história de um dos símbolos do desporto paraolímpico, o atletismo de cadeirantes, ele lembrou de grandes nomes do passado: Carlos Alberto, Sandra Perez e outros. Tita insistiu no tema da renovação.

- Precisamos de novos valores. O atletismo de cadeirantes sempre foi o carro-chefe dos Jogos Paraolímpicos – afirmou.

NOTÍCIAS PARAOLÍMPICAS NO CANAL SPORTV!




A foto acima é o registro de uma das vitórias do site NOTÍCIAS PARAOLÍMPICAS. O jornalista Paulo Vitor Ferreira (terceiro sentado da esquerda para a direita) aparece ao lado dos ex-atletas paraolímpicos Luiz Cláudio Pereira (arremesso de peso e lançamento de dardo e disco) e Robertão (basquete em cadeira de rodas). O apresentador do Momento Paraolímpico, Marcelo Barreto, e o comentarista Leonardo Mataruna estão em pé. MAIS UMA MEDALHA PARA UM JORNALISTA BATALHADOR!

domingo, 14 de setembro de 2008

NOTÍCIAS PARAOLÍMPICAS NA TV!

O jornalista Paulo Vitor Ferreira, do site Notícias Paraolímpicas, participou neste domingo do programa EsporTVisão pela segunda vez. Paulo Vitor comenta sobre os Jogos Paraolímpicos em boletins diários na TV Brasil, às 18h e 0h10m, e no Stadium. O repórter também foi um dos convidados do Momento Paraolímpico, no canal SporTV. Além disso, é colunista do Lance!

Andre Brasil: o atleta imprescindível




Jornal Lance - Paulo Vitor


Medalha de ouro e recordista mundial nos 100m borboleta nos Jogos de Pequim. Conquistas e outras marcas no Parapan do Rio-2007, no Aberto da Alemanha, onde recebeu ursinhos de pelúcia como prêmios, e no Eurowaves, em Chomutov, na República Tcheca. A carreira de André Brasil, nadador da classe S10, é brilhante. Esses resultados aconteceram graças a muita dedicação. Ele treinou sete horas por dia no Clube Pinheiros, em São Paulo, durante a preparação para a Paraolimpíada, e participou de competições com atletas sem deficiência. Mas as lágrimas também fizeram parte de sua trajetória.

Clodoaldo passou por um drama ao ser reclassificado para S5. André ficou receoso após ver o que aconteceu com o amigo. Ele deve ter lembrado de um fato triste em sua vida. Em 2005, durante os Jogos da Paz, realizados no Rio, os classificadores resolveram torná-lo inelegível, ou seja, não poderia disputar provas de natação paraolímpica. Com uma pequena seqüela de poliomielite na perna esquerda, Andre sofreu com a decisão do Comitê Paraolímpico Internacional.

Ele ganhou peso e deixou a barba crescer. Foram sete meses de angústia. A fisioterapeuta Ana Carolina Assumpção, namorada do atleta, contou sobre esses dias.

- Andre ficou abalado psicologicamente -, disse Ana Carolina.

No entanto, o Comitê Paraolímpico Brasileiro recorreu e, graças ao trabalho das classificadoras Adriana Diedrich e Jacqueline Pennafort, que estudaram o caso de Andre, o nadador voltou a competir na África do Sul, em 2006. Nunca mais parou.

Andre Brasil demonstrou, com a sua luta, que é possível vencer as batalhas diárias da vida. O atleta pode se encaixar perfeitamente como exemplo para a frase do poeta Mário Quintana: "Deficiente é aquele que não consegue mudar sua vida".

Foto Divulgação/CPB

Na foto, Andre Brasil e a revelação Phelipe Rodrigues (ouro e prata, respectivamente, nos 50m e 100m livre)

sábado, 13 de setembro de 2008

O doping da cordinha em Pequim

Jornal Lance - Paulo Vitor

O atleta da classe T13 (baixa visão) Luciano Alves, de 23 anos, deu uma entrevista polêmica à coluna 'Espírito Paraolímpico'. Com a experiência de quem já foi campeão brasileiro de salto em distância e recordista do salto triplo, além de ser o atual segundo colocado do ranking nacional no pentatlo moderno, ele disse que a arbitragem no Ninho do Pássaro está sendo conivente com as violações à regra.


Segundo Luciano, que tem catarata congênita, o chamado 'doping da cordinha' vem acontecendo de maneira exagerada em Pequim. Para ele, por exemplo, a chinesa Chunmiao Wu superou Terezinha Guilhermina e Ádria Santos nos 100m T11 (cegueira total) por causa de uma 'mãozinha' de seu guia.

Luciano chegou a ironizar a cerimônia de entrega das medalhas dessa prova.

- A chinesa entregou a medalha ao guia. Parecia até que foi uma maneira de homenagear quem realmente conquistou o ouro. Os árbitros na China parecem não enxergar esse tipo de violação da regra – disse Luciano.

Ele chegou a comparar a arbitragem dos Jogos com a do Brasil.

- Em outras paraolimpíadas, a fiscalização era maior. Tudo isso estaria acontecendo para beneficiar a China? No Brasil, estamos mais atentos a esses tipos de infração – verbalizou.


Luciano comentou sobre as obrigações do guia: orientar e ficar ao lado ou atrás do atleta.

Outro fato o incomodou. Alguns guias estariam sem condições físicas para o acompanhamento dos atletas durante as provas. Ele lembrou o caso do angolano Jose Armando Sayovo, medalha de prata nos 100m T 11.

- O guia o atrapalhou. Isso ficou nítido. A Angola não tem tradição no atletismo olímpico. Por isso, Sayovo não encontrou alguém a sua altura para acompanhá-lo na prova – afirmou Luciano.

Pelo jeito, existe algo além do céu e da terra no desporto paraolímpico.

Foto de Pedro Rezende/CPB

MULHERES DE OURO



Foto Divulgação/CPB

Terezinha Guilhermina conquistou o bronze nos 400m T12. Ela foi uma guerreira porque competiu com atletas com baixa visão. Terezinha tem cegueira total e é da classe T11. Corre acompanhada de um guia, o popular Chocolate. Já Verônica Almeida mostrou seu valor na S7 ao chegar em terceiro lugar nos 50m borboleta. As mulheres transformam a Paraolimpíada em um sonho de todas as cores. Citando Álvares de Azevedo, 'minha musa é a lembrança dos sonhos em que vivi'.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Lucas Prado brilha em Pequim

Lucas Prado consegue seu segundo ouro na Paraolimpíada nos 200m rasos T11 (cegueira total), com recorde mundial (22s48). Daniel Silva ficou em quarto lugar na final A.

BOCHA!!!


Foto do CPB/Divulgação

Jornal Lance

Paulo Vitor Ferreira

O Brasil é o país da bocha. Atletas da classe BC-4, Eliseu Santos e Dirceu Pinto conseguiram juntos três medalhas (duas na disputa individual e uma nas duplas) em Pequim. A dupla teve um desempenho fantástico numa modalidade com uma grande qualidade: a inclusão social de pessoas com deficiências severas (paralisia cerebral em grau elevado e outras).

Luiz Alberto de Castro é um dos praticantes desse esporte. Após mergulhar numa piscina e bater com a cabeça no fundo, Luiz fraturou três vértebras e ficou tetraplégico. Ele tornou-se dependente dos esforços de seu pai, também de nome Luiz Alberto. Mas sua vida começou a mudar quando estava em um tratamento no Hospital Sarah Kubitschek, em Belo Horizonte. Luiz conheceu o escritor Nardélio Fernandes.

- Ele me incentivou a praticar um esporte e a bocha parecia ser uma boa escolha. Na oportunidade, eu não fazia nada. Minha vida estava
limitada – disse.

Luiz Alberto procurou a Andef (Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos). Lá, ouviu os conselhos de seus dois mestres: os atletas Antônio Carlos e Marcelo Monteiro.



- Eles me mostraram que eu poderia ser independente – afirmou.

Em dezembro do ano passado, Luiz participou de um torneio na Andef, e foi convidado para jogar bocha pelo Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Em março de 2008, participou do Regional Leste como atleta da classe BC-4 (atletas sem paralisia cerebral) e foi vice-campeão, perdendo a decisão para o amigo Antônio Carlos. Porém, a medalha de prata foi uma recompensa.

- Pratico bocha e rugby em cadeira de rodas. Esses esportes são ferramentas importantes na minha qualidade de vida – disse Luiz Alberto, esperançoso de que outras pessoas com deficiência procurem a bocha e seus benefícios.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Modalidades paraolímpicas

Nem todos os esportes para pessoas com deficiência são paraolímpicos. Existem 20 modalidades nos Jogos Paraolímpicos de Verão, que estão sendo realizados em Pequim, na China, até o dia 17 deste mês. A lista é essa: ciclismo, futebol de sete (para atletas com seqüelas de paralisia cerebral), halterofilismo, tiro, vôlei sentado, rugby em cadeira de rodas, atletismo, hipismo, goalball, remo, natação, basquete de cadeirantes, tênis em cadeira de rodas, bocha, futebol de cinco (para deficientes visuais), judô, tênis de mesa, arco-e-flecha, esgrima em cadeira de rodas e vela.

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

O NOSSO GRANDE SILVA!



Foto do CPB/Divulgação

Texto retirado da coluna Espírito Paraolímpico, do jornal Lance

Paulo Vitor Ferreira

Antônio Tenório teve de enfrentar grandes adversários até a conquista do quarto título paraolímpico consecutivo (96-00-04-08) ao vencer Karin Zadarov, do Azerbaijão, na decisão da categoria até 100 kg. O primeiro deles foi na final da seletiva em São Paulo, realizada em 2008. O tetracampeão enfrentou Elmo Mamede e classificou-se para os Jogos de Pequim. Aliás, os dois treinam juntos. Mamede não foi para a China por detalhes, pois existia apenas uma vaga e porque competir com um monstro sagrado complicou a missão. Tenório chegou a levar um yuko de Mamede, mas conseguiu um ippon no final da luta.

Mamede tem 47 anos, foi atleta de boxe e começou no judô em 2001. Sem visão periférica no olho esquerdo e deslocamento de retina no direito, foi quatro vezes campeão brasileiro, conquistou medalhas em campeonatos para atletas sem deficiência e estava, em 2005, na equipe vice-campeã mundial para judocas com deficiência visual, em São Paulo.

- Já treinei muitas vezes com Tenório no Rio de Janeiro e em São Paulo. Ele é um mestre, um instrutor muito bom, - disse o atleta.

Para tentar mostrar de que maneira Tenório derruba seus adversários no tatame, o judoca explicou como é o estilo do tetracampeão paraolímpico.

- Ele tem muita noção de espaço e tempo. Prepara o golpe e espera você entrar na posição que ele deseja. A partir daí, pode ter certeza de que vai derrubá-lo. Ele é daqueles lutadores com um estilo quase
imbatível - afirmou.

Praticante de tiro, Mamede até brincou em certos momentos da entrevista.

- Agora, posso explicar porque não fui para Pequim. Perdi para o melhor do mundo. E Tenório merece, pois é uma pessoa tranqüila e inteligente.

Antônio Tenório é um exemplo para 24,5 milhões de brasileiros com deficiência.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

TV BRASIL E LANCE! NA COBERTURA DOS JOGOS



O comentarista Paulo Vitor Ferreira está feliz da vida ao lado das apresentadoras e beldades paraolímpicas Letícia Sarandy (esquerda) e Luciana Baptista (direita)

A TV BRASIL ESTÁ FAZENDO UMA BELA COBERTURA DOS JOGOS PARAOLÍMPICOS. ASSISTA AOS BOLETINS DIÁRIOS, ÀS 18H E 00H10, E AO ESPORTVISÃO, DOMINGO, DE 21H ÀS 22H30. ALÉM DISSO, LEIA A COLUNA 'ESPÍRITO PARAOLÍMPICO', NO DIÁRIO LANCE!

BOCHA!

O Brasil estreou na bocha em Jogos Paraolímpicos de maneira brilhante. Dirceu Pinto venceu Yuk Wing Leung por 3 a 1 e conquistou a medalha de ouro na categoria BC-4. Derrotado pelo compatriota na semifinal, Eliseu Santos completou o pódio ao triunfar sobre o espanhol Jose Maria Dueso por 7 a 1.

O CEGO MAIS RÁPIDO DO MUNDO!

No atletismo, o destaque do dia foi Lucas Prado. Ele venceu os 100m rasos (classe T11) com o tempo de 11s03, batendo o seu próprio recorde mundial, que era de 11s19. Na mesma prova, mas no feminino, Terezinha Guilhermino e Ádria dos Santos ficaram com a prata e o bronze, respectivamente.

sábado, 6 de setembro de 2008

Alegria e reconhecimento



Foto de Maurício Pinheiro/CPB

Foi um espetáculo. O Brasil, a quarta maior delegação dos Jogos Paraolímpicos, deu um show de alegria. Os 188 atletas da delegação desfilaram na abertura da Paraolimpíada, neste sábado, no Estádio Ninho de Pássaro, palco de tantos recordes e heróis.

À frente de todos os atletas estava o judoca da classe B1 (cego total), Antônio Tenório. Nada mais justo para quem é tricampeão paraolímpico. O atleta , da categoria até 100kg, foi o escolhido para levar a bandeira brasileira. Essa é a quarta participação de Tenório em Paraolimpíadas.

"É uma emoção indescritível. Pequim abriu com chave de ouro. Minhas sensações aqui foram muito melhores do que em Atenas. Os chineses estão de parabéns", contou o nosso supercampeão.

O clima de descontração marcou o desfile dos brasileiros, que se divertiram muito durante todo o evento.

Confira a programação do primeiro dia de competições

Horários e locais de Pequim (de acordo com o Comitê Paraolímpico Brasileiro)

Natação

Local: Cubo Dágua
Horário: 9h às 11h (qualificatórias) / 17h às 21h (finais)
Prova: 200m livre masculino
Classe: S2
Atletas: Adriano Lima e Gabriel Feiten
Prova: 100m livre masculino
Classe: S3
Atleta: Genezi Andrade
Prova: 100m livre feminino
Classe: S4
Atleta: Edênia Garcia
Prova:100m livre masculino
Classe: S5
Atletas: Daniel Dias e Clodoaldo Silva
Prova: 200m medley masculino
Classe: SM7
Atleta: Gledson Soares
Prova: 100m borboleta feminino
Classe: S8
Atleta: Valéria Lira

Ciclismo Pista

Local: Laoshan Velodrome
Horário: 13h30 às 14h55
Prova: 1 km time trial (final)
Classe: LC3/LC4
Atleta: Flavianio de Carvalho

Judô

Local: Beijing Workers' Gymnasium
Horário: 12 às 15h30 (qualificatórias) / 17h às 19h30 (finais)
Atleta: Carla Cardoso (48kg)
Atleta: Michelle Ferreira (52 kg)
Atleta: Helder Araujo (60 kg)
Atleta: Eduardo Amaral (66kg)

Futebol de 5

Local: Beijing Olympic Green Hockey Stadium
Horário: 13h às 14h
Jogo: Brasil x Coréia

Goalball Masculino

Local: Beijing Institute of Technology Gymnasium
Horário: 10h às 10h45
Jogo: Brasil x Suécia

Goalball Feminino
Local: Beijing Institute of Technology Gymnasium
Horário: 11h às 11h45
Jogo: Brasil x China

Basquete Masculino

Local: Beijing Science and Technology University & National Indoor Stadium
Horário: 16h15 às 18h
Jogo: Brasil x Austrália

Basquete Feminino

Local: Beijing Science and Technology University & National Indoor Stadium
Horário: 15h30 às 17h15
Jogo: Brasil x Alemanha

Vôlei sentado
Local: China Agricultural University
Horário: 19h30 às 21h
Jogo: Brasil x Egito

Bocha

Local: Fencing Hall of National Convention Center
Horário: 17h30
Prova: Individual Misto (eliminatórias)
Classe: BC4
Atleta: Dirceu Pinto x Hungria
Atleta: Eliseu Santos x China
Horário: 19h45
Prova: Individual Misto (eliminatórias)
Classe: BC4
Atleta: Dirceu Pinto x Portugal
Horário: 21h
Prova: Individual Misto (eliminatórias)
Atleta: Eliseu Santos x Espanha

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

VIVA PEQUIM-2008!

A cerimônia de abertura dos Jogos Paraolímpicos promete emocionar o mais cerebral dos homens! Serão 147 países representados por verdadeiros Hefestos, guerreiros com deficiências. O Brasil terá 188 batalhadores. Deficiências que não conseguem apagar o brilho eterno de grandes seres humanos.

EMOÇÃO E FELICIDADE

Os Jogos Paraolímpicos começam neste sábado, às 9h (horário de Brasília). Estou muito emocionado porque sinto que o trabalho árduo começa a gerar frutos. A TV Brasil e o SporTV farão excelentes coberturas do evento. O Diário Lance! também demonstra muito interesse. Espero que a mídia continue dando grande valor ao esporte para pessoas com deficiência e ao movimento pela acessibilidade.

Um grande abraço.

Paulo Vitor Ferreira

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Dupla do barulho

A história dos Jogos Paraolímpicos foi manchada com uma arbitrariedade. Clodoaldo terá de ser reavaliado. Caso nosso campeão seja obrigado a competir na classe S5 (swimming 5), o Brasil perde a oportunidade de conquistar mais medalhas de ouro, pois Daniel Dias seria adversário do Tubarão das piscinas. Isso sem falar que Clodoaldo encontraria adversários bem difíceis como o espanhol Sebastian Rodriguez e o inglês Antony Stephens. Mas um guerreiro do Rio Grande do Norte não foge à luta. Estamos torcendo por novas medalhas de Clodoaldo e de Daniel. Será a melhor dobradinha de todos os tempos.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

UM CAMPEÃO MERECE RESPEITO!

É angustiante notar o abalo emocional do supercampeão Clodoaldo Silva (S4). Ele está sendo vítima de um protesto infundado. O Comitê Paraolímpico Internacional deveria rever sua decisão de aceitá-lo. Então, a delegação brasileira deve denunciar, por exemplo, as seleções de Futebol de Sete da Rússia e da Ucrânia (casos gritantes de erro de classificação). Seus jogadores não aparentam muitas seqüelas (comprometimentos físicos) de paralisia cerebral. Parece que ucranianos e russos são todos da classe menos comprometida e a regra deve ser cumprida: apenas dois atletas com menor grau de deficiência (FT-8/C8) devem atuar entre os titulares. É apenas um exemplo de vários. Podemos citar ainda algumas seleções de Futebol de Cinco que possuem atletas de linha suspeitos. Estes enxergariam mesmo.

A classificação funcional sempre foi polêmica, mas alguns casos de tentativa de reclassificação beiram o absurdo. Nosso grande atleta da S10 (menor comprometimento físico na natação) Andre Brasil ficou sem competir por sete meses por causa de erros grosseiros de reavaliação médica.

DIA D - Clodoaldo Silva solicitou a mudança de data da reavaliação funcional para o dia 4 de setembro, às 10h (horário de Pequim). Essa é a última chance do brasileiro de disputar a Paraolimpíada, já que o período oficial para a realização dos testes se encerram nessa quinta-feira.

Chega a ser sufocante observar o semblante de tristeza do nadador que conquistou seis medalhas de ouro e uma prata.

“As pessoas devem estar se perguntando em casa o motivo para o Clodoaldo Silva não pretender fazer a avaliação. Será que é porque ele vai subir de classe, não vai mais ganhar medalha de ouro? Não é nada disso. Eu me recuso a fazer porque eu já fiz quatro avaliações e não preciso mais de nenhuma para nadar no esporte paraolímpico”, disse o nadador.

Clodoaldo afirmou que vai se apresentar ao IPC no dia 4 de setembro, mas ainda não sabe se vai se submeter aos testes.

“Adiei a reavaliação por causa dos amigos. Os atletas são as únicas pessoas que me fazem ficar aqui, caso contrário, já teria jogado tudo para o alto. Não é por causa das medalhas, mas por causa do exemplo que sou para outros atletas que estão aqui. Caso tenha de bater a cabeça na borda para conseguir um bom resultado para o Brasil, vou fazer”, disse o atleta, emocionado.

Entenda o caso - No final de junho, Clodoaldo foi notificado através do CPB que o IPC recebeu e aceitou um protesto para que fosse reavaliado com relação a sua classificação funcional. O país que fez o protesto não foi divulgado pelo IPC.

O IPC fez um comunicado oficial ao Comitê Paraolímpico Brasileiro, que repassou a informação ao atleta. Clodoaldo Silva tinha, segundo o ofício enviado ao Brasil, duas opções para passar pela junta de reavaliação: uma competição aberta no Canadá, a Can-Am Disability Championship, ou o período oficial de classificações funcionais em Pequim, de 1º a 4 de setembro.


Histórico - Em dezembro de 2006, em Durban, na África do Sul, Clodoaldo teve sua classe funcional protestada pela equipe espanhola durante o Mundial de Natação Paraolímpica e passou da categoria S4 para a S5. O Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB) entrou com um recurso, alegando erro de procedimento. O IPC anulou a decisão e Clodoaldo voltou para a categoria S4 em abril de 2007.

Após o Mundial na África, a única competição que Clodoaldo disputou foi o Parapan do Rio de Janeiro em 2007, já na categoria S4, conquistando sete medalhas de ouro.

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

O garoto de ouro e o cubo d'água




Daniel Dias, classe S5 (má formação congênita), fez na terça-feira o primeiro treino no Cubo D’água, local oficial das competições de natação em Pequim. Recordista mundial das provas dos 100m e 200m livre, 100m costas e 200m medley, elogiou as instalações e se surpreendeu com o tamanho do parque aquático.

“Assisti a todas as provas durante a Olimpíada e ficava me imaginando aqui. Quando entrei, passou um filme na minha cabeça. Não consigo nem dizer o que estou sentindo. Quando via na televisão achava gigantesca. Quando entrei, não me impressionei tanto. Só a piscina que não mudou de tamanho, continua com 50m”, brincou o atleta de 20 anos.

Daniel nada a primeira prova, os 100m livre, no dia 7.

“É a minha primeira prova. Sou recordista mundial nela. Então fico ansioso pra cair logo na piscina e representar bem o Brasil”, disse Daniel.


Perfil

Nome: Daniel de Faria Dias

Data de nascimento: 24/05/1988

Deficiência: má formação congênita dos membros superiores e perna direita

Classe: S5

Clube: Ciedef-SP

Técnico: Marcos Rojo

FOTO DE SAULO CRUZ
COLABOROU O CPB

HOMENAGEM MERECIDA



Tenório prepara-se para a batalha de Pequim
Foto de Pedro Rezende/CPB

O judoca Antônio Tenório vai desfilar à frente da delegação brasileira na abertura da Paraolimpíada de Pequim, no dia 6 de setembro. O atleta foi escolhido pelo Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB) como o porta-bandeira do país.

Classe B1, cego total, Tenório é tricampeão paraolimpíco na categoria até 100kg.

“O sonho vai ser maior ainda quando ouvir o meu nome sendo chamado", afirma o lutador que estará no tatame no dia 9 de setembro.

domingo, 31 de agosto de 2008

Notinha de desabafo!

Uma pena. Perder o talento de Clodoaldo Silva em Pequim é algo angustiante para o esporte. Nosso grande campeão das piscinas sempre foi nosso mais reconhecido atleta paraolímpico. A tristeza toma conta desse humilde blogueiro. O dono de seis medalhas de ouro em Atenas-2004 é presença obrigatória na China. A ausência desse ídolo brasileiro significa uma ferida aberta na competição.

Clodoaldo fora da Paraolimpíada?

O nadador Clodoaldo Silva comunicou neste domingo ao Comitê Paraolímpico Brasileiro sobre a possibilidade de não se apresentar para a reavaliação funcional determinada pelo Comitê Paraolímpico Internacional (IPC).
No final de junho, o atleta foi notificado, através do CPB, que o IPC recebeu e aceitou um protesto para que fosse reavaliado com relação a sua classificação funcional. O país que fez o protesto não foi divulgado.
“Ficamos tristes com essa notícia, pois o Clodoaldo é o atleta mais conhecido e reconhecido da nossa delegação. Porém, essa é uma decisão pessoal que não cabe ao CPB. A classificação funcional faz parte do esporte paraolímpico e todos os atletas estão sujeitos a passar por ela”, disse Vital Severino Neto, presidente do CPB.

O IPC fez um comunicado oficial ao Comitê Paraolímpico Brasileiro, que repassou a informação ao atleta. Clodoaldo Silva tinha, segundo o ofício enviado ao Brasil, duas opções para passar pela junta de reavaliação: uma competição aberta no Canadá, a Can-Am Disability Championship ou o período oficial de classificações funcionais em Pequim, de 1 a 4 de setembro.

Na época Clodoaldo Silva, após reunião com dirigentes do CPB, que o orientaram a optar pela reavaliação no Canadá, para que existisse tempo de reação no caso de um resultado negativo para o atleta. Na oportunidade, ele alegou uma contusão e disse que preferia passar pela banca em Pequim.

A classificação é um fator de nivelamento entre os aspectos da capacidade física e funcional, aproximando o grau de dificuldade entre os competidores com diferentes deficiências. Cada modalidade determina seu próprio sistema de classificação, baseado em aspectos funcionais. O atleta é submetido a uma avaliação por uma equipe de classificadores, que, através de testes de força muscular, mobilidade articular, testes funcionais (realizados dentro da água) e análise de resíduo muscular, determina a classe esportiva do atleta.

Tais classificadores são credenciados pelo IPC e têm formação médica, técnica e fisioterápica.

Atualmente Clodoaldo compete na classe S4 (S de swimming, natação em inglês). Sendo de S1 a S10 os possíveis níveis na natação para atletas com deficiências físicas. O número 1 aplica-se ao maior grau de dificuldade e o 10 ao menor.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Experiência e juventude

A delegação brasileira de atletismo em Pequim terá 48 integrantes, a segunda maior dos Jogos, perdendo apenas para a da China. O velocista André Garcia (baixa visão) é um dos mais experientes, pois participou de Sydney-2000.

“Estava lesionado. Mesmo assim, consegui duas medalhas de prata (nos 100m e 200m). Para os Jogos de Pequim, acredito que estou muito bem preparado”, diz o atleta.

INÉDITO - O Brasil participará pela primeira vez do revezamento para deficientes físicos. Nessa categoria, a equipe é formada por dois atletas com deficiência nos membros inferiores ou amputação de perna e outros dois com deficiência no braço. Um grande nome é o de Alan Fonteles, de apenas 16 anos. Ele tem as duas pernas amputadas. A equipe possui outros grandes velocistas: Antonio Delfino e Yohansson do Nascimento.

“Treino muito para contribuir com a equipe. Observo bem os mais experientes”, disse Alan Fonteles.

Além da nova prova, ele experimenta uma nova sensação: Alan trocou sua prótese de corrida e está 11 centímetros mais alto.