sexta-feira, 26 de outubro de 2007

CAMPEONATO BRASILEIRO PARAOLÍMPICO DE ESGRIMA COMEÇA EM NOVEMBRO

O Campeonato Brasileiro de Esgrima será realizado entre os dias 23 e 25 de novembro, em Curitiba. As inscrições devem ser enviadas até o dia 15 de novembro para o Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), que fornecerá hospedagem, alimentação e transporte interno para os participantes que não residam na cidade-sede da competição. Para outras informações, visite o sítio do Comitê (www.cpb.org.br).

PROGRAMAÇÃO

Dia: 23 de novembro de 2007 (sexta-feira)
• 8h às 18h - Chegada dos Atletas
• 20h30min – Congresso Técnico

Dia: 24 de Novembro de 2007 (sábado)
• 8h às 18h– Competição


Dia: 25 de Novembro de 2007 (domingo)
• 8h às 12h – Competição
• A partir das 14h – Retorno das delegações

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Último dia de competições no Campeonato Escolar

As provas de natação do Campeonato Paraolímpico Brasileiro Escolar começaram na quarta-feira, dia 24, na piscina do Centro Interescolar de Educação Física, em Brasília. O goiano Vanilton do Nascimento, de 14 anos, conquistou o ouro nos 50m borboleta e nos 50m livre.

"O nível técnico da competição me surpreendeu. Os atletas do infantil tiveram tempos muito bons", disse o coordenador técnico Gustavo Abrantes, destacando o próprio Vanilton, Arivaldo Araújo (Bahia) e Gabriel Tomelim (Minas Gerais).

Na primeira rodada do goalball, Santa Catarina venceu Minas Gerais por 13 a 11. O Pará triunfou sobre o Paraná por 16 a 6. Na segunda rodada, nova vitória do Pará, desta vez, derrotando Minas Gerais por 23 a 15. Santa Catarina venceu o Paraná por 17 a 10. A final acontece às 15h.

A programação da tarde desta quinta-feira, 25

Tênis de Mesa
14h30min/16h30min - Competição 17h - Cerimônia de premiação

Goalball
14h - Disputa do terceiro lugar15h - Final

Natação
14h/17h - Competição

Para ver o quadro de medalhas parcial, acesse o site do Comitê Paraolímpico Brasileiro (www.cpb.org.br).

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

VEJA OS GRUPOS DO MUNDIAL DE FUTEBOL DE SETE

Embalada pela medalha de ouro nos Jogos Parapan-Americanos 2007, a Seleção Brasileira de Futebol de Sete disputará o Mundial da modalidade, entre os dias 3 e 17 de novembro, no Complexo de Deodoro, no Rio. Participarão 16 países, divididos em quatro grupos. O Brasil luta para conquistar esse título pela primeira vez.

GRUPO A - Irã,Holanda, EUA e Espanha
GRUPO B - Brasil, Austrália, Inglaterra e África do Sul
GRUPO C - Ucrânia, Canadá, Irlanda e Japão
GRUPO D - Rússia, Argentina, Escócia e China

Fonte: www.ibdd.org.br

CAMPEONATO ESCOLAR MOSTRA A FORÇA DA NOVA GERAÇÃO

O Campeonato Paraolímpico Escolar, realizado em Brasília, já tem seus primeiros campeões. No atletismo, os jovens esportistas disputaram provas de pista e campo nas categorias infantil e juvenil, nos dias 23 e 24. Um dos medalhistas foi Thiago Barbosa, de 17 anos, que conquistou o ouro nos 100m. "Gosto de competições escolares porque, além de lutar por índices melhores, tenho a oportunidade de motivar os atletas que estão começando", disse o atleta, que já disputou o Mundial de Amputados e Cadeirantes em setembro deste ano, em Taipé, Taiwan.
O Mato Grosso do Sul lidera o quadro de medalhas, com 12 no total (nove de ouro e três de prata). O Paraná está na segunda colocação, com seis de ouro, seis de prata e uma de bronze. Santa Catarina ocupa a terceira posição, com seis de ouro, quatro de prata e duas de bronze.
No goalball, um torneio amistoso foi realizado. Antes deste campeonato, o coordenador da modalidade, Marcio Morato, promoveu uma aula prática para orientar os atletas e técnicos, passando conhecimentos técnicos desse esporte.


Quadro de medalhas parcial no site do Comitê Paraolímpico Brasileiro (www.cpb.org.br)

domingo, 21 de outubro de 2007

CAMPEONATO BRASILEIRO ESCOLAR PARAOLÍMPICO COMEÇA NESTA SEGUNDA-FEIRA EM BRASÍLIA

Brasília sedia o II Campeonato Brasileiro Escolar Paraolímpico, um dos maiores eventos esportivos para crianças com deficiência em idade escolar, de 22 a 26 de outubro. Durante toda a semana, mais de 300 competidores de 14 estados disputarão provas de atletismo, natação, tênis de mesa e goalball. A abertura acontece nesta segunda-feira, dia 22, às 15h, no Ginásio do Cruzeiro, e o encerramento no dia 25, no Auditório do Hotel Bay Park.

As modalidades serão disputadas no Cief (Centro Interescolar de Educação Física) e no Cetefe (Centro de Treinamento de Educação Física Especial), sempre com entrada franca. As competições seguem nos dias 23, 24 e 25 de manhã e de tarde. O objetivo do Brasileiro é promover o esporte para os jovens com deficiência, melhorando a qualidade de vida, além de descobrir novos talentos.

Participam do campeonato os estados do Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pará, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Sergipe, além do Distrito Federal.
Em 2006, a cidade de Fortaleza, no Ceará, sediou a primeira edição. O estado campeão foi São Paulo que conquistou 77 medalhas. O evento é uma realização do Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB) em parceria com o Ministério do Esporte e o Governo do Distrito Federal.

Fonte: Comitê Paraolímpico Brasileiro

SELEÇÃO DE CICLISMO É CONVOCADA PARA O PARAPAN DA MODALIDADE
A equipe que representará o Brasil nos Jogos Paraolímpicos de Ciclismo, em Cali, na Colômbia, de 8 a 18 de novembro, já foi escolhida. Veja a relação de convocados abaixo:

1 Adriano Souza Nascimento
2 Ednaldo de Souza
3 Roberto Carlos Silva
4 Soelito Ghor
5 Rivaldo Gonçalves Martins
6 Flaviano Eudoxio de Carvalho
7 Welington Antônio Cavalcante
8 Adauto Xavier de Trindade
9 Paulo Ribeiro Cardoso
10 Rodrigo Feola Mandetta
11 Helder Costa Fernandes
12 Emmanuel Ricardo Craveiro
13 Humberto Newton Ferreira

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

PEDALA!!! CICLISTAS BRILHAM NO BRASILEIRO PARAOLÍMPICO

As bicicletas voaram no Distrito Federal. O Campeonato Brasileiro de Ciclismo Paraolímpico foi realizado no último final de semana, dias 13 e 14 de outubro. As provas aconteceram na cidade de Ceilândia e a competição serviu como base para a convocação da equipe que representará o país nos Jogos Parapan-americanos da modalidade, em Cali, na Colômbia, entre os dias 8 e 18 de novembro.

Participaram do campeonato 26 atletas de diferentes estados, em provas contra-relógio e de estrada. Na categoria tandem (atletas com deficiência visual), o paulista Rodrigo Feola Mandetta conquistou a medalha de ouro. Na LC 3, Wellington Cavalcante (campeão da contra-relógio) e Flaviano Eudoxio de Carvalho (campeão da prova de estrada) tiveram belas participações.

Ciclismo paraolímpico
Esse esporte possui atletas, no masculino e no feminino, com paralisia cerebral, deficiência visual, amputações e lesões medulares. O ciclismo surgiu nos Jogos de 1984, em Nova Iorque. O primeiro brasileiro a participar de uma competição paraolímpica na modalidade foi Rivaldo Martins, em Barcelona, 1992. Rivaldo competiu no Brasileiro, no Distrito Federal, e ficou com o ouro na classe LC2.

No ciclismo, os atletas são divididos em categorias de acordo com a sua deficiência.

Atletas com deficiência físico-motora:
LC 1: atletas com pequeno prejuízo em função da deficiência. Normalmente nos membros superiores.
LC 2: atletas com prejuízo físico em uma das pernas. A prótese pode ser utilizada na competição.
LC 3: competidores pedalam com apenas uma perna e não podem utilizar próteses.
LC 4: categoria para atletas com o maior grau de deficiência. Normalmente atletas com amputação em membro superior e inferior.
Handbike: atletas paraplégicos que utilizam bicicleta especial, impulsionada com as mãos.
PC: Atletas com paralisia cerebral.
Atletas com deficiência visual (Tandem): neste caso, a bicicleta tem dois assentos e o atleta pedala com um guia. Os dois devem pedalar em sintonia.

CAMPEONATO BRASILEIRO PARAOLÍMPICO DE CICLISMO 2007


DIA 14

ESTRADA MASCULINO – 10,5 km

Tandem
1º Rodrigo Feola Mandetta Cia Athletica/SP 36m49s56
2º Paulo Ribeiro Cardoso Stark/CE 38m00s00
3º Adauto Xavier de Trindade Belle Rebas do Cerrado/DF 1 volta
4º Henrique de Sousa Café Rebas do Cerrado/DF 1 volta
5º Daniel Luzia Lima Marques Rebas do Cerrado/DF 2 voltas
6º Wallace Pascoal Gonçalves Rebas do Cerrado/DF 2 voltas
7º Reginaldo Estevão Rebas do Cerrado/DF 3 voltas

LC1

1º Roberto Carlos Silva APARU/MG 34m46s00
2º Adriano Souza Nascimento Clube Bicho do Mato/MG 38m49s00
3º Ednaldo de Souza Vzan Arapongas/PR 38m51s00
4º Jucemar Sousa das Chagas Cooper Cred, Liasa/MG 1 volta

LC2

1º Cláudio Aparecido dos Santos ADFEGO/GO 35m45s00
2º Juarez Rufino do Rego SADEF/RN 36s15m00
3º Eliseu Pereira PPP/SP 1 volta

LC3
1º Flaviano Eudoxio de Carvalho AMC/ES 28m11s65
2º Welington Antônio Cavalcante Enesa, Ricce, Speak Fast/ES 29m39s81
3º Luis Alves de Sousa CETEFE/PI 1 volta
4º Joaquim Sousa CETEFE/DF 2 voltas

Fonte: Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB)

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

BRASILEIRO DE CICLISMO PARAOLÍMPICO COMEÇA NESTA SEXTA-FEIRA

O Campeonato Paraolímpico Brasileiro de Ciclismo começa nesta sexta-feira, dia 12, e vai até 14 de outubro, em Brasília, no Distrito Federal. Esse é um dos eventos utilizados como base para a formação da equipe que representará o país nos Jogos Parapan-americanos da modalidade, em Cali, na Colômbia.

Nacional de Halterofilismo

José Maria Santana, do Amazonas, e João Eusébio Batista, de Natal, foram os destaques do Campeonato Brasileiro de Halterofilismo Paraolímpico, realizado entre os dias 5 e 7 de outubro, em São Paulo. Na categoria até 60kg, o atleta do Amazonas levantou 150kg. Já o atleta de Natal levantou 186kg na categoria até 82,5kg, estabelecendo novas marcas brasileiras.
Participaram do Campeonato, realizado pelo Comitê Paraolímpico Brasileiro, 60 atletas: sete no feminino e 53 no masculino.

FILHOS DE HEFESTOS

Hoje é o Dia do Deficiente Físico. Data em que todos aqueles que já sofreram preconceito por sua condição deveriam se levantar e dizer: 'eu sou capaz'. Como negar a capacidade da pessoa com deficiência ao ver Daniel Dias? Um garoto de apenas 19 anos, com má formação congênita, que aprendeu a nadar há apenas dois e hoje é o líder do ranking do Circuito Paraolímpico.
Como negar a competência de um deficiente em qualquer área de atuação ao ver o segundo colocado deste mesmo ranking, André Brasil, que conquistou tantos títulos no Parapan?
E pensar que foi reprovado na classificação funcional. Pelos critérios, ele não poderia nem participar da categoria S 10 (menor grau de comprometimento) por ter uma deficiência mínima na perna esquerda.
O Comitê Paraolímpico Brasileiro entrou com um protesto contra a decisão do Comitê Internacional e, depois de uma briga de sete meses, quando o atleta entrou em depressão e engordou, seu direito a participar de competições como deficiente foi aceito.

Que as conquistas de André Brasil, Daniel Dias, Edênia Garcia - com uma doença degenerativa em seus membros, que não a impediu de bater recordes -, de Leandro Marinho (portador de paralisia cerebral e melhor do mundo no futebol de sete), da formidável Rosenei (arremesso de peso), entre outros, mostrem aos homens a força e a superação dessa gente.

Que estes vencedores façam a sociedade refletir sobre o direito ao emprego, à acessibilidade, à sexualidade...enfim, o direito à vida dessas pessoas, aos filhos de Hefestos, um competente ferreiro nas lendas da Grécia e portador de deficiência física.

FILHOS DE HEFESTOS

Hoje é o Dia do Deficiente Físico. Data em que todos aqueles que já sofreram preconceito por sua condição deveriam se levantar e dizer: 'eu sou capaz'. Como negar a capacidade da pessoa com deficiência ao ver Daniel Dias? Um garoto de apenas 19 anos, com má formação congênita, que aprendeu a nadar há apenas dois e hoje é o líder do ranking do Circuito Paraolímpico.
Como negar a competência de um deficiente em qualquer área de atuação ao ver o segundo colocado deste mesmo ranking, André Brasil, que conquistou tantos títulos no Parapan?
E pensar que foi reprovado na classificação funcional. Pelos critérios, ele não poderia nem participar da categoria S 10 (menor grau de comprometimento) por ter uma deficiência mínima na perna esquerda.
O Comitê Paraolímpico Brasileiro entrou com um protesto contra a decisão do Comitê Internacional e, depois de uma briga de sete meses, quando o atleta entrou em depressão e engordou, seu direito a participar de competições como deficiente foi aceito.

Que as conquistas de André Brasil, Daniel Dias, Edênia Garcia - com uma doença degenerativa em seus membros, que não a impediu de bater recordes -, de Leandro Marinho (portador de paralisia cerebral e melhor do mundo no futebol de sete), da formidável Rosenei (arremesso de peso), entre outros, mostrem aos homens a força e a superação dessa gente.

Que estes vencedores façam a sociedade refletir sobre o direito ao emprego, à acessibilidade, à sexualidade...enfim, o direito à vida dessas pessoas, aos filhos de Hefestos, um competente ferreiro nas lendas da Grécia e portador de deficiência física.

domingo, 7 de outubro de 2007

Garra e superação no Circuito Brasil Paraolímpico

Adriano Lima, o supercampeão do Circuito



São Paulo, SP - O Circuito Brasil Paraolímpico de Atletismo e Natação terminou neste domingo, dia 7. O nadador Adriano Lima foi um dos destaques da etapa, a última nacional. O atleta conquistou dez medalhas de ouro, quatro no Circuito e seis no Campeonato Universitário das modalidades, realizado também no Parque Aquático do Ibirapuera. Por estar no curso de Educação Física, Adriano teve condições de participar deste outro torneio.




Ele falou com a equipe do ESPORTE INCLUSÃO no hotel onde a delegação do Circuito se hospedou sobre o importante papel de um calendário para os atletas. "Saber que vamos treinar e que, logo depois, disputaremos uma competição importante é gratificante, antigamente não tinha isso. Nós treinávamos e não disputávamos quase nada", disse o supercampeão, que conquistou sete ouros e uma prata no Parapan.





Show de astros e estrelas no Parque Aquático do Ibirapuera



São Paulo, SP - Não foi apenas Adriano Lima que brilhou na última etapa nacional do Circuito Brasil Paraolímpico, realizado neste final de semana, dias 6 e 7, no Parque Aquático do Ibirapuera. Outros atletas mostraram muita garra e venceram sua competições. André Brasil, Edênia Garcia, Fabiana Sugimori, Glédson Soares, Daniel Dias, Valéria Lira e Ana Lúcia foram os outros destaques.
Neste domingo, no masculino, André Brasil levou o ouro nos 50m livre S10, com o tempo de 25s18. Adriano Lima venceu a prova dos 50m livre S6, com 32s66. Daniel Dias na classe SM5 e o experiente Glédson Soares, na S8, também colecionaram ouros na competição.
No feminino, Valéria Lira conquistou o ouro nos 50m livre S8, com 37s92. Ela venceu três provas no Mundial em Taiwan. Já Edênia Garcia, bronze em Atenas-2004 nos 200m livre, brilhou na categoria S4, assim como Fabiana Sugimori (S 11), Ana Lúcia (S2) e Gabriela Cantagalo (S9).
É importante ressaltar que quase todas as nadadoras são muito novas. Valéria, Gabriela e Ana têm apenas 15 anos. Ana Lúcia compete profissionalmente desde os nove anos. Edênia tem 20, mas disputa campeonatos desde os 13.


Terezinha, a mulher mais rápida do mundo

São Paulo, SP - As mulheres provaram o seu valor e competência nas provas de Atletismo da última etapa nacional do Circuito Brasil Paraolímpico neste domingo, nas dependências do Ibirapuera. Rosenei e Terezinha Guilhermina foram os destaques. Ádria Santos conquistou uma prata e um bronze. Mas os homens não ficaram atrás. Emicarlos e André Luiz venceram suas competições.
Rosenei, do clube Pantanal sobre Rodas, ganhou as provas de arremesso de disco, dardo e peso na categoria F36. "Estou muito feliz com esses resultados. Essa é a prova de que um calendário definido ajuda muito no desempenho dos atletas", disse a atleta, que reclamou da iniciativa privada.
"As empresas privadas precisam acreditar no deficiente. Entregamos vários projetos e não recebemos resposta", afirmou.
Terezinha Guilhermina conquistou o ouro nos 400m rasos T11 neste domingo. Ádria Santos terminou em terceiro na mesma prova. No sábado, Terezinha também venceu a prova dos 100m, superando Ádria, que ficou com a prata.
No masculino, o destaque foi o campeão mundial Emicarlo Souza, que venceu os 400m T 46. Yohansson Ferreira, campeão parapan-americano da prova, levou a medalha de prata. Emicarlo falou que o esporte paraolímpico está começando a ser visto de outra forma pelo público. "Não somos mais vistos como coitadinhos. Somos considerados atletas de alto rendimento. Esse Circuito e as competições internacionais nos ajudam a acabar com a visão errada de que o deficiente é um pobre coitado", disse.
André Luiz, o Jadel Paraolímpico, venceu a prova do salto em distância na categoria S10. O atleta foi árbitro no Pan e disputou o Parapan. O supercampeão parapan-americano Lucas Prado foi ouro nos 100m e bronze nos 200m na categoria T11. Ele vem de uma pubalgia.
A única notícia ruim foi a morte da mãe da atleta Rosinha, do arremesso de peso. A atleta recebeu essa notícia durante a competição. Fato que comoveu a todos.

Sem Clodoaldo, o Brasil brilha nas piscinas



São Paulo, SP - A segunda etapa nacional do Circuito Brasil Paraolímpico de Atletismo e Natação começou com tudo neste sábado, dia 6. Até o ministro do Esporte, Orlando Silva, esteve presente para assistir ao primeiro dia de competição, que acontece até domingo nas dependências do Ibirapuera. Os melhores atletas paraolímpicos do país e competidores também da Argentina e Uruguai participam do evento. Na natação, ocorreu um desfalque sério. O supercampeão Clodoaldo Silva lesionou o ombro esquerdo e não participou da etapa.

Porém, em uma atitude que justifica ter sido considerado pelos torcedores brasileiros como o terceiro esportista de maior confiabilidade no país, foi ao parque aquático torcer pelos colegas. "Preferia estar na piscinas, mas desta vez não deu", disse.

Apesar disto, o Brasil deu um show na modalidade. Daniel Dias, Adriano Lima, Edênia Garcia e André Brasil trouxeram muitas medalhas de ouro.“Com o resultado do Parapan e de uns dias de férias, agora voltamos aos treinos de maneira forte, com o pensamento voltado para a Paraolimpíada de Pequim", afirmou Andre Brasil após nadar - e ganhar - a prova de 100m livre S10. Na pista de atletismo do Complexo Esportivo do Ibirapuera, novo duelo nos 100m rasos entre as melhores velocistas cegas do mundo, Terezinha Guilhermina e Adria Santos, ambas da classe T11. Terezinha levou a melhor e garantiu mais um ouro para a sua coleção.

Neste domingo, dia 7, as atletas voltam a correr os 400m. Ainda na pista, Carlos Barto, da classe T11, bateu o recorde parapan-americano nos 800m, com o tempo de 2m01s76. Paulo Douglas Moreira também quebrou a mesma marca no lançamento de disco F35-36, com 35m55.Neste domingo, a partir das 8h, a competição continua na piscina e na pista do Complexo Esportivo do Ibirapuera. A entrada é franca.
Campeonato Universitário reúne quase cem atletas Nos mesmos locais do Circuito, o Comitê Paraolímpico Brasileiro realiza o Campeonato Universitário de Atletismo e Natação. Ao todo, 46 atletas universitários da natação e 48 do atletismo disputam as provas. O Campeonato já está no segundo ano e vale para a renovação da Bolsa Atleta do Ministério do Esporte.

Clodoaldo, bronze em confiabilidade

O resultado da pesquisa do "Ibope Inteligência", que aponta as marcas, as personalidades, as profissões e as instituições de maior confiança dos brasileiros, revela que Clodoaldo Silva está entre os atletas mais confiáveis do Brasil. Os dados foram coletados entre os meses de março e abril deste ano. Mesmo antes de participar dos Jogos Parapan-americanos, Clodoaldo conseguiu o índice de 81% de confiabilidade do público, terminando em terceiro. Bernardinho, técnico da seleção brasileira de Vôlei Masculino, ficou com 95% do índice e Lars Grael, 88%.



"Isso é uma vitória para mim. Admiro o trabalho de Bernardinho e sou amigo dele. Também tenho bom relacionamento e sou fã de Lars Grael. Acho que por ser um atleta paraolímpico, um cidadão com uma história de muitas dificuldades, parecida com a de milhões de brasileiros e por conquistar cada vez mais resultados expressivos, a população me reconhece. Ganho para o esporte paraolímpico, para as pessoas com deficiência. O Brasil futuramente poderá ser conhecido como um país que prioriza a inclusão de todos", afirmou Clodoaldo.



O atleta ficou conhecido no Brasil logo depois dos Jogos Paraolímpicos de Atenas-2004. O nadador está envolvido com ações sociais e o carisma com o público.


A pesquisa

A pesquisa de 2007, feita pelo Ibope Inteligência, foi solicitada pela Revista Seleções para conhecer os vencedores da sexta edição do Prêmio Marcas de Confiança. Para coletar os dados e chegar aos resultados, o Ibope Inteligência utilizou estudos qualitativos e quantitativos. Os números foram analisados com base em uma amostra representativa dos quase 1,5 milhão de leitores da revista

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Que viva a Seleção!

O sonho não se realizou. As alemãs venceram as guerreiras brasileiras por 2 a 0 na final da Copa do Mundo de Futebol Feminino, na China, e conquistaram o título. Mas a Seleção conquistou o coração de todos os torcedores. A atleta Marleide Maria da Silva, primeira deficiente visual a disputar o Troféu Brasil de Triathlon, e a jogadora Andréia Paiva, do clube Parque do Flamengo, afirmaram que Marta, Daniela Alves & Cia serão sempre as campeãs na mente dos fãs do futebol-arte.

Após o jogo, a triatleta Marleide da Silva exaltou a força da mulher no esporte. “Apesar da falta de incentivo e apoio, elas provaram que somos capazes. Foram maravilhosas”, disse Marleide, que jogou futebol até os 19 anos no Caraibeiras Futebol Clube, de Pernambuco.

Já Andréia Paiva, de 25 anos, jogadora de futebol, rasgou elogios às meninas. “Elas estão de parabéns. A Marta é um ser humano e pode errar. Elas tiveram uma bela participação. A Seleção precisa fazer amistosos com países como Alemanha e Noruega constantemente. A criação da Copa do Brasil ajudaria. Existem garotas de 14 a 17 anos no nosso território que são craques. Precisamos achar esses valores”, disse a esportista, que é fã de Daniela Alves, Maicon e Roseli, esta última não está no grupo atual, mas foi uma das grandes craques da geração passada da modalidade.

Segundo Andréia, a falta de estrutura e patrocínio é ruim para o Futebol Feminino. “As iniciativas são isoladas. Nós temos de correr atrás de campeonatos. Para participarmos de um torneio de Futebol de Praia, desembolsamos R$ 450. A situação é difícil”, revelou a jogadora do Parque do Flamengo, time formado há sete anos, que se reveza entre treinos nos campos do Aterro e na praia do Flamengo.

“Já tivemos de improvisar traves de madeira no campo do Aterro do Flamengo para o time treinar, já que não existiam balizas de ferro”, afirmou a jogadora, que ainda contou que, nesse dia fatídico, quem ajudou a solucionar o problema foi um ambulante. “Os campos precisam de manutenção. Uma mulher pode machucar o joelho naquele gramado ruim. Solicitamos à administração uma solução”, disse.

Além disso, não existe um campeonato regular e os grandes clubes não parecem se interessar. “Os times de futebol não têm dinheiro, patrocínio e apoio para amistosos. Os grandes clubes também não demonstravam muito interesse. Treinei em um deles e vi o descaso dos dirigentes e da comissão técnica”, verbalizou.
Apesar dos empecilhos, ela concorda que existem pessoas lutando pelo desenvolvimento da modalidade. “Um fisioterapeuta é uma espécie de colaborador do nosso time. Além disso, todos os campeonatos de Futebol Feminino lotam. O público já aceitou mulheres que jogam bola. Tem gente que até brinca dizendo que os homens tinham de aprender com o sexo feminino”, finalizou Andréia Paiva, que atua de apoiadora em seu time.


Campeão do Parapan apóia Seleção Feminina de Futebol


'Elas já são as campeãs'. Com essa frase, Leandro Marinho, o melhor jogador do mundo de Futebol de Sete, mostrou que as mulheres da Seleção de Futebol já conquistaram o coração do país independentemente do resultado do jogo contra a Alemanha na final da Copa do Mundo, na China.

"Sem nenhuma demagogia, elas já são as campeãs para mim. As jogadoras são exemplo para todos. O Brasil deve se espelhar nelas. Por tudo que superaram, merecem esse título", disse o craque do Futebol de Sete.

Leandro Marinho fez questão de demonstrar todo o seu orgulho e admiração pelas meninas. "Dá gosto de vê-las jogar. Como não acompanhei muito a geração do Zico, eu me inspiro nelas. Elas vão conseguir mais apoio e patrocínio", afirmou o camisa 3 da Seleção que conquistou a medalha de ouro no Parapan.

O atleta tem um carinho especial pela apoiadora Daniela Alves. "A Marta é a estrela. A Cristiane, a Maicon e a Formiga também jogam muito, mas não esqueço do encontro que tive com a Daniela Alves em San Diego, Estados Unidos. Parabéns para todas as jogadoras e para a comissão técnica", concluiu o craque.